Pandemia de coronavírus deverá aumentar número de pobres

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Desmonte do SUS: decreto anuncia privatização da atenção básica em retrocesso histórico

    LER MAIS
  • O Papa, os Gays e o Ídolo da Doutrina Imutável

    LER MAIS
  • Ser humano e inteligência artificial: os próximos desafios do onlife. Entrevista com Luciano Floridi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


26 Março 2020

A professora Marta Arretche (FFLCH) prevê redução dos fluxos econômicos, ocasionando aprofundamento da desigualdade social, com nova legião de pobres.

A reportagem é publicada por Jornal da Usp, 25-03-2020.

Diante da pandemia de coronavírus, não só o sistema de saúde nacional é alvo de atenção. A economia parada devido ao isolamento social preocupa entidades internacionais, como a Organização das Nações Unidas (ONU), pela possibilidade do aprofundamento da desigualdade social e da formação de uma nova legião de pobres.

Marta Arretche, professora do Departamento de Ciência Política da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) e pesquisadora do Centro de Estudos da Metrópole (CEM) da USP, contou ao Jornal da USP no Ar o porquê dessa situação ser preocupante. Ela ressalta que “a pandemia em si não é o que causa pobreza, mas a grande pressão nos sistemas de saúde dos países, o que se prevê que causará o aumento da desigualdade e pobreza absoluta pelo isolamento social, porque os fluxos econômicos serão brutalmente reduzidos, afetando o funcionamento das empresas”.

Em outros países, como o Reino Unido, os governos têm tomado medidas para tentar conter o avanço do empobrecimento da população, fornecendo uma complementação governamental de renda para as pessoas que perderam seus trabalhos, por exemplo. A intenção é reduzir a pobreza absoluta no momento de insegurança causado pela pandemia.

Segundo a especialista, os países que não conseguirem adotar medidas similares terão consequências mais graves. “Há o risco de convulsão social, porque, com a incerteza da duração da quarentena, a falta de perspectiva e o desespero, podem ser geradas reações sociais preocupantes, e a contenção disso depende das respostas dos governos à recessão econômica”, explica.

No Brasil, Marta avalia a ação do governo como lenta, em comparação ao rápido avanço da doença no País. Segundo seus estudos, “já vínhamos de uma recessão na economia há algum tempo, e tínhamos dados de que a pobreza absoluta vinha aumentando, tanto por conta do desemprego quanto da queda da renda média, com redução de pagamentos do Bolsa Família e o aumento da taxa de informalidade por aqui”, afirma. Por isso, ela defende uma reação rápida do governo na implementação de políticas que garantam uma renda mínima à população mais vulnerável durante esse período de quarentena.

“Estamos sentados em cima de um barril de pólvora, se ele vai explodir ou não vai depender da velocidade do governo em conter a expansão da pobreza e o auxílio ao sistema de saúde”, conclui. Saiba mais ouvindo a entrevista na íntegra.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pandemia de coronavírus deverá aumentar número de pobres - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV