Os partidos e o vírus: a biopolítica no poder

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco denuncia: “Ouvimos mais as empresas multinacionais do que os movimentos sociais. Falando claramente, ouvimos mais os poderosos do que os fracos e este não é o caminho”

    LER MAIS
  • “A atual loucura digital é um veneno para as crianças”. Entrevista com Michel Desmurget

    LER MAIS
  • Prefeito da Doutrina da Fé pede para que padre irlandês, defensor da ordenação de mulheres, faça os juramentos de fidelidade aos ensinamentos da Igreja

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


02 Março 2020

Por um lado, a política, desbotadas suas coordenadas ideológicas, acentuou cada vez mais um caráter protetor contra riscos reais e imaginários, perseguindo temores que frequentemente ela mesma produz. Por outro lado, a prática médica, apesar de sua autonomia científica, não pode deixar de levar em consideração as condições contextuais em que opera. Por exemplo, as consequências econômicas e políticas que as medidas sugeridas determinam. Isso explica de alguma forma a surpreendente diversidade de opiniões entre os maiores virologistas italianos em relação à natureza e aos possíveis desdobramentos do coronavírus.

A opinião é do filósofo italiano Roberto Esposito, professor da Escola Normal Superior de Pisa e ex-vice-diretor do Instituto Italiano de Ciências Humanas, em artigo publicado por La Repubblica, 28-02-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis o artigo.

Quando se começou a falar sobre "biopolítica", a novidade foi recebida com algum ceticismo. Parecia uma noção dificilmente verificável na realidade. Depois a situação mudou rapidamente. O feedback tornou-se cada vez mais denso, até se tornar impressionante. Desde os procedimentos biotecnológicos, destinados a modificar eventos anteriormente considerados naturais, até o terrorismo suicida e até a mais recente crise imigratória, questões de vida e morte se instalaram no centro das agendas e dos conflitos políticos. Até que a explosão do coronavírus, com as consequências geopolíticas que resultaram, levou ao ápice a relação direta entre a vida biológica e as intervenções políticas.

Existem três etapas fundamentais. A primeira é o deslocamento do objetivo político dos indivíduos para determinados segmentos da população. Afetadas por práticas profiláticas, ao mesmo tempo protegidas e mantidas à distância, são partes inteiras da população, consideradas em risco, mas também portadoras de risco de contágio. Esse também é o resultado da verdadeira síndrome imunitária que há muito tempo caracteriza o novo regime biopolítico. O que se teme, mais do que o próprio mal, é sua circulação descontrolada em um corpo social exposto a processos de contaminação generalizados. Naturalmente, as dinâmicas da globalização potencializaram esse medo em um mundo que parece ter perdido toda fronteira interna. O violento contraste à imigração pelos partidos soberanistas, mais que como uma continuação do antigo nacionalismo, deve ser interpretado nessa chave imunitária.

O segundo passo da dinâmica bipolítica em curso tem a ver com o duplo processo de medicalização da política e politização da medicina. Novamente, trata-se de uma transformação que remonta ao nascimento da medicina social. Mas a aceleração em curso parece ultrapassar o limiar de guarda.

Por um lado, a política, desbotadas suas coordenadas ideológicas, acentuou cada vez mais um caráter protetor contra riscos reais e imaginários, perseguindo temores que frequentemente ela mesma produz. Por outro lado, a prática médica, apesar de sua autonomia científica, não pode deixar de levar em consideração as condições contextuais em que opera. Por exemplo, as consequências econômicas e políticas que as medidas sugeridas determinam. Isso explica de alguma forma a surpreendente diversidade de opiniões entre os maiores virologistas italianos em relação à natureza e aos possíveis desdobramentos do coronavírus.

O terceiro sintoma, talvez ainda mais preocupante, do entrelaçamento entre política e vida biológica é constituído pelo deslocamento dos procedimentos democráticos ordinários para disposições de caráter emergencial. Também a decretação de urgência tem uma longa história. Em sua base existe a ideia de que, em condições de alto risco, mais que a vontade do legislador, vale o estado de necessidade.

Por exemplo, se um terremoto devastar um território, determina-se um estado de emergência que pode facilmente deslizar para um estado de exceção. É o que está acontecendo nestes últimos dias, com as medidas adotadas pelo governo central e, pelos governos regionais, com o risco de uma indevida sobreposição entre os dois poderes. Esse impulso em direção ao estado de exceção é ainda mais preocupante porque tende a homologar os procedimentos políticos dos estados democráticos com aqueles de estados autoritários como a China. Com a ressalva de que, nesse terreno, os estados autoritários, pela própria natureza de seu tipo de poder, estarão sempre à frente dos estados democráticos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os partidos e o vírus: a biopolítica no poder - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV