Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


 

 

Mais Lidos

Publicações

  • Cadernos IHU ideias

    320º - Pindó Poty é Guarani!

    Autor: Roberto Antonio Liebgott e Aloir Pacini

    Acessar PDF
  • Cadernos IHU ideias

    319º - Indígenas nas cidades: memórias “esquecidas” e direitos violados

    Autor: Alenice Baeta

    Acessar PDF
  • Cadernos Teologia Pública

    154ª edição - A Igreja e a união de pessoas do mesmo sexo: O Responsum e a possibilidade de novas abordagens

    Autor: Andrea Grillo

    Acessar PDF

A crise alimentar. Por um novo modelo de produção

Edição: 258

“Temos 6,7 bilhões de habitantes, e produzimos mais de 2 bilhões de toneladas de grãos, o que significa que produzimos quase um quilo de grãos por pessoa e por dia no Planeta”, alerta Ladislau Dowbor, economista e professor do PPG em Administração da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). No entanto, embora a oferta seja muito mais ampla que a atual demanda, o medo da fome volta a assustar a humanidade e milhares de excluídos não tem o que comer. Isso se justifica, segundo Dowbor, devido à especulação e ao consumo irracional.

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

O ex-Beatle Paul McCartney cunhou uma frase que se tornou célebre ao afirmar que, se os matadouros tivessem vidros em vez de paredes, as pessoas não comeriam carne. Muitos adeptos do veganismo acolhem essa como uma afirmação para indicar a violência que envolve os abates. Entretanto, ser vegano é mais do que não comer carne em razão da forma como os animais são mortos, é uma recusa a todo o sofrimento a que os animais são sujeitados não somente para a produção de comida, mas para qualquer bem de consumo. É também não humanizar os bichos, respeitando-os como parte de um projeto comum. A revista IHU On-Line debate o tema nesta edição com especialistas de diversas áreas do conhecimento.

Josué de Castro e Graciliano Ramos. A desnaturalização da fome

Edição: 274

O momento mágico, glorioso, segundo Lula, vivido pelo Brasil, atualmente empanado pela grave crise financeira internacional, não permite que se esconda a dura realidade da fome de 11,5 milhões brasileiros. No mundo, apesar dos inauditos avanços científico-tecnológicos, recente relatório da FAO mostra que aumentou em 8%, entre 2005 e 2007, os famintos, chegando a 923 milhões de pessoas. Somos defrontados com o drama da fome, precisamente no ano em que celebramos o centenário de nascimento de Josué de Castro, autor de clássicos sobre o assunto, como Geografia da fome e Geopolítica da fome. Por sua vez, Vidas secas, de Graciliano Ramos, completa 70 anos da primeira edição, considerado livro de referência quando o tema é a fome e a miséria.