A economia chinesa e mundial frente ao coronavírus

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco denuncia: “Ouvimos mais as empresas multinacionais do que os movimentos sociais. Falando claramente, ouvimos mais os poderosos do que os fracos e este não é o caminho”

    LER MAIS
  • “A atual loucura digital é um veneno para as crianças”. Entrevista com Michel Desmurget

    LER MAIS
  • Prefeito da Doutrina da Fé pede para que padre irlandês, defensor da ordenação de mulheres, faça os juramentos de fidelidade aos ensinamentos da Igreja

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Fevereiro 2020

Mais grave que aquela da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS), que apareceu em 2003, a epidemia do coronavírus deve ter consequências maiores para o comércio internacional.

A reportagem é de Jean-Raphaël Chaponnière, publicada por Alternatives Économiques, 04-02-2020. A tradução é de André Langer.

A SARS apareceu em novembro de 2002 na província de Guangdong, onde, pela primeira vez, o vírus atravessou a barreira entre animais e humanos. As autoridades provinciais esperaram até fevereiro de 2003 para fazer um anúncio oficial em nível nacional, o alerta só foi dado em abril. Enquanto isso, bilhões de mensagens SMS referentes à SARS foram trocadas; o correspondente do Washington Post, John Pomfret, informou que, de 8 a 10 de fevereiro, a mensagem “há uma gripe fatal em Guandong” foi enviada 126 milhões de vezes a Cantão. A SARS chegou a Pequim em 5 de março e em abril o número de casos aumentou de 339 para mil em uma semana. No final do mês, mais de um milhão de pessoas (10% da população) tinham ido para a estação Oeste e fugido da capital.

Quando o alerta foi confirmado internacionalmente, a SARS foi apresentada como um supervírus comparável à Grande Peste, que dizimou metade da população europeia no final do século XIV. Felizmente, essas previsões não se realizaram. A epidemia teve três episódios – o de novembro de 2002 a junho de 2003, seguido de dois tremores secundários muito pequenos entre dezembro de 2003 e janeiro de 2004 e entre março e maio de 2004 – e o vírus desapareceu.

O balanço final foi de 8 mil casos e 778 mortes em todo o mundo. As primeiras estimativas das consequências econômicas foram alarmantes: e de acordo com as análises realizadas posteriormente, a SARS finalmente causaria perdas significativas (queda de 3 pontos no crescimento) no segundo trimestre de 2003, quando a epidemia estava no auge. Durante todo o ano, seu custo teria representado 1% do PIB. A SARS causou uma quebra na economia, que retomou seu curso e voltou a crescer mais de 10% até 2008.

Wuhan, a “Detroit chinesa”

No caso do coronavírus, as autoridades provinciais esperaram mais de um mês para reconhecer oficialmente a epidemia, depois anunciaram em 22 de janeiro medidas de isolamento da cidade de Wuhan, que foram implementadas dois dias depois. Enquanto isso, cinco milhões de habitantes deixaram a cidade para o feriado de Ano Novo...

Apesar do confinamento de quase 60 milhões de pessoas – uma medida sem precedentes –, a epidemia do coronavírus já é mais grave que a da SARS. Sua velocidade de propagação é mais rápida: com vários milhares de quilômetros de TGV, a China está mais conectada do que em 2003 e as férias ajudando, a epidemia se espalhou por todas as províncias e países vizinhos. De fato, a epidemia eclode em uma China muito diferente da SARS: a China é a segunda potência econômica do mundo, representando 16% do PIB mundial, em vez dos 4% em 2003. A China é mais rica, e seu crescimento, que não possui mais os mesmos motores, é muito menor (6% em 2019). Uma desaceleração que se explica menos pela guerra comercial em curso do que pelas medidas tomadas para combater a dívida, que aumentou acentuadamente desde 2008.

Situada no epicentro da epidemia, Wuhan é a capital da província de Hebei (4% do PIB). A “Detroit chinesa” é o lar da Renault, PSA, Nissan, Smart e Valéo e aí são fabricados tantos carros quanto na França. No curto prazo, o impacto da crise será limitado, pois as vendas de automóveis estão em declínio há vários meses. No entanto, a paralisação das subcontratadas desorganizou a indústria no país e fora dele. Já importante polo da indústria automotiva, Wuhan está se tornando um ator-chave no campo da eletrônica (telas, chips); é chamada a desempenhar um papel importante no programa Manufacturing 2025, que visa melhorar a qualidade dos produtos chineses.

Os outros dois setores diretamente afetados pelas medidas drásticas do governo são o transporte (4% do PIB) e o comércio varejista (7%). Se não há substituto para o deslocamento das pessoas, o comércio eletrônico representa uma alternativa para a frequentação de lojas e centros comerciais. Seu faturamento representa 36% do comércio varejista, uma porcentagem muito maior do que em muitos países, incluindo a França, onde é de 9%. Uma razão para limitar o impacto da epidemia nas vendas, mesmo se, os produtos adquiridos nos sítios ainda não sendo entregues por drones, sua entrega sofre o impacto das medidas de confinamento.

Qual é o impacto no consumo?

Entre 2003 e 2020, o aumento no consumo das famílias foi espetacular. No entanto, apesar do objetivo de reequilíbrio perseguido pelo Estado durante quinze anos, não apenas a parte do consumo no PIB não aumentou, mas foi reduzida de 42% para 39% em 2018. Por outro lado, a contribuição do consumo para o crescimento aumentou. Em 2003, dois anos depois de ingressar na OMC, as exportações estavam crescendo e, com o investimento, tiveram um crescimento de dois dígitos. Este não é mais o caso hoje. Desde 2017, a crise de crédito, adicionada às hostilidades sino-americanas, reduziu o crescimento para 6% no terceiro trimestre de 2019, a menor taxa nos últimos 27 anos. Esse crescimento não se baseia mais nas exportações, baseia-se menos nos investimentos e mais no consumo.

Nessas condições, assumindo que o coronavírus tenha o mesmo impacto que a SARS, suas consequências no crescimento podem ser quase duas vezes maiores. As primeiras estimativas apontam para uma queda no crescimento do PIB no primeiro trimestre de 2020 de 2%, ano que marca o final do plano decenal que prevê a duplicação da renda per capita. O governo não hesitará em impulsionar a economia, estimulando-a a atingir esse objetivo.

Se, por outro lado, a crise for mais grave do que a da SARS, poderá modificar o comportamento das famílias, fazendo com que aumentem suas economias de precaução para garantir melhor sua saúde. Se confirmada, essa mudança reduzirá o crescimento da economia chinesa. O Estado poderia reagir aumentando a participação da saúde nos gastos orçamentários.

O turismo, um vetor de contágio econômico

Na época da SARS, o PIB chinês era o sexto do mundo, atrás do PIB francês, e as importações chinesas representavam 5% do total mundial. A China é agora o maior exportador e o maior importador do mundo: absorve um quarto das exportações mundiais. A China é mais pesada e está mais integrada à economia mundial através do comércio de serviços e bens.

O turismo é a principal cadeia de transmissão da epidemia para o exterior. Em 2003, 20 milhões de chineses passaram férias no exterior; entretanto, no ano passaram eles já eram 150 milhões. Foi na Tailândia, o destino preferido, que o primeiro caso de coronavírus fora da China apareceu no dia 13 de janeiro – houve outros 13 casos desde então. O vírus se espalhou para o sudeste da Ásia, os Estados Unidos e a Europa.

É também através do turismo que se espalham as primeiras consequências econômicas da crise chinesa. Em 2019, onze milhões de turistas – um quinto de todas as entradas – visitaram o reino tailandês. No Vietnã, eles eram 6 milhões sobre um total de 18 milhões de turistas. No Japão, que sediará os Jogos Olímpicos em julho, 30% dos turistas estrangeiros são chineses – 7,4 milhões. A decisão do governo chinês de proibir a saída de grupos é, portanto, um golpe duro para a Tailândia, onde o turismo é a fonte de renda de 6 milhões de pessoas. Espera-se também que a indústria do turismo francês experimente fluxos de turistas em declínio, assim como a indústria do luxo.

A extensão das férias para além de 02 de fevereiro e as dificuldades de transporte dos mingong (260 milhões de trabalhadores migrantes, em sua grande maioria oriundos das províncias do centro e do oeste) forçarão a diminuição da produção industrial. Uma situação que afeta a indústria global: de acordo com a Bloomberg, Wuhan está em 13º lugar nas cidades chinesas classificadas de acordo com seu papel nas cadeias produtivas globais. A China é um elo essencial na indústria eletrônica, mas também na indústria farmacêutica, com 80% das substâncias ativas “made in China”. Essa crise levará a uma reavaliação do risco chinês por empresas estrangeiras, o que aumentará seus esforços para buscar alternativas iniciadas desde o conflito sino-americano.

Isolada, a China desacelerará, o que afetará não apenas a indústria global, a automobilística ou a eletrônica, mas toda a economia global que já está desacelerando há vários meses.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A economia chinesa e mundial frente ao coronavírus - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV