Panorama da expansão do coronavírus na América do Sul

Número de infectados pelo coronavírus cresceu mais de 1678% em uma semana no continente

GIF: Natália Froner | IHU

Por: Wagner Fernandes de Azevedo | 19 Março 2020

A América do Sul é o ponto antípoda da origem do novo coronavírus, e esse é um dos motivos pela região ainda concentrar o menor número percentual de casos. De modo preciso, o antípoda de Wuhan, na China, está na cidade de Castro Barros, província de La Rioja na Argentina, onde ainda não há registros da doença. No entanto, o governo riojano anunciou no domingo, 15-03, a suspensão de todas as aulas, pois há uma condição peculiar nesta região: a necessidade de combater uma epidemia, a dengue, e a prevenção contra a pandemia de Covid-19. Lidar com os problemas estruturais de infraestrutura e saneamento em conjunto com uma nova crise não ocorre apenas em La Rioja, como também em boa parte da América do Sul. A exemplo de outros continentes, essa realidade leva a uma emergência ainda maior para a tomada de decisões, antes que se inicie o ápice do contágio.

Em todo o mundo são mais de 214 mil casos confirmados de Covid-19, com 8.800 mortes. A América do Sul ainda representa uma pequena porcentagem, menos 1% dos casos mundiais. No entanto, o crescimento exponencial que caracteriza o vírus reforça o alarme sobre o potencial de resposta dos sistemas de saúde dos países sul-americanos. O ano de 2019 ficou marcado pelos massivos protestos de insatisfação contra os governos da região, sobretudo no Chile, onde a saúde e a previdência são privatizadas - e que hoje é o país que está no estágio mais avançado de contágio. No Brasil, o país em que mais casos nominais foram registrados, sabe-se que o sistema público de saúde deverá protagonizar o combate ao coronavírus, mesmo contando com 95% dos leitos de UTI já ocupados, e com um número insuficiente de leitos na maior parte das regiões do país, de acordo com o recomendado de pela OMS - de 1 leito para 10 mil pessoas.

As medidas de precaução urgem para que os sistemas de saúde não colapsem. O Chile já decretou estado de catástrofe; no Equador foi decretado estado de exceção e toque de recolher entre as 21h e as 5h; já no Peru, quando estava com 144 casos confirmados pelo governo, o ministro da Saúde confessou que mais de mil pessoas podem estar contaminadas e ainda não apresentam sintomas.

Entre as medidas tomadas pelos países, estão o fechamento de fronteiras com os vizinhos, começando pelo Uruguai, e chegando já a todos os países, de modo total, como na Argentina, ou parcial, como o Brasil.

 

Argentina

A Argentina constatou a primeira morte por coronavírus na América do Sul no dia 07-03-2020, um homem de 62 anos que havia voltado da Europa, no dia 25-02. Antes de chegar a 100 casos confirmados, a Argentina decretou quarentena total - no final da tarde de quinta-feira o governo anunciou que 128 contraíram o coronavírus. Em cidades, como Rosário, na província de Santa Fé, a polícia está prendendo quem desrespeita a medida.

Bolívia

A quarentena nacional declarada com 12 casos confirmados. Medidas ainda não afetam as eleições de maio, embora possibilidade de reagendamento seja discutida. Porém, os partidos já estão há duas semanas sem mobilizar comícios.

Brasil

O Brasil é o país com o maior número de contágios e o que registrou o primeiro caso na região. Na quinta-feira foram confirmadas 7 mortes. O governo decretou o fechamento das fronteiras secas com todos os países, exceto o Uruguai que terá uma política particular. No entanto, destaca-se que os países vizinhos tomaram a medida de fechar as fronteiras com o Brasil dias antes.

Chile

Na quinta-feira pela manhã o Chile apresentava 238 casos confirmados, mas acabou o dia com 342. O país é onde o coronavírus mais cresce proporcionalmente no continente. Na terça-feira o governo revelou que o contágio já está na fase mais avançada no país e foi decretado Estado de Catástrofe, com liberação de mais de 11 bilhões de dólares para ajuda emergencial

Colômbia

Iván Duque anunciou estado de emergência e pediu para a população respeitar o isolamento. O governo anuncia 128 casos confirmados. Para auxiliar a população mais vulnerável, parlamentares da oposição estão organizando um fundo assistencial com contribuições do próprio salário, tendo como meta atingir mais de 200 milhões de dólares

Equador

No Equador se contabiliza um total de 260 casos confirmados, quatro mortes e três pacientes curados. O país entrará em toque de recolher a partir do sábado, entre 19h e 05h. Em Guayaquil, a prefeita da cidade, Cynthia Viteri, impediu um avião de repatriados que vinham da Espanha de pousar no aeroporto da cidade.

Guiana Francesa

O território ultra-marino francês contabiliza onze casos, e caracteriza estar no estágio 3. Annick Girardin, ministra dos territórios ultra-marinos da França, recomendou aos estudantes nativos da França continental e que estudam em territórios ultra-marinos de não voltarem à Europa.

Paraguai

Paraguai fechou as fronteiras com o Brasil e Argentina. Soma 13 casos confirmados. Na quinta-feira anunciou que até sábado, provavelmente, 100% dos voos da próxima semana serão cancelados.

Peru

O Peru encerrou a quinta-feira no estágio 3 de contágio e decretou toque de recolher entre 20h e 5h, com 238 infectados e 1 morto, conforme os dados do Ministério da Saúde. No entanto, o governo estima que o número de casos já deve ser muito maior. O governo anunciou uma ajuda de 110 dólares para famílias em situação de vulnerabidade.

Uruguai

Mais de 50 casos, todas as fronteiras e shoppings fechados

Venezuela

36 casos, empréstimo do FMI foi negado. Fronteiras do lado colombiano e brasileiro foram fechadas.

 

 

Mapa da OMS sobre o Covid-19 nas Américas do Norte, Central e do Sul

Leia mais

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV