Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


 

 

 

 

 

 

 

 

Mais Lidos

Publicações

  • Cadernos Teologia Pública

    159ª edição - O grito de abandono de Jesus na cruz e o silêncio de Deus: reflexões à luz do Evangelho de Marcos

    Autor: Junior Vasconcelos do Amaral

    Acessar PDF
  • Cadernos IHU ideias

    332º - Juventudes e as “novas” expressões da participação na política

    Autor: Flávio Munhoz Sofiati

    Acessar PDF
  • Cadernos IHU ideias

    331º - A indecente hermenêutica bíblica de Clarice Lispector

    Autor: João Melo e Silva Junior

    Acessar PDF

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Em fevereiro de 1922 se realizou no Theatro Municipal de São Paulo a Semana de Arte Moderna, reunindo artistas de diferentes campos em torno do que seria uma arte brasileira modernista. Sob influência de diferentes vanguardas – futurista, cubista, espírito novista e dadaísta –, delinearam-se os contornos e denominou-se “modernismo” as expressões artísticas que vicejavam no país desde antes deste marco histórico, cheio de potencialidades e contradições. E, pensando justamente em dar vistas a essas complexidades, esta edição da revista IHU On-Line entrevista uma série de pensadores, pesquisadores e artistas indígenas que refletem sobre o tema.

Tropicalismo. O desejo de uma modernidade amorosa para o Brasil

Edição: 411

Um modo de ser nos trópicos, uma postura de vida, uma antropofagia que deglutiu a jovem guarda, a bossa nova e influências além-mar e regurgitou uma cultura nova e inquietante, embalada por guitarras elétricas e dissonâncias as mais diversas. Tudo isso e mais um pouco ajuda a compreendermos o que foi o movimento tropicalista.

Macunaíma: 80 anos depois. Ainda um personagem para pensar o Brasil

Edição: 268

Uma obra que desafiou convenções, fugindo dos cânones oficiais da literatura brasileira e promoveu uma subversão lingüística. Deu e dá o que pensar. Macunaíma, o herói sem nenhum caráter continua atual, 80 anos após sua estréia. Mário de Andrade escreveu a rapsódia em suas férias, e a tal “gramatiquinha” girou o mundo ao sabor de uma comicidade modernista.