COVID-19, desmundialização e rivalidade estratégica. Artigo de Xulio Ríos

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco denuncia: “Ouvimos mais as empresas multinacionais do que os movimentos sociais. Falando claramente, ouvimos mais os poderosos do que os fracos e este não é o caminho”

    LER MAIS
  • “A atual loucura digital é um veneno para as crianças”. Entrevista com Michel Desmurget

    LER MAIS
  • Prefeito da Doutrina da Fé pede para que padre irlandês, defensor da ordenação de mulheres, faça os juramentos de fidelidade aos ensinamentos da Igreja

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


13 Março 2020

“A crise da COVID-19 se soma ao elenco de divergências com a China, nos últimos tempos, alimentando desconfiança e rivalidade econômica e tecnológica, além de ideológicas, diplomáticas e militares. A mundialização pode tomar um rumo diferente e se desdobrar, também incorporar ajustes de vários tipos, mas o retorno à situação anterior não parece muito verossímil”, escreve Xulio Ríos, diretor do Observatório de Política Chinesa, em artigo publicado por Público, 10-03-2020. A tradução é do Cepat.

Eis o artigo.

A crise do coronavírus está resultando em uma séria ameaça à economia mundial e coloca sobre a mesa a vulnerabilidade da mundialização, o paradigma de desenvolvimento dos últimos trinta anos. Não faltam pessoas que apontem para a necessidade de repensar as estratégias de produção e, acima de tudo, reduzir a dependência da “fábrica do mundo”. Nesse sentido, a COVID-19 vem alimentar a ideia de alguns setores que defendem a desconexão entre as economias capitalistas do Ocidente e da China.

Desde os anos 1980, a China tem progressivamente conquistado um lugar relevante nas cadeias produtivas globais. Isso resultou da política denguista de abertura para o exterior, da flexível legislação interna e do afã crematista das grandes multinacionais ocidentais que tiravam vantagem dos baixos salários e da abundante mão de obra. Esses fatores tiveram a melhor vida na China. A mão de obra tende a se tornar escassa, os salários sobem, a legislação interna se reforça e a China agora quer ser o grande centro tecnológico mundial. O que não muda é a abertura. Ao contrário.

Por outro lado, no atual contexto, não podemos nos queixar que as autoridades chinesas postergaram a saúde de sua população, frente aos imperativos econômicos imediatos. Talvez alguém preferiria outra ordem de prioridades. Durante muito tempo se criticou o “capitalismo selvagem”, que em forma de enormes sacrifícios, permitiu o acelerado processo de acumulação chinesa que a catapultou para a condição de segunda economia do mundo.

Paradoxalmente, aqui, invoca-se o “impacto” para desaconselhar certas medidas draconianas como as tomadas na China, para acabar com a epidemia. Lá parece ter funcionado, embora a fatura não será pequena. É sempre mais fácil fechar escolas do que fábricas. Aqui, veremos o que acontece e qual é a fatura final do caminho escolhido. Sendo assim: paciência, compreensão e solidariedade, pouca.

O processo de deslocalização que as economias ocidentais, em seu momento, viveram a favor da China (e de outros países), é vivido pela própria China, há alguns anos, a favor de Bangladesh, Vietnã, Mianmar e Camboja, para citar alguns casos. A COVID-19 pode acelerá-lo. A fuga de empresas estrangeiras teria nesse outro motivo adicional, além da guerra comercial e os crescentes custos trabalhistas. Mesmo assim, o risco de desorganização que a fragmentação do processo de produção acarreta em todo o mundo não é totalmente evitável e também não pode se consumar da noite para o dia.

Hoje é um vírus, amanhã é um terremoto, inundações, etc. O nível de exposição aumenta. Sem dúvida, o gigantismo da China confere a mesma uma posição dificilmente evitável e de maior peso, e por esse motivo não é tanto a desmundialização em si o que está em questão, mas a estocada ao modelo chinês dos últimos quinquênios. Para a China, tudo isso representa outro incentivo adicional para acelerar sua transição para o novo modelo de desenvolvimento e revela sua urgência.

O atraso no retorno ao trabalho como resultado do coronavírus afeta milhões de empresas em todo o mundo, não apenas as estabelecidas na China. Limitar a dependência da China é uma tentação lógica neste contexto. Algumas multinacionais estadunidenses e europeias ponderam diversificar suas operações e retirar as cadeias de suprimentos da China. Contudo, as mesmas empresas podem encontrar na resposta de Pequim a esta crise um exemplo inimitável em qualquer outro país. E também sabem que as pilhas serão colocadas como em nenhum outro lugar. Essa garantia pode não ser suficiente, mas logo veremos como se administra, aqui, uma situação semelhante. E o que dura. E quanto custa.

A crise da COVID-19 se soma ao elenco de divergências com a China, nos últimos tempos, alimentando desconfiança e rivalidade econômica e tecnológica, além de ideológicas, diplomáticas e militares. A mundialização pode tomar um rumo diferente e se desdobrar, também incorporar ajustes de vários tipos, mas o retorno à situação anterior não parece muito verossímil. Não obstante, se diante da lógica da cooperação internacional, que deveria ser primada nesta crise, antepõe-se o imperativo de conveniência da rivalidade estratégica para tirar vantagem, poderíamos nos encontrar diante de um impulso substancial à desconexão que alguns desejam como talismã para preservar a hegemonia do mundo ocidental, em geral, e dos Estados Unidos em particular.

A questão é se essa desconexão que alguns tanto preconizam para jugular a emergência chinesa, simplesmente os deixa para trás. Entre outros, porque a China é quem mais tira proveito do crescimento da economia mundial. E, apesar da COVID-19, tudo indica que continuará fazendo.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

COVID-19, desmundialização e rivalidade estratégica. Artigo de Xulio Ríos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV