Os custos sociais de uma pandemia, que atinge grupos distintos de maneiras diferentes

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco e as uniões homossexuais

    LER MAIS
  • Dom Paulo Cezar Costa, novo Arcebispo de Brasília. Nota da Comissão Justiça e Paz de Brasília

    LER MAIS
  • O chileno salvo por Bergoglio - “Ele foi o primeiro a acolher os homossexuais como filhos de Deus”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


18 Março 2020

Para antropóloga, coronavírus coloca em evidência problemas como desigualdade social e de gênero, e como lidamos com eles enquanto sociedade.

A reportagem é de Matheus Souza, publicada por Jornal da USP e reproduzida por EcoDebate, 17-03-2020.

“Uma epidemia diz mais sobre nós mesmos do que sobre a própria doença”, diz a pesquisadora Denise Pimenta. Para ela, que é doutora em Antropologia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, além da preocupação direta com a disseminação do novo coronavírus, existe outra dimensão do problema que precisa ser olhada com atenção. Além de uma questão de saúde, trata-se também de uma questão social, que atinge grupos distintos de maneiras diferentes.

No Brasil, os primeiros sinais dessa distinção foram a xenofobia e racismo contra pessoas de ascendência oriental, que surgiram assim que começaram as notícias sobre os casos de covid-19 na China. “Isso acontece porque enxergamos esse ‘outro’, o chinês, o não ocidente, como distante de nós em vários sentidos, desde a raça até a cultura. Seus hábitos são vistos como perigo”, explica Denise. “Da mesma forma, a questão com os italianos é muito diferente. Quando a crise chega lá, por nos vermos como mais próximos culturalmente deles, surge uma solidariedade seletiva, e também aumenta o medo de que o problema chegue até nós.”

Em sua pesquisa de doutorado, a antropóloga estudou como a crise do ebola atingiu Serra Leoa, na África, com recortes claros de classe, raça e gênero. Em entrevista ao Jornal da USP, ela fala sobre essas questões em meio à pandemia atual, que ajudam a entender os problemas sociais complexos que vêm à tona em situações de emergência.

Os mais afetados

Quando o ebola atingiu o oeste da África, entre 2013 e 2016, as mulheres foram consideravelmente mais afetadas que os homens. Como Denise explica, isso ocorreu porque era reservado a elas o papel de cuidar das vítimas, deixando-as mais vulneráveis para contrair a doença. Com o coronavírus, ainda que de modo geral os sintomas sejam menos graves, o peso continua maior do lado delas.

“São as pessoas que, quando as aulas forem canceladas, vão ficar em casa para cuidar das crianças. É uma carga emocional, psíquica e física colocada nas mulheres, principalmente as mais pobres”, diz.

Denise acrescenta ainda que é comum, em períodos de isolamento forçado por causa de epidemias, um aumento nos índices de violência doméstica, assim como de gravidez na adolescência. “Nós vivemos numa estrutura de desigualdade e violência contra a mulher. Se passamos por um momento em que as famílias estão confinadas na mesma casa, no mesmo apartamento, essa violência também cresce.”

Classes mais baixas e trabalhadores informais estão entre os que mais podem sofrer consequências indiretas durante a pandemia – Foto: Marcos Santos | USP Imagens

Entre os idosos, principal grupo de risco e cujos casos de covid-19 são mais fatais, também há consequências subjetivas que podem passar despercebidas. Em alguns países da Europa, por exemplo, a visitação a asilos foi suspensa, e o mesmo já ocorre em alguns estabelecimentos brasileiros. Ainda que vise à segurança, a medida acaba também por isolar uma população já marcada por solidão e desamparo.

Outro fator presente durante a crise do ebola em Serra Leoa foi a relação das pessoas com a morte, a importância do luto e de ritos culturais para se despedirem dos entes queridos. Para a pesquisadora, esse também é um tema ainda pouco comentado agora, em parte pelo índice menor de fatalidade com o coronavírus. Porém, nos locais em que a situação já chegou em nível mais crítico, a questão já começa a aparecer.

E, enquanto um dos destaques na cobertura midiática é a oscilação das bolsas de valores pelo mundo, o impacto econômico também chega rápido às classes mais baixas, sobretudo para quem depende de empregos informais ou temporários. Além de estarem sujeitos a uma diminuição grande de renda se não puderem trabalhar, também não têm garantias trabalhistas que cubram casos de doença. “O operariado sofre as maiores consequências”, diz Denise.

Além disso, ela alerta que em muitos países o momento atual pode significar também um perigo à ordem democrática e aos direitos humanos. O surto de ebola teve como efeito colateral a militarização da saúde pública, com o Estado praticando excessos justificados com o discurso de garantir a proteção sanitária e segurança do país. Nas comunidades mais pobres e em áreas de risco, tornou-se corriqueira a presença do exército fazendo vistoria nas casas para levar embora possíveis infectados, sem maiores esclarecimentos, o que por vezes fazia com que perdessem o contato com suas famílias.

Outros aspectos da crise

A antropóloga faz ainda uma leitura mais ampla de como o surto de coronavírus mostra questões do nosso tempo. Para ela, a crise torna evidentes problemas muito característicos do estágio atual do sistema capitalista. “No Brasil, a epidemia chega num momento em que o sistema público de saúde vem sendo desmantelado, assim como a previdência social. Ela vai descortinando como essas políticas neoliberais, de privatização, terceirização, cortar direitos dos trabalhadores, podem prejudicar seriamente uma população.”

Ministério da Saúde criou página especial
para desmentir boatos envolvendo o novo coronavírus
Créditos: Reprodução | Ministério da Saúde

A situação traz ainda sinais das disputas ideológicas que correm no mundo. Isso é evidente em algumas das informações falsas que têm circulado envolvendo o vírus, como que ele teria sido criado propositalmente na China, ou o boato de que já havia uma vacina disponível em Cuba. Nesses casos, o pano de fundo é um embate entre diferentes projetos políticos e econômicos.

A disseminação de boatos também diz respeito ao modo como as pessoas estão lidando com o problema, é uma resposta ao medo. Outra reação aparece na forma de piadas, que também circulam com rapidez na internet já há algumas semanas. “Muitas pessoas ficam incomodadas com isso, mas também é preciso entender que rumores, jocosidade, são formas de as pessoas lidarem com o fenômeno e dar inteligibilidade a ele.”

A pesquisadora acrescenta que a antropologia, e as ciências sociais como um todo, são importantes para compreender os aspectos menos diretos que envolvem o cenário atual: “A pandemia vai passar, mas todas essas questões continuam”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os custos sociais de uma pandemia, que atinge grupos distintos de maneiras diferentes - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV