#euficoemcasa. ‘Transformar o medo do coronavírus em um recurso é possível’: os conselhos do neurologista Sorrentino

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • IHU para a quarentena. O Indivíduo e a Sociedade em introspecção

    LER MAIS
  • Uma Igreja centrada no padre, confusa e despreparada

    LER MAIS
  • Rifkin: “A globalização está morta e enterrada: a distância social será a regra”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


17 Março 2020

A disseminação do coronavírus tem consequências importantes sobre a mente das pessoas. Muitos, nestes tempos caracterizados pela incerteza, experimentam sensações como ansiedade, medo, se não mesmo pânico. Business Insider pediu ao neurologista Rosario Sorrentino uma ajuda para nos orientarmos nos meandros da mente em um momento tão particular e complexo.

A entrevista é de Carlotta Scozzari, publicada por Business Insider, 16-03-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis a entrevista.

Doutor Sorrentino, como se pode tentar controlar o medo?

Neste momento em que há uma grande aceleração de emoções, resultado também de um certo sensacionalismo da mídia, acho que deve ser revertido o paradigma e que o medo deve ser visto como um recurso.

Como isso pode ser feito?

O medo tem dois componentes: um emocional e outro racional e consciente. É precisamente esse segundo componente que deve ser explorado para garantir que nossa resiliência possa nos fazer recomeçar com mais disposição do que antes. Aconselho a nunca negar o medo: é humano e pode ser usado eficazmente em sentido positivo para recomeçar.

Existem muitas situações de incerteza que se sobrepõem: há quem é obrigado a fechar um negócio, quem teme mais em geral pelo próprio emprego, quem perde muito dinheiro na bolsa. Como devemos nos comportar?

Nesta fase, existem três comportamentos mais típicos: aqueles relacionados à incerteza, aqueles do chamado freezing, nos quais você fica bloqueado e não sabe mais o que fazer e aqueles relacionados ao impulso. Mas o coronavírus nos pede uma maior flexibilidade. Este é o momento da reflexão, do retorno ao pensamento, de não ter pressa, que é o braço armado do impulso.

Vale para qualquer situação?

Sim, porque em qualquer situação, seja emocional, afetiva, econômica ou patrimonial, não é o momento certo para decidir. O motivo é que há confusão demais e a pessoa está à mercê de emoções negativas. As decisões devem ser adiadas para mais tarde, quando houver mais lucidez.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

#euficoemcasa. ‘Transformar o medo do coronavírus em um recurso é possível’: os conselhos do neurologista Sorrentino - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV