Cardeal faz Comunhão espiritual durante liturgia da Sexta-feira Santa

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Carta a um jovem padre. Artigo de Domenico Marrone

    LER MAIS
  • “Francisco quase desculpa a vida dupla, mas ainda não aceita padres casados”

    LER MAIS
  • A espiritualidade cristã no mundo secular

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


14 Abril 2020

Enquanto o confinamento continua, na Sexta-Feira Santa, o cardeal Vincent Nichols celebrou a comemoração solene da Paixão do Senhor em uma catedral de Westminster vazia, com milhares de pessoas acompanhando a transmissão da liturgia ao vivo.

A reportagem é publicada por Independent Catholic News, 11-04-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

No início do dia, durante entrevistas de rádio e televisão, ele disse que, durante a prostração silenciosa no início da comemoração, ele rezaria por todos os que morreram de Covid-19 (coronavírus) e por todos que estão morrendo hoje.

Ele começou sua homilia reconhecendo o desejo dos fiéis de participar pessoalmente dessa liturgia especial, mas que isso não seria possível. No entanto, disse, devemos nos animar ao saber que todos fazemos parte da “grande companhia dos discípulos, seguindo os passos de Jesus”.

Ele disse: “A Cruz de Jesus é um símbolo do sofrimento humano, de Adão até os dias atuais. É um símbolo do sofrimento e da morte de todos os tipos. O que levou Jesus à Cruz foi a confusão do povo. Ele foi condenado, embora fosse um homem inocente.”

“Ele morreu na Cruz, ofegando como fazem as pessoas hoje em unidades de terapia intensiva do coronavírus.”

Ele pediu que as pessoas se lembrassem, em suas orações, de todos os que morreram nos hospitais, daqueles que morrem hoje e de todos os entes queridos que morreram: “Para eles, dizemos com Jesus: ‘Em tuas mãos, Senhor, entregamos o nosso espírito’”.

“A Cruz é uma arma da vitória”, continuou. “Com a Cruz, Jesus abre o túmulo. Ele rompe a pedra dura, para que a Cruz se torne um arco triunfal, através do qual caminhamos com ele.”

“Jesus carregou a Cruz até as profundezas do inferno, de todo o sofrimento, indo ao encontro de todos os que morreram, para levá-los ao Pai.”

“A Cruz está em toda a parte. Nós a carregamos ao redor do nosso pescoço, recorremos a ela na escuridão, ela se encontra em todas as trevas, pelas quais louvamos ao nosso Senhor hoje.”

O cardeal Vincent afirmou ainda que “a Cruz é o começo da vida”. Em Jesus, os laços naturais das relações familiares “são substituídos e começamos a compartilhar uma nova vida, reconhecendo as suas origens em Jesus, reconhecendo nossos novos laços nele e na vida de Deus Pai”.

Ele convidou todos os que assistiam a pegar uma cruz em suas mãos no momento da veneração, convidando: “Coloque você e seus problemas aos pés da Cruz”.

Após a veneração, durante o Rito da Comunhão, em um gesto comovente, o cardeal observou que, nesse momento, a liturgia permite que ele receba a Sagrada Comunhão, mas que ele se uniria a todos que assistiam à transmissão ao vivo, fazendo a Comunhão espiritual.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cardeal faz Comunhão espiritual durante liturgia da Sexta-feira Santa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV