A propensão laica da televisão, entre igrejas silenciosas e missas ao vivo

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • “Sínodo é até o limite. Inclui a todos: Os pobres, os mendigos, os jovens toxicodependentes, todos esses que a sociedade descarta, fazem parte do Sínodo”, diz o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Por que a extrema direita elegeu Paulo Freire seu inimigo

    LER MAIS
  • Enquanto Francisco visitava a Eslováquia, a comunidade internacional celebra a mulher sacerdote da Tchecoslováquia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


17 Março 2020

"A premissa é que "a TV tem uma forte propensão para uma psicologia laica". Diversão, isto é, e não encantamento. Impossível replicar a sacralidade de igrejas e também de sinagogas. Sem esquecer que é difícil recolher-se espiritualmente em frente à TV. Em suma, a TV é feita para relaxar e se distrair".

O comentário é de Fabrizio D'Esposito, publicado por Il Fatto Quotidiano, 16-03-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis o comentário.

A fé na TV. Não é mais uma exceção reservada a crentes doentes e deficientes graves, mas uma regra para todos os católicos praticantes neste período surreal de pandemia. O papa que reza o Angelus solitário e "engaiolado" na Biblioteca do Palácio Apostólico ou que celebra a missa em streaming da capela de Santa Marta. Igrejas silenciosas sem celebrações e sem a Eucaristia para o povo de fiéis. E assim será para a Semana Santa anterior ao Domingo de Páscoa, coração e centro de todo o ano litúrgico (aquele que termina antes do Advento).

Para retornar à telinha. A fé transmitida ao vivo pode ser realmente "plena"? A resposta é negativa, pelo menos no que diz respeito aos católicos, e não vem apenas dos homens da Igreja para os quais "é essencial alimentar-se do corpo de Cristo" (padre Enzo Bianchi no jornal Fatto do último sábado).

A argumentar que nem tudo e “televisionável” e que o cristianismo é uma religião "exigente" demais para um meio como a TV foi o sociólogo estadunidense Neil Postman (1931-2003), especialista em ecologia das mídias e considerado entre os estudiosos mais importantes depois de Marshall McLuhan (1911-1980). Em 1985, Postman escreveu Amusing Ourselves to Death, publicado em italiano em 2002 sob o título Divertirsi da morire. Il discorso pubblico nell’era dello spettacolo (Reset e Marsilio).

A premissa é que "a TV tem uma forte propensão para uma psicologia laica". Diversão, isto é, e não encantamento. Impossível replicar a sacralidade de igrejas e também de sinagogas. Sem esquecer que é difícil recolher-se espiritualmente em frente à TV. Em suma, a TV é feita para relaxar e se distrair. Talvez seja também por isso que ontem o papa Bergoglio elogiou aqueles padres "criativos" que fazem de tudo para ter contato ao vivo com seus fiéis. Seja um Ape Car circulando pelos prédios (em Bibione, no Veneto) ou uma missa rezada no terraço da paróquia (em Positano, na Campânia).

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A propensão laica da televisão, entre igrejas silenciosas e missas ao vivo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV