Para Jesus, a prioridade era sempre aliviar e remediar o sofrimento dos doentes; todo o resto em segundo. Artigo de José María Castillo

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “O barco na tempestade”, entre Ratzinger e Bergoglio

    LER MAIS
  • “Este é o momento de avançar para águas mais profundas.” Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS
  • Temos talvez um “presidente operacional”?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


16 Março 2020

"O personagem que mais se interessou pela saúde das pessoas e mais se dedicou a curar os enfermos foi Jesus de Nazaré, como o Evangelho nos apresenta [...] Por isso, e diante desse estranho silêncio da Igreja com o que está acontecendo, o que isso significa? Com o que os líderes do clero estão preocupados? O sofrimento dos mais desamparados? Será que eles têm outros interesses e outras preocupações que realmente importam para eles?", escreve José María Castillo, teólogo espanhol, em artigo publicado por Religión Digital, 14-03-2020. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Eis o artigo.

Se há algo que a pandemia do coronavírus está nos ensinando, que estamos sofrendo, é que a coisa mais importante, para todos os seres humanos, é a saúde. É com isso que estamos mais preocupados e mais interessados no momento. Saúde vem em primeiro lugar. Todo o resto passa para um segundo plano e está sujeito ao problema de saúde. Até dinheiro, política, diversão, tudo, tudo.

Bem, essa suposição, e vendo a realidade desse ponto de vista, não há dúvida de que, se há algo claro e que não admite dúvida, é que o personagem que mais se interessou pela saúde das pessoas e mais se dedicou a curar os enfermos foi Jesus de Nazaré, como o Evangelho nos apresenta. Considerando que Jesus não era médico. Jesus era um “homem religioso”. Mas ele entendia a religião de tal maneira que, para ele, a prioridade e o mais urgente era remediar o sofrimento de todos os tipos de pessoas doentes. Com isso Jesus veio nos ensinar que a primeira e mais importante coisa que a religião tem a fazer é resolver o problema que mais interessa a todos nós, o problema da saúde.

Para entender melhor o que acabei de dizer, é essencial ter em mente que o Evangelho é uma mensagem religiosa. Mas Jesus entendeu e praticou a religião de tal maneira que o primeiro e mais importante para ele nunca foi seguir exatamente os rituais e normas da religião. Tampouco foi prioridade, para Jesus, submeter-se aos sacerdotes.

A prioridade, para Jesus, era sempre aliviar e remediar o sofrimento dos enfermos, dos pobres, dos mais desamparados deste mundo. Embora isso tivesse que ser feito quebrando as normas dos líderes religiosos ou negligenciando o cumprimento das normas e obrigações impostas pelo clero da época.

Portanto, o que importa, nos quatro evangelhos, não é a “historicidade” dessas histórias, mas o “significado” do que Jesus fez e disse. O que significa cada história? Isso é o que importa. É claro que Jesus veio nos dizer que ele é o Filho de Deus. Jesus é Deus. Mas no fundo, o que isso significa? Significa que Deus está onde o sofrimento dos enfermos e a fome dos necessitados são remediados.

Então Jesus intrigou a todos. Até João Batista ficou intrigado. Por isso ele enviou alguns discípulos para perguntar a Jesus: “Você é quem tinha de vir ou esperamos por outros? ” (Mt 11, 3). A resposta de Jesus foi muito clara: “Ide e contai a João o que estás vendo e ouvindo: os cegos veem e os coxos andam, os leprosos estão limpos e os surdos ouvem, os mortos ressuscitam e os pobres recebem as boas novas” ( Mt 11, 4-5; Is 26, 19).

No fundo, é isso que o papa Francisco diz. E é isso que nossos bispos e padres teriam a dizer. Por isso, e diante desse estranho silêncio de nossa Igreja com o que está acontecendo, o que isso significa? Com o que os líderes do clero estão preocupados? O sofrimento dos mais desamparados? Será que eles têm outros interesses e outras preocupações que realmente importam para eles? E para constar, se digo isso, é porque amo nossa Igreja com toda a minha alma. Mas eu a quero menos preocupada com seus privilégios. E mais interessada em viver o Evangelho.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Para Jesus, a prioridade era sempre aliviar e remediar o sofrimento dos doentes; todo o resto em segundo. Artigo de José María Castillo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV