Chile. “Como Igreja não respeitamos a sociedade”, afirma padre jesuíta

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Foto de um pai e sua filha afogados na fronteira mexicana ilustra drama migratório

    LER MAIS
  • Centro Âncora: uma iniciativa para o cuidado de presbíteros e religiosos

    LER MAIS
  • Secretário do Cimi denuncia governo Bolsonaro em sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

01 Maio 2018

“O Papa está tentando corrigir o erro pessoal, além de corrigir os erros de outros, neste caso dos bispos do Chile”, disse Marcelo Gidi.

A reportagem é de Alejandra Jara, publicada por La Tercera, 30-04-2018. A tradução é de André Langer.

O advogado e padre jesuíta Marcelo Gidi referiu-se à reunião do Papa Francisco com as vítimas chilenas do caso Karadima, que foram convidadas ao Vaticano depois que a mais alta autoridade da Igreja reconheceu ter cometido “graves erros de avaliação” ao não ouvir as acusações de acobertamento que apontavam para o bispo Juan Barros durante a sua visita ao Chile.

“O Papa está tentando corrigir o erro pessoal, além de corrigir os erros de outros, neste caso dos bispos do Chile. É um sinal de que o superior também é também responsável pelos atos dos subordinados”, disse Gidi à Radio Duna depois que Juan Carlos Cruz, James Hamilton e José Andrés Murillo foram recebidos pela mais alta autoridade da Igreja.

“Um bispo, de certa forma, também é responsável pelos erros que seus presbíteros cometeram. Como também um superior de uma instituição religiosa. O Papa está falando nesta linha, sobre as novas medidas que se aplicam a todas as pessoas”, disse o religioso.

E prosseguiu: “Na Igreja ninguém precisa se sentir privado de cuidados. E se o seu pastor imediato não lhe responder, sempre poderá recorrer a outra pessoa. Mas o problema das dioceses não é tanto a independência, mas uma divisão pastoral que nos impediu de levar adiante esse profetismo que era característico e que se apagou”.

Para o sacerdote, “o problema com o qual o Papa vai se defrontar, para resolver junto com a Conferência Episcopal Chilena, não é apenas e exclusivamente dos abusos sexuais. Os abusos sexuais ultrapassam o problema subjacente que é a falta de orientação na hora de assumir novas realidades”.

Nesse sentido, Gidi sustentou que “a Igreja chilena não pode negar que está dividida em instituições, espiritualidade, movimentos e linhas pastorais”.

Ele acrescentou que “não temos projetos pastorais com os quais possamos nos sentir envolvidos para levar adiante a mensagem da Igreja”, além de que a “autoridade moral” da maioria dos pastores “está muito questionada”.

“Acredito que nós, como Igreja, não respeitamos a sociedade. Nós não tivemos essa medida de profundidade para reconhecer que nesta nova sociedade chilena há muitos bons sinais pelos quais a Igreja pode continuar a ajudar e contribuir. É outro elemento porque aparecemos com autoritarismo”, disse.

E acrescentou que em sua visita ao Chile o Papa disse: “chega de clericalismo, de autoritarismo e de paternalismo” e que com seu convite às vítimas de Karadima “nos está convidando a respeitar o outro”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Chile. “Como Igreja não respeitamos a sociedade”, afirma padre jesuíta - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV