Cardeal Ezzati: ''Pelo bem do povo de Deus, Dom Juan Barros deveria renunciar ao episcopado de Osorno''

Revista ihu on-line

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Ore Ywy – A necessidade de construir uma outra relação com a nossa terra

Edição: 527

Leia mais

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

Mais Lidos

  • "Pela Democracia, pelo Brasil". Manifesto contra candidatura de Jair Bolsonaro

    LER MAIS
  • Teólogos e pastores reagem a apoio evangélico a Bolsonaro

    LER MAIS
  • Apelo de Francisco: ''Que o Senhor nos ajude a reconhecer a tempo as sementes de ideologias totalitárias"

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

21 Abril 2018

Desde quinta-feira, no Chile, a imprensa fala de modo abundante e insistente sobre as breves mas lapidares declarações do arcebispo de Santiago, o cardeal Ricardo Ezzati, que – com referência ao caso do bispo de Osorno, Dom Juan Barros, acusado por várias pessoas de ter ocultado durante anos os abusos sexuais do padre Fernando Karadima, seu mentor e guia espiritual – disse: “Pelo bem do Povo de Deus, Dom Juan Barros deveria renunciar ao episcopado de Osorno”.

A reportagem é publicada por Il Sismografo, 20-04-2018. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A esse respeito, o purpurado salesiano, à frente da arquidiocese em regime de prorrogação após sua renúncia em 2017 (por razões de idade), suspeito de estar entre os responsáveis que não fornecem ao pontífice informações “verdadeiras e equilibradas” no caso da viagem ao Chile, acrescentou: “Sobre essa questão da renúncia de Barros, não há dúvida alguma”.

O cardeal Ezzati, de acordo com a imprensa local e inúmeras agências internacionais, observou: “Eu acho que é algo muito grave o fato de ter enganado o Santo Padre, e eu penso como todo mundo, desde as profundezas das nossas consciências, de que aqueles que se tornaram culpados de falta tão grave deveriam reconhecer o que fizeram, arrepender-se e reparar seu erro, se verdadeiramente forem culpados de tais delitos”.

Depois, o cardeal Ezzati confessou que não sabia nada sobre quem poderiam ser os culpados de tudo isso, mas, com firmeza, quis esclarecer: “Certamente não são membros da Conferência Episcopal Chilena”.

Por fim, reconhecendo que a carta do papa aos bispos, publicada no dia 8 de abril passado, criou para a Igreja local um “cenário muito doloroso”, o arcebispo voltou a condenar firmemente todos os tipos de abuso, sexuais e de poder, duas questões que abalam o episcopado chileno há muitos anos, em particular após a descoberta do caso Karadima.

Os bispos chilenos deverão se encontrar com as autoridades vaticanas e também com o Papa Francisco entre os dias 14 e 17 de maio.

Nessa sexta-feira, com uma breve declaração, a diocese de Osorno confirmou que Dom Barros “tem problemas de saúde”. Dias atrás, a imprensa da cidade havia enfatizado a ausência do bispo em alguns compromissos pastorais.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cardeal Ezzati: ''Pelo bem do povo de Deus, Dom Juan Barros deveria renunciar ao episcopado de Osorno'' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV