Existe uma “máfia” na Igreja chilena e João Paulo II “freou” a sua modernização, avalia Felipe Berríos

Revista ihu on-line

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Mais Lidos

  • Bancos vão ficar com 62% da renda do trabalhador se capitalização for aprovada

    LER MAIS
  • Não façam isso com a mãe de Jesus!

    LER MAIS
  • Escolhido por Deus para guiar o Brasil? Da manipulação da religião pela política

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Abril 2018

O sacerdote jesuíta Felipe Berríos se referiu à carta enviada pelo Papa Francisco à Conferência Episcopal chilena, na qual a máxima autoridade da Igreja reconhece as denúncias de acobertamento contra o bispo de Osorno, Juan Barros, após conhecer o relatório elaborado pelo arcebispo de Malta, Charles Scicluna.

A reportagem é de Alejandra Jara, publicada por La Tercera, 12-04-2018. A tradução é do Cepat.

Em conversa com a Rádio Duna, Berríos reconheceu que tal mensagem é recebida “com muita esperança e também com certa inquietação porque confirma muitas intuições que se tinha de que aqui algo não funcionava (...) Espero que, de agora até a viagem dos bispos (ao Vaticano), não prossiga esta máquina de desinformação que há na Igreja Católica”.

Consultado justamente por estas declarações, o sacerdote sustentou que “acredita que há uma máfia”. “Não esqueçamos que o Papa Bento renunciou porque não pôde com isto, e disso é que tenho medo, que esta máquina continue funcionando com secretismos, influências subterrâneas, coisas desinformadas (...)”.

Em relação aos canais de informação que o Papa Francisco conta para saber o que acontece no Chile, Berríos explicou que um deles é o Núncio, mas também conta com a opinião do cardeal Francisco Javier Errázuriz, a quem qualificou como uma pessoa “próxima ao Papa”, que viaja constantemente a Roma.

Além disso, Berríos comentou que outro assunto que a carta do máximo representante da Igreja Católica revela é a origem dos abusos sexuais, que começam quando há abuso de poder e abuso de consciência.

Neste sentido, disse que na Igreja existe uma “verticalidade”, “secretismos” e “medos” que, em sua avaliação, devem ser desmantelados.

O sacerdote apontou Papa João Paulo II como o responsável por esta situação, pois teria evitado o processo modernizador que a Igreja vivia durante os anos 1960.

“Uma das pessoas que freou isto, que fez a Igreja Católica retroceder, foi o Papa João Paulo II. Mais do que ele, porque se dedicou às viagens, foi o secretário de Estado, Angelo Sodano, uma pessoa nefasta que começou a nomear bispos simplesmente repetidores do que se dizia em Roma e que implementaram estes secretismos, como se vê no Chile com o cardeal Medina (...)”, disse Berríos.

“Não basta, aqui, retirar pessoas (...), é necessário ver o que existe por trás, que produz isto. Porque o sistema de investigação dentro da Igreja é longo, secreto e nós, padres, estamos cansados disto”, sustentou, e acrescentou que fica com a sensação de que o Papa “chega tarde” a este problema.

“Eu não me tornei padre para ficar o tempo todo buscando investigar ou defender torpezas que enviaram e delitos (...). Provocam a vontade de dizer ‘não mais’”, comentou.

Consequências do celibato

Consultado se o celibato teria alguma relação com os abusos sexuais no interior da Igreja, Berríos respondeu que, “aqui, se misturam várias coisas. Eu não gostaria de identificar o celibato como a única causa dos abusos sexuais”.

Contudo, disse que “um dos grandes pecados da Igreja Católica é ter afastado a mulher da hierarquia. Isso foi um erro tremendo”.

“Quando se vê que entra esta procissão de bispos, padres, e se vê somente homens, é dito: ‘aqui, existe algo estranho’, ‘isto não é bom’”, relatou Berríos, e afirmou que as partes mais importantes do Evangelho “contam com a presença chave de mulheres”.

“O celibato nem sempre foi obrigatório..., do mesmo modo como foi imposto na Igreja, pode ser retirado. Se colocado como uma obrigação, o celibato pode ser prejudicial”, concluiu Berríos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Existe uma “máfia” na Igreja chilena e João Paulo II “freou” a sua modernização, avalia Felipe Berríos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV