Chile. Bachelet pediu o afastamento urgente Juan Barros, então bispo castrense

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, a reforma da Igreja e o próximo pontificado

    LER MAIS
  • “30% dos eleitos para serem bispos rejeitam a nomeação”, revela cardeal Ouellet, prefeito da Congregação para os Bispos

    LER MAIS
  • Vivemos uma ‘psicopatia difusa’ na política brasileira, diz psicanalista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

02 Maio 2018

O ex-ministro das Relações Exteriores do Governo de Michelle Bachelet, Heraldo Muñoz, nesta segunda-feira durante uma entrevista na rádio "Cooperativa" de Santiago do Chile reconheceu que a informação sobre o bispo Juan Barros, considerado culpado de ter encoberto os abusos sexuais de seu mentor, padre Fernando Karadima, "era conhecida" entre as mais altas autoridades do país e foi transmitida para as autoridades competentes. D. Barros foi nomeado Bispo das Forças Armadas do Chile pelo Papa João Paulo II em 9 de outubro de 2004.

A informação é publicada por Il Sismografo, 30-04-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

Muitos anos depois, em 2015, quando o país sul-americano era governado por Bachelet, o ex-ministro Heraldo Muñoz, por solicitação da governante e após uma conversa com o então ministro da defesa, Jorge Burgos, convocou a altas horas em seu escritório Mons. Ivo Scapolo, núncio do Vaticano, para pedir ao Santo Padre, possivelmente de forma imediata, o afastamento do bispo Barros. Por quê?

Porque, de acordo com o ex-ministro, o seu colega Burgos tinha lhe pedido para tomar essa delicada iniciativa porque "havia certa agitação nas Forças Armadas pela presença de Barros dentro das instituições armadas." O ex-ministro Heraldo Muñoz concluiu dizendo, agora: "Esta informação sobre o bispo era conhecida, mas não foi transmitida e, portanto, acredito que as sanções por parte do Papa chegarão em algum momento. A notícia do afastamento chegou alguns meses após o nosso pedido. Contudo ficamos surpresos quando, mais tarde, foi nomeado bispo de Osorno".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Chile. Bachelet pediu o afastamento urgente Juan Barros, então bispo castrense - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV