Chile. Bachelet pediu o afastamento urgente Juan Barros, então bispo castrense

Revista ihu on-line

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Ore Ywy – A necessidade de construir uma outra relação com a nossa terra

Edição: 527

Leia mais

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

Mais Lidos

  • "Pela Democracia, pelo Brasil". Manifesto contra candidatura de Jair Bolsonaro

    LER MAIS
  • Apelo de Francisco: ''Que o Senhor nos ajude a reconhecer a tempo as sementes de ideologias totalitárias"

    LER MAIS
  • Papa readmite os bispos chineses “ilegítimos” e cria uma diocese na China

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

02 Maio 2018

O ex-ministro das Relações Exteriores do Governo de Michelle Bachelet, Heraldo Muñoz, nesta segunda-feira durante uma entrevista na rádio "Cooperativa" de Santiago do Chile reconheceu que a informação sobre o bispo Juan Barros, considerado culpado de ter encoberto os abusos sexuais de seu mentor, padre Fernando Karadima, "era conhecida" entre as mais altas autoridades do país e foi transmitida para as autoridades competentes. D. Barros foi nomeado Bispo das Forças Armadas do Chile pelo Papa João Paulo II em 9 de outubro de 2004.

A informação é publicada por Il Sismografo, 30-04-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

Muitos anos depois, em 2015, quando o país sul-americano era governado por Bachelet, o ex-ministro Heraldo Muñoz, por solicitação da governante e após uma conversa com o então ministro da defesa, Jorge Burgos, convocou a altas horas em seu escritório Mons. Ivo Scapolo, núncio do Vaticano, para pedir ao Santo Padre, possivelmente de forma imediata, o afastamento do bispo Barros. Por quê?

Porque, de acordo com o ex-ministro, o seu colega Burgos tinha lhe pedido para tomar essa delicada iniciativa porque "havia certa agitação nas Forças Armadas pela presença de Barros dentro das instituições armadas." O ex-ministro Heraldo Muñoz concluiu dizendo, agora: "Esta informação sobre o bispo era conhecida, mas não foi transmitida e, portanto, acredito que as sanções por parte do Papa chegarão em algum momento. A notícia do afastamento chegou alguns meses após o nosso pedido. Contudo ficamos surpresos quando, mais tarde, foi nomeado bispo de Osorno".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Chile. Bachelet pediu o afastamento urgente Juan Barros, então bispo castrense - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV