Em meio a prisões e protestos, bispo ligado a padre Karadima assume diocese no Chile

Revista ihu on-line

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Ore Ywy – A necessidade de construir uma outra relação com a nossa terra

Edição: 527

Leia mais

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

Mais Lidos

  • Enquanto pastores evangélicos apoiam Bolsonaro, cúpula católica lava as mãos. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS
  • PT deveria realizar 'comissão da verdade' para examinar seus erros, diz Noam Chomsky

    LER MAIS
  • Francisco. “Os hipócritas são um instrumento do diabo para destruir a Igreja”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

23 Março 2015

Apesar dos protestos que terminaram com três pessoas detidas e uma campanha pedindo que o Vaticano reveja a decisão, um bispo chileno ligado ao padre abusador mais notório do país tomou posse em sua nova diocese no sábado.

A reportagem é de Inés San Martín, publicada por Crux, 21-03-2015. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Esta nomeação do Papa Francisco levou muitos analistas a se perguntar quanto ao compromisso do pontífice em abordar casos envolvendo abusos sexuais por parte do clero e responsabilizar as autoridades religiosas que deixaram de agir quando era devido.

Cerca de 4 mil pessoas vestidas de preto em sinal de luto reuniram-se em frente da catedral da Diocese de Osorno, no Chile, para exigir que Dom Juan Barros Madrid, ex-capelão militar, não tomasse posse.

Um vídeo (ver abaixo) do evento postado na internet mostra a multidão jogando objetos no prelado, empurrando-o e tentando impedi-lo de entrar na Catedral de São Mateus, apesar das fortes medidas de segurança.

“Nunca vi algo assim”, disse ao Crux alguém que estava do lado de fora da Igreja. “Foi triste ver a Igreja na qual eu rezo todo dia reduzida a um campo de batalha entre os que apoiam o prelado e os que não apoiam”.

Pedindo para não ser identificado porque tem relações com a diocese, a pessoa disse que, enquanto Barros estava celebrando a missa, muitos ficaram gritando: “Pedófilo!” e “Saia fora!”. A situação chegou ao ponto em que a cerimônia precisou ser encurtada, pulando a homilia, a Comunhão e outras partes da liturgia.

Barros precisou ser escoltado para fora da Igreja depois da celebração.

Jornais locais informaram que o chefe da polícia, Leonardo Castillo, disse a jornalistas que, pelo menos, 3 pessoas foram detidas por conduta desordeira.

Desde que a nomeação de Barros foi anunciada em janeiro deste ano ela vem sendo criticada por elementos da comunidade local por causa dos laços que Barros tinha com o Padre Fernando Karadima, sacerdote que o Vaticano condenou em 2011 a uma vida de “solidão e oração” após ser declarado culpado de abusar sexualmente de vários fiéis durante as décadas de 1980 1990.

Três das vítimas de Karadima (Juan Carlos Cruz, James Hamilton e José Andrés Murillo) acusaram quatro prelados chilenos, inclusive Barros, de acobertar Karadima e de estarem presentes enquanto este as abusava.

As vítimas estão travando uma batalha jurídica contra a diocese de Santiago de Chile, exigindo, entre outras coisas, um pedido de desculpas por parte da Igreja e uma indenização financeira de 700 mil dólares.

As vítimas recentemente divulgaram uma nota dizendo que “como sobreviventes dos abusos cometidos por Karadima e pela cumplicidade de Dom Juan Barros Madrid, já estamos acostumados com o tratamento que temos recebido da hierarquia chilena”.

Juan Carlos Cruz, um dos sobreviventes, disse por email ao Crux que “este homem [Barros] viu os nossos abusos. Ele estava lá, testemunhamos isto, e fomos ignorados muitas vezes. Hoje sabemos que ele foi um homem desastroso”.

A cerimônia de sábado contou com a presença de uma dúzia dos mais de 50 bispos do país e quase 20 dos 35 padres da diocese.

O Cardeal Ricardo Ezzati, arcebispo de Santiago de Chile e presidente da Conferência dos Bispos do Chile, não esteve presente por causa de um compromisso anterior.

Em entrevista ao jornal Las Últimas Noticias, na sexta-feira, Barros – que negou todas as acusações através de uma carta pública no começo desta semana – disse que tinha “um forte sentimento de esperança, esperança pelo futuro”.

“Acredito que, no fim, o fato de que todos somos membros da Igreja irá prevalecer, e que todos iremos seguir as palavras do Santo Padre”, declarou Barros.

Nenhum procedimento criminal ou canônico foi iniciado contra o prelado. Até o momento, o Vaticano não fez nenhum pronunciamento em resposta às críticas recebidas após a nomeação.

A Organização de Leigos e Leigas de Osorno está pedindo que o novo bispo se afaste do cargo.
Juan Carlos Claret Pool, líder do movimento, contou ao Crux que bispos devem ter uma autoridade moral sobre o clero, os leigos e sobre a sociedade civil, “coisa que Barros não tem”.
Por isso, disse, ele e outros planejam continuar trabalhando e “mobilizados”.


O vídeo da posse do novo bispo de Osorno pode ser visto aqui.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Em meio a prisões e protestos, bispo ligado a padre Karadima assume diocese no Chile - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV