O SarsCov2 mudou?

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco ataca o 'desejo de poder', a 'rigidez disciplinar' e a 'deslealdade' nas associações de fiéis, dos movimentos eclesiais e das novas comunidades

    LER MAIS
  • O que significa ser padre hoje? Artigo de Timothy Radcliffe

    LER MAIS
  • Jacques Dupuis: um caso aberto

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Março 2020

"O vírus da Lombardia mudou? Existem mortes demais na Lombardia, mais do que em toda a China. Deve ter uma razão. Enquanto isso, vamos dar espaço e confiança à ciência", escreve Maria Rita Gismondo, diretora responsável pela Clínica de Microbiologia, virologia e diagnóstico de bioemergências, Milão, Itália, em artigo publicado por Il Fatto Quotidiano, 22-03-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis o artigo.

As pessoas que me ligam e que, antes, eu encontrava, me perguntam quando isso terminará. Respondo que não posso dar uma data, mas apenas tentar hipóteses que poderiam mudar ao longo do tempo, e todo mundo fica decepcionado. Da ciência se espera certeza e imortalidade. Não se quer aceitar que a ciência é ciência, justamente porque sempre estamos discutindo, nunca temos certeza de nada. Isso é o que impulsiona a pesquisa. E muitos estão prontos para apontar o dedo porque você fez uma afirmação, sem considerar o contexto, os dados do momento. Muitos mais ainda te condenam se você não souber propor um remédio para cada mal. A nossa sociedade não leva em consideração que podemos ficar doentes e não nos recuperar. Não é assim. E acima de tudo, quando nos deparamos com um fenômeno absolutamente novo, do qual dia após dia se tenta entender alguma coisa, pera descobrir no dia seguinte que não é bem assim. E agora estremeço ao dizer que talvez a infecção do novo Coronavírus não ocorra apenas com as gotículas emitidas pela fala. De fato, um trabalho publicado recentemente demonstra a presença do vírus nas fezes de indivíduos positivos.

Será necessário demonstrar que é suficiente para produzir uma infecção, mas os resultados preliminares justificam uma atenção também a esses possíveis meios de contágio. Enquanto isso, como diz o autor do estudo, "Lave as mãos depois de usar o banheiro". E já que estamos no tema, desculpe-me se eu lançar outra incerteza. O vírus da Lombardia mudou? Existem mortes demais na Lombardia, mais do que em toda a China. Deve ter uma razão. Enquanto isso, vamos dar espaço e confiança à ciência.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O SarsCov2 mudou? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV