Quem é Carmelo Barbagallo, o homem escolhido pelo Papa para liderar a autoridade de combate à lavagem de dinheiro do Vaticano

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • O novo rosto do clero: perfil dos “padres novos” no Brasil

    LER MAIS
  • Por que Bolsonaro ainda não caiu

    LER MAIS
  • Santa Teresa de Jesus: inquieta, andarilha, desobediente e muito mais...

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


29 Novembro 2019

O novo presidente da AIF é um veterano do Bankitalia com quarenta anos de experiência. A manobra de Bergoglio para sair do imbróglio do prédio de Londres.

A reportagem é de Maria Antonietta Calabrò, publicada por Huffington Post, 27-11-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

Carmelo Barbagallo, até junho de 2019, chefe de Vigilância do Banco da Itália, será o novo chefe do AIF do Vaticano, ou seja, a Unidade de Inteligência contra lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo, da Santa . A nomeação do Papa Francisco ocorreu após seu retorno da viagem ao Extremo Oriente, e como ele tinha antecipado na conferência de imprensa a bordo, trata-se de uma figura (literalmente um magistrado, mas no sentido de oficial, funcionário de alto escalão) "do mais alto nível jurídico, econômico, nacional e internacional". E este é precisamente Barbagallo, que na primeira declaração após a nomeação ressaltou que ele levará ao Vaticano quarenta anos de experiência no Banco da Itália.

Também a Via Nazionale quis comentar sobre a nomeação de seu alto executivo, enfatizando que "consolida a proveitosa relação de colaboração com a Autoridade do Vaticano". Porque, sob a gestão de René Brulhart, os acordos de troca silenciosa estipulados com a UIF (Unidade de inteligência AML/CFT da via Nazionale) e a aprovação do Acordo fiscal que permitiu o fechamento das contas irregulares do IOR, o Vaticano entrou na lista branca do Ministério da Economia e o IOR entrou no circuito SEPA.

Nunca como nesta nomeação, que ocorre dois meses depois daquela de outro eminente italiano, o ex-procurador-chefe de Roma Giuseppe Pignatone (de Palermo, Barbagallo é de Catania), as margens do Tibre ficaram mais estreitas.

Barbagallo declarou que já está trabalhando desde já em seu novo escritório no Palazzo San Carlo (o prédio ao lado de Santa Marta, residência do Papa Francisco), “para dar continuidade à ação do AIF na busca de seus importantes objetivos institucionais."

"Pretendo tranquilizar o sistema internacional de informações financeiras - acrescentou o presidente do AIF - de que toda colaboração será dada, em absoluta conformidade com os mais altos padrões internacionais". Atualmente a AIF está suspensa das comunicações internacionais confidenciais reservadas do Grupo Egmont, uma vez que a intervenção judicial de 1 de outubro pôs em risco a confidencialidade do intercâmbio de informações entre países.

Isso poderá ser feito pessoalmente a partir de segunda-feira, 2 de Dezembro, em Estrasburgo, quando iniciará a plenária do Comité Moneyval do Conselho da Europa, que se reúne até dia 6. Até o final do ano, a Santa Sé terá que entregar as respostas aos questionários do Moneyval em virtude da inspeção "local" de abril de 2020, que servirá de base para a avaliação periódica de conformidade do país ao combate à lavagem de dinheiro.

Certamente a rápida nomeação como presidente da AIF de Barbagallo (que à sua competência acrescenta uma adesão aos valores católicos) tira o Papa Francisco do corner onde o havia encurralado o "imbróglio" da compra pelo financista Raffaele Mincione do prédio no coração de Londres (parcialmente em 2014, e totalmente em 2018), que a partir de agosto desabou sobre a Secretaria de Estado, decapitou a AIF, detonou o Chefe da Gendarmaria, e tirou de Santa Marta o primeiro secretário do Pontífice, Monsenhor Pedacchio.

Uma manobra que não foi estranha para a diplomacia do Vaticano e italiana, e talvez até mesmo para o governo.

Coincidentemente, a nomeação ocorreu no dia em que o Presidente da República, Sergio Mattarella, ofereceu, no Palazzo del Quirinale, o tradicional café da manhã em homenagem aos novos cardeais italianos nomeados no Consistório de 5 de outubro de 2019: Matteo Zuppi, arcebispo de Bolonha, e Eugenio Dal Corso, bispo emérito de Benguela (Angola). Estavam presentes o cardeal Pietro Parolin, Secretário de Estado, D. Emil Paul Tscherrig, núncio apostólico na Itália, e Pietro Sebastiani, embaixador da Itália junto à Santa .

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Quem é Carmelo Barbagallo, o homem escolhido pelo Papa para liderar a autoridade de combate à lavagem de dinheiro do Vaticano - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV