Vaticano, a nomeação do promotor Pignatone acelerada pelo Papa Francisco após a investigação sobre as transações financeiras ilícitas

Revista ihu on-line

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Mais Lidos

  • Barroso vai ao ataque e inverte a lógica da empreitada bolsonarista – Frases do dia

    LER MAIS
  • O verdadeiro inimigo da democracia é a eterna desigualdade

    LER MAIS
  • Os capatazes terceirizados do iFood

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Outubro 2019

Entre as primeiras decisões a serem tomadas pelo novo presidente do Tribunal do Estado da Cidade do Vaticano, em sua mesa estará justamente o dossiê da investigação sobre as transações financeiras solicitada pelo promotor de justiça do Tribunal do Vaticano, Gian Piero Milano, e pelo adjunto Alessandro Diddi. Uma investigação nascida das "denúncias apresentadas no início do último verão do Instituto de Obras Religiosas.

A reportagem é de Francesco Antonio Grana, publicada por Il Fatto Quotidiano, 03-10-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

Da investigação sobre Mafia Capitale àquelas financeira da Santa Sé. O Papa Francisco nomeou presidente do Tribunal do Estado da Cidade do Vaticano Giuseppe Pignatone que substitui assim o ex-reitor da Universidade Lumsa em Roma, Giuseppe Dalla Torre. Uma nomeação que chega enquanto nos sagrados palácios há consternação pela suspensão de cinco executivos do Vaticano após a investigação sobre transações financeiras ilícitas. E já há quem fale de uma guerra entre entes da Santa Sé.

A nomeação de Pignatone, de fato, estava no ar há tempo, mas evidentemente Bergoglio quis acelerar o processo após a investigação dos procuradores da Santa Sé. Entre as primeiras decisões que Pignatone terá que tomar, em sua mesa estará justamente o dossiê da investigação sobre as transações financeiras ilícitas solicitada pelo promotor de justiça do Tribunal do Vaticano, Gian Piero Milano, e pelo adjunto Alessandro Diddi. Uma investigação nascida das "denúncias apresentadas no início do verão passado pelo Instituto de Obras Religiosas e pelo escritório do auditor geral, sobre operações financeiras realizadas ao longo do tempo". No momento, o Vaticano suspendeu "por prevenção das funções”, dois executivos seniores e três funcionários. Trata-se de monsenhor Mauro Carlino, recentemente nomeado pelo Papa Francisco como chefe de departamento de informação e documentação da Secretaria de Estado; Tommaso Di Ruzza, diretor da Autoridade de Informações Financeiras, genro do ex-governador do Bankitalia Antonio Fazio, casado com sua filha Valeria Maria; Vincenzo Mauriello, adjunto no departamento de protocolo da Secretaria de Estado; Fabrizio Tirabassi, adjunto do departamento administrativo da Secretaria de Estado; e Caterina Sansone, funcionária de administração da Secretaria de Estado.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Vaticano, a nomeação do promotor Pignatone acelerada pelo Papa Francisco após a investigação sobre as transações financeiras ilícitas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV