A justiça que queremos: Dos, Para e Com os Atingidos pelo crime da Vale em Brumadinho

Coluna “Rumo a Assis: na direção da Economia de Francisco”

17 Abril 2021

 

Coletivo de Atingidos e Atingidas pelo Crime da Vale em Brumadinho lançam Manifesto "A justiça que queremos", em contraposição ao acordo firmado pelo Governo do estado de MG e a empresa. 

No dia 25 de março de 2021, o Coletivo de Atingidos vinculado à Região Episcopal Nossa Senhora do Rosário (Renser), lançou o manifesto "A Justiça que Queremos", fruto de diversas discussões e debates. Além disso, foi lançado um vídeo para divulgação do mesmo.

 

 

Renser é uma instância que busca articular a evangelização em realidades específicas da Arquidiocese de Belo Horizonte, promovendo ações pastorais a partir das situações sociopolíticas e histórico-culturais de cada uma das localidades mencionadas. Em sintonia com o Projeto de Evangelização Proclamar a Palavra, a região responde aos apelos de uma Igreja em saída, comprometida com os mais pobres, envolvendo ministros ordenados, religiosos e leigos no anúncio do Evangelho, sobretudo na formação e no fortalecimento das comunidades eclesiais, promovendo um diálogo constante entre fé cristã e a defesa de uma ecologia integral.

O bispo-auxiliar dom Vicente Ferreira, juntamente com a equipe de trabalhos da Cúria, coordena as atividades na Região. O grande número de comunidades eclesiais missionárias compõem a vitalidade evangelizadora de suas paróquias que são animadas pelos padres, diáconos, religiosos e religiosas, leigos e leigas. A grande devoção à Nossa Senhora do Rosário nas muitas comunidades do Vale do Paraopeba, por sua vez, inspirou a definição do nome dessa Região Episcopal, que tem sede no município de Brumadinho.

O manifesto tem o apoio da Articulação Brasileira pela Economia de Francisco e Clara e foi enviado para a coluna “Rumo a Assis: na direção da Economia de Francisco”.

 

Eis o manifesto.

 

A justiça que queremos: Dos, para e com os Atingidos

 

Manifesto do Coletivo de Atingidos pelo Crime da Vale em Brumadinho sobre o Acordo Judicial firmado entre a mineradora e o Governo de Minas Gerais referente aos danos e prejuízos coletivos provocados pelo rompimento da barragem de rejeitos da mina Córrego do Feijão, em 25 de janeiro de 2019.

Nós, homens e mulheres pertencentes às comunidades indígenas, quilombolas, camponesas e urbanas impactadas pelo rompimento da barragem de rejeitos da Vale em Brumadinho, bem como familiares de vítimas fatais deste crime-tragédia, organizados no Coletivo de Atingidos pelo Crime da Vale em Brumadinho, viemos, por meio deste manifesto, expressar nosso repúdio ao Acordo Judicial firmado entre a mineradora e o Governo de Minas Gerais sem a participação dos atingidos. Queremos tornar pública nossa opinião sobre o que de fato deveria ser um plano de reparação integral para toda a bacia do Rio Paraopeba.

Nosso lugar de fala é aquele dos que vivem cotidianamente as dores provocadas pelas contínuas violações infligidas pela Vale às diversas comunidades existentes ao longo da bacia do Rio Paraopeba. Nosso Coletivo, criado em parceria com a Região Episcopal Nossa Senhora do Rosário (Renser), da Arquidiocese de Belo Horizonte é composto por uma pluralidade de atores e modos de vida de Brumadinho e região, que se reúnem, periodicamente, há dois anos, na busca pela construção de uma rede de autocuidado e solidariedade em meio às violações impostas aos nossos territórios, bem como visando nossa organização na luta por direitos e por justiça.

Para nós, o Coletivo de Atingidos tem sido um importante espaço de partilha, autocuidado e também de articulação e luta por nossos direitos frente aos impactos provocados pela mineração às múltiplas individualidades e à nossa Casa Comum. Portanto, falamos de um lugar no qual nos permitimos, com tranquilidade, afirmar: estivemos e estaremos sempre em luta contra o modelo de mineração predatório empregado hoje na bacia do Paraopeba e em todo o Brasil.

Nossa posição sobre o que de fato deve ser um plano de reparação às comunidades impactadas está expressa no Pacto dos Atingidos, um documento construído por várias mãos e lançado por nós no dia 25 de janeiro de 2021, no Córrego do Feijão, durante a II Romaria Regional pela Ecologia Integral a Brumadinho, quando completaram-se dois anos do ato criminoso da Vale que ceifou 273 vidas - incluindo a morte de Júlio César no dia 18 de dezembro de 2020 - e provocou inúmeros impactos sociais, econômicos e ambientais.

Como expressa o Pacto, a ideia de reparação que acreditamos passa por 4 eixos: a memória das 273 vítimas; a passagem do luto pela perda à luta pela superação; o grito por justiça e reparação; e a esperança, fé e amor que nos movem. Olhando para isso, não cremos em reparação e justiça feitas através da implementação do Acordo de Conciliação firmado entre a Vale e o Governo de Minas Gerais, no dia 04 de fevereiro de 2021, entre outras coisas, por entendermos que ele foi edificado sem participação da parte mais interessada no processo, as famílias e comunidades atingidas ao longo das 5 regiões da bacia do Paraopeba, o que ficou mais evidente ainda em função do fato de conhecermos o conteúdo do acordo somente no dia de sua celebração, uma vez que todo o processo de negociação correu em sigilo no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG).

Para nós, um verdadeiro processo de reparação, além de ter a participação das pessoas que sofreram as violações em todas as grandes decisões, deveria garantir, entre outras coisas:

Em suma, o Coletivo de Atingidos pelo Crime da Vale em Brumadinho não acredita que este Acordo Judicial contemple tais questões e, portanto, não entende que ele signifique, de forma alguma, um processo justo de reparação integral. Aliás, ressaltamos que um acordo no qual a Vale não reconhece sua culpa pelas 273 mortes e pelos inúmeros impactos ambientais, sociais e econômicos provocados à bacia do Paraopeba, de forma alguma nos representa. A justiça que queremos passa, sobretudo, pela escuta aos atingidos, pela punição a esta empresa criminosa e pela superação da minério-dependência em nossa região. Somente assim caminharemos na direção de uma ecologia integral, como nos pede o Papa Francisco, que coloque a vida acima do lucro.

Brumadinho, 25 de março de 2021.

 

Leia mais

 

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV