Ártico atinge o 2º menor nível de gelo em setembro de 2020. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • “Sínodo é até o limite. Inclui a todos: Os pobres, os mendigos, os jovens toxicodependentes, todos esses que a sociedade descarta, fazem parte do Sínodo”, diz o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Por que a extrema direita elegeu Paulo Freire seu inimigo

    LER MAIS
  • Enquanto Francisco visitava a Eslováquia, a comunidade internacional celebra a mulher sacerdote da Tchecoslováquia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


06 Outubro 2020

"O custo do aquecimento global e da subida do nível do mar será cada vez mais elevado e o número de pessoas atingidas será cada vez maior", escreve José Eustáquio Diniz Alves, doutor em demografia e pesquisador titular da Escola Nacional de Ciências Estatísticas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – ENCE/IBGE, em artigo publicado por EcoDebate, 05-10-2020.

Eis o artigo.

Só os negacionistas mais tacanhos questionam a existência do fenômeno do aquecimento global provocado pela emissão de gases de efeito estufa.

Os últimos 7 anos (2014-20) foram os mais quentes já registrados e a década 2011-20 é a mais quente da série histórica. A atmosfera do Planeta está ficando mais quente e isto tem um impacto devastador em diversos aspectos, pois, além do degelo, amplas áreas da Terra podem ficar inóspitas ou inabitáveis.

A figura abaixo (NSIDC da Nasa) mostram a extensão do gelo do Ártico nos 12 meses dos últimos 30 anos, com destaque para 2012, 2019 e 2020. Nota-se que, em setembro, o maior degelo ocorreu em 2012 e o segundo maior degelo em 2020. A extensão de gelo do Ártico estava acima de 6 milhões de km2 na média de 1981 a 2010 e ficou abaixo de 4 milhões de km2 em 2012 e 2020.

O gráfico abaixo mostra que a perda de gelo no verão do Ártico tem ocorrido ao ritmo de -13,1% por década. Nesta marcha, poderia ocorrer a perda total de gelo no verão antes do fim do atual século. Já é possível navegar tranquilamente nos verões do polo norte, o que é bom para os interesses econômicos do comércio, mas é péssimo para o meio ambiente.

A figura abaixo mostra como a extensão de gelo do Ártico no mês de setembro de 2020, que foi de 3,9 milhões de km2, diminuiu em relação à média de 1981-2010 que foi de 6,4 milhões de km2. Toda a área perto do Alasca e perto da Rússia encontra-se sem gelo no mês de setembro.

O Ártico é a região mais afetada pelo aquecimento global. Porém, o degelo do polo norte não deve provocar grandes aumentos do nível dos oceanos, pois o gelo está sobre o mar. Todavia, os sinais do Ártico mostram que toda a Criosfera será afetada pela crise climática.

O degelo da Groenlândia e da Antártida terão um impacto enorme sobre todo o Planeta.

O artigo “Climate tipping points — too risky to bet against Nature”, publicado na influente revista Nature (27/11/2019), mostra as crescentes evidências de que mudanças irreversíveis já estão ocorrendo nos sistemas ambientais da Terra gerando um “estado de emergência planetária”. Os autores deixam claro que mais da metade dos pontos críticos do clima identificados há uma década estão agora em um ponto de não retorno. Há evidências crescentes de que esses eventos são mais prováveis do que nunca e estão mais interconectados do que se pensava anteriormente, podendo levar a vetores de retroalimentação e a um ameaçador efeito dominó. Um dos pontos de inflexão é o degelo do Ártico.

A situação é crítica e requer uma resposta de emergência, especialmente quando se trata da Groenlândia. Artigo de Jason P. Briner e colegas, “Rate of mass loss from the Greenland Ice Sheet will exceed Holocene”, publicado na revista (30/09/2020) mostra que se as emissões de gases de efeito estufa (GEE) não forem reduzidas rapidamente, a taxa de degelo na Groenlândia pode atingir, até o final deste século, um ritmo inédito nos últimos 12 mil anos.

Os pesquisadores descobriram que, se o aquecimento global for limitado a 2º C neste século, essa taxa de perda deve se estabilizar em torno de 8,8 trilhões de toneladas no atual século. Todavia, se as emissões seguirem o cenário usual, essa taxa pode chegar até 36 trilhões de toneladas até o ano 2100 – um volume de degelo jamais registrado durante o Holoceno. Isso resultaria em um aumento do nível dos mares de cerca de 10 cm.

O custo do aquecimento global e da subida do nível do mar será cada vez mais elevado e o número de pessoas atingidas será cada vez maior.

O que acontece no Ártico e na Groenlândia, em setembro de 2020, é apenas uma amostra do que virá pela frente. Indubitavelmente, o futuro será mais quente e mais salgado.

Referências:

Arctic Report Card: Update for 2019. Disponível aqui.

LENTON, Timothy M. Climate tipping points — too risky to bet against Nature, 27/11/2019. Disponível aqui.

Disappearing Arctic Ice. Disponível aqui.

A Never-Before-Seen Event Is Collapsing an Ice Sheet in the Russian Arctic. Disponível aqui.

O colapso do gelo na Antártida, Climate State. Disponível aqui.

Sea Ice Index, NSIDC. Disponível aqui.

Melting ice – the future of the Arctic | DW Documentary. Disponível aqui.

Jason P. Briner et. a. Rate of mass loss from the Greenland Ice Sheet will exceed Holocene values this century, Nature, volume 586, pages70–74, 30/09/2020. Disponível aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ártico atinge o 2º menor nível de gelo em setembro de 2020. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV