Novo estudo apoia as previsões de que o Ártico poderá ficar livre do gelo marinho em 2035

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Os 13 tweets do Papa no dia do IV Encontro Mundial de Movimentos Populares

    LER MAIS
  • Pornô e sedução em contexto de vida religiosa

    LER MAIS
  • Padres da Caminhada & Padres contra o Fascismo emitem nota de solidariedade à Via Campesina, MST, Dom Orlando Brandes, CNBB e Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


14 Agosto 2020

As altas temperaturas no Ártico durante o último período interglacial – o período quente de cerca de 127.000 anos atrás – intrigam os cientistas há décadas. Agora, o modelo climático Hadley Center do UK Met Office permitiu a uma equipe internacional de pesquisadores comparar as condições do gelo do mar Ártico durante o último período interglacial com os dias atuais. Suas descobertas são importantes para melhorar as previsões de futuras mudanças no gelo marinho.

A reportagem é publicada por British Antarctic Survey (BAS) e reproduzida por EcoDebate, 13-08-2020. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

Durante a primavera e o início do verão, piscinas rasas de água se formam na superfície do gelo marinho do Ártico. Esses ‘tanques de derretimento’ são importantes para saber quanto luz solar é absorvida pelo gelo e quanto é refletida de volta para o espaço. O novo modelo do Hadley Centre é a representação física mais avançada do Reino Unido do clima da Terra e uma ferramenta crítica para pesquisas climáticas e incorpora gelo marinho e lagoas de degelo.

Usando o modelo para observar o gelo marinho do Ártico durante o último período interglacial, a equipe conclui que o impacto do intenso sol da primavera criou muitos lagos de derretimento, que desempenharam um papel crucial no derretimento do gelo marinho. Uma simulação do futuro usando o mesmo modelo indica que o Ártico pode se tornar livre de gelo marinho em 2035.

A autora principal, Dra. Maria Vittoria Guarino, modeladora do Sistema Terrestre da British Antarctic Survey (BAS), diz: “As altas temperaturas no Ártico intrigam os cientistas há décadas. Desvendar esse mistério foi um desafio técnico e científico. Pela primeira vez, podemos começar a ver como o Ártico ficou sem gelo marinho durante o último período interglacial. Os avanços feitos na modelagem climática significam que podemos criar uma simulação mais precisa do clima anterior da Terra, o que, por sua vez, nos dá maior confiança nas previsões do modelo para o futuro”.

A Dra. Louise Sime, chefe do grupo Palaeoclimate e co-autora principal da BAS, diz: “Sabemos que o Ártico está passando por mudanças significativas à medida que nosso planeta esquenta. Ao compreender o que aconteceu durante o último período quente da Terra, estamos em uma posição melhor para entender o que acontecerá no futuro. A perspectiva de perda de gelo marinho em 2035 deve realmente concentrar todas as nossas mentes em alcançar um mundo de baixo carbono assim que for humanamente viável”.

Gelo do Mar Ártico, Expedição MOSAiC. (Imagem: Markus Frey/British Antarctic Survey)

O Dr. David Schroeder e o Prof Danny Feltham da University of Reading, que desenvolveram e co-lideraram a implementação do esquema do tanque de derretimento no modelo climático, dizem: “Isso mostra a importância dos processos de gelo marinho, como lagos de derretimento no Ártico, e por que é crucial que eles sejam incorporados aos modelos climáticos.”

O trabalho é financiado pelo NERC, bolsa número NE / P013279 / 1 e faz parte do projeto TiPES, que recebeu financiamento do programa de pesquisa e inovação Horizon 2020 da União Europeia. Acesse o link aqui.

 

Referência:

Guarino, M., Sime, L.C., Schröeder, D. et al. Sea-ice-free Arctic during the Last Interglacial supports fast future loss. Nat. Clim. Chang. (2020).

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Novo estudo apoia as previsões de que o Ártico poderá ficar livre do gelo marinho em 2035 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV