Groenlândia e Antártica estão derretendo seis vezes mais rápido do que nos anos 90

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco para os pais e mães de homossexuais: “A Igreja ama os vossos filhos do jeito que eles são, porque são filhos de Deus”

    LER MAIS
  • O fenômeno dos padres fisiculturistas e estrelas das redes sociais

    LER MAIS
  • “O Papa me disse: Deus ama os filhos homossexuais como eles são”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


18 Março 2020

Observações de 11 missões de satélite monitorando as camadas de gelo da Groenlândia e da Antártica revelaram que as regiões estão perdendo gelo seis vezes mais rápido do que na década de 1990. Se a atual tendência de derretimento continuar, as regiões estarão no caminho certo para coincidir com o “pior caso” do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), com um aumento extra de 6,7 polegadas (17 centímetros) do nível do mar até 2100.

A reportagem é publicada por Jet Propulsion Laboratory da NASA e reproduzida por EcoDebate, 17-03-2020. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

As descobertas, publicadas on-line em 12 de março na revista Nature de uma equipe internacional de 89 cientistas polares de 50 organizações, são a avaliação mais abrangente até o momento sobre a mudança das camadas de gelo. A equipe do Exercício de Inter-comparação com Equilíbrio de Massa da Placa de Gelo combinou 26 pesquisas para calcular as mudanças na massa das placas de gelo da Groenlândia e da Antártica entre 1992 e 2018.

A avaliação foi apoiada pela NASA e pela Agência Espacial Europeia. As pesquisas usaram medições de satélites, incluindo o gelo da NASA, nuvens e satélite de elevação terrestre e o experimento conjunto de Recuperação da Gravidade e Clima do Centro Aeroespacial Alemão-NASA da NASA. Andrew Shepherd, da Universidade de Leeds, na Inglaterra, e Erik Ivins, no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, no sul da Califórnia, lideraram o estudo.

A equipe calculou que as duas camadas de gelo juntas perderam 81 bilhões de toneladas por ano na década de 1990, em comparação com 475 bilhões de toneladas de gelo por ano na década de 2010 – um aumento de seis vezes. No total, a Groenlândia e a Antártica perderam 6,4 trilhões de toneladas de gelo desde os anos 90.

A água de fusão resultante aumentou os níveis globais do mar em 0,7 polegadas (17,8 milímetros). Juntos, o derretimento das camadas de gelo polar é responsável por um terço de toda a elevação do nível do mar. Desse aumento total do nível do mar, 60% resultaram da perda de gelo da Groenlândia e 40% resultaram da Antártica.

“As observações de satélite do gelo polar são essenciais para monitorar e prever como as mudanças climáticas podem afetar as perdas de gelo e o aumento do nível do mar”, disse Ivins. “Embora simulações em computador nos permitam fazer projeções a partir de cenários de mudanças climáticas, as medições por satélite fornecem evidências prima facie, bastante irrefutáveis”.

O IPCC, em seu Quinto Relatório de Avaliação emitido em 2014, previa que o nível global do mar aumentaria 28 polegadas (71 centímetros) até 2100. Os estudos da equipe de Exercício de Inter-comparação de Balanço de Massa do Lençol de Gelo mostram que a perda de gelo da Antártica e da Groenlândia acompanha o pior cenário do IPCC.

As perdas combinadas de ambas as camadas de gelo atingiram o pico de 552 bilhões de toneladas por ano em 2010 e a média foi de 475 bilhões de toneladas por ano pelo restante da década. A perda de pico coincidiu com vários anos de derretimento intenso da superfície na Groenlândia, e a onda de calor do Ártico no verão passado significa que 2019 provavelmente estabelecerá um novo recorde de perda de camada de gelo polar, mas são necessárias análises adicionais. As projeções do IPCC indicam que o aumento do nível do mar resultante poderia colocar 400 milhões de pessoas em risco de inundações costeiras anuais até o final do século.

“Cada centímetro da elevação do nível do mar leva a inundações costeiras e erosão costeira, interrompendo a vida das pessoas em todo o planeta”, disse Shepherd.

Quanto ao que está levando à perda de gelo, as geleiras da Antártica estão sendo derretidas pelo oceano, o que as leva a acelerar. Considerando que isso representa a maior parte da perda de gelo da Antártica, representa metade da perda de gelo da Groenlândia; o restante é causado pelo aumento da temperatura do ar, derretendo a superfície de sua camada de gelo.

Para obter mais informações sobre o exercício de inter-comparação de balanços de massa de calota de gelo, clique aqui.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Groenlândia e Antártica estão derretendo seis vezes mais rápido do que nos anos 90 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV