Emergência climática: incêndios, ondas de calor marinhas e perda de biodiversidade

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Mais de 50 mil assinaturas exigem proteção para o Padre Júlio Lancellotti

    LER MAIS
  • Massacragem dos Chiquitanos vai à ONU. Artigo de Aloir Pacini

    LER MAIS
  • Um confinamento frutífero: em que o papa Francisco trabalhou durante a pandemia?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


21 Janeiro 2020

2020 é um ano decisivo para lideranças com poder de decisão sobre questões da biodiversidade e das mudanças climáticas, e também para a humanidade como um todo começar a prestar atenção no colapso dos nossos sistemas planetários. O ano sediará dois grandes eventos, conhecidos como “conferências das partes”, sobre a biodiversidade e o clima. Na conferência sobre biodiversidade, as partes chegarão a um acordo e apresentarão o novo conjunto de metas para a natureza na próxima década.

A reportagem é de United Nations Environment Programme e reproduzida por EcoDebate, 20-01-2020. 

Uma série de relatórios científicos recentes, e principalmente o relatório da Plataforma Intergovernamental Político-Científica de Biodiversidade e Ecossistemas de 2019, estão dizendo que as espécies estão morrendo a taxas nunca antes vistas e que, apesar de todos os esforços, as temperaturas globais estão subindo. No início de 2020, grandes incêndios florestais, como os da Austrália, foram noticiados.

“Embora os incêndios florestais possam fazer parte de alguns ecossistemas, as mudanças climáticas induzidas pelos seres humanos os tornam mais frequentes, maiores e mais generalizados. O aumento dos incêndios florestais tem um duplo impacto na biodiversidade e no clima”, diz Pascal Peduzzi, diretor do Banco de Dados de Informações Globais do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), em Genebra e gerente de programa da Sala de Situação Mundial do Meio Ambiente do PNUMA.

Incêndio florestal no distrito de Almora, Uttaranchal, no Himalaia indiano, 2016 (Foto: Wikimedia)


Nos incêndios florestais no sudoeste da Austrália, em um verão de temperaturas recordes, secas e ventos fortes, mais de um bilhão de animais foram mortos, com muitos feridos e/ou com falta de comida e água segundo algumas estimativas.

Um relatório do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas de 2018 na Australásia diz: “O clima regional está mudando. A região continua demonstrando tendências de longo prazo em direção a temperaturas mais altas do ar e da superfície do mar, mais temperaturas de calor extremo e menos de frio extremo e mudanças nos padrões de precipitação. Nos últimos 50 anos, o aumento das concentrações de gases de efeito estufa contribuiu para o aumento da temperatura média na Austrália e Nova Zelândia, e a diminuição das chuvas no sudoeste da Austrália”.

A crise climática já chegou e está piorando. O Relatório sobre a Lacuna de Emissões de 2019 do PNUMA alerta que, a menos que as emissões globais de gases de efeito estufa caiam 7,6% a cada ano entre 2020 e 2030, o mundo perderá a oportunidade de seguir o caminho da meta de temperatura de 1,5°C do Acordo de Paris.

A Austrália não é o único país a ter sofrido incêndios graves recentemente. Incêndios florestais generalizados ocorreram nos últimos anos em florestas na Indonésia, em Portugal, na Califórnia e até no Ártico.

“Prevê-se que os incêndios aumentem em muitas regiões do mundo sob um clima em mudança. Reduzir as emissões de gases de efeito estufa relacionados à floresta é essencial para mitigar as mudanças climática”, diz Johan Kieft, especialista em ecossistemas e incêndios florestais do PNUMA.

“O setor florestal oferece um potencial significativo para mitigação das emissões de gases de efeito estufa”, acrescenta ele.

Para aproveitar esse potencial, as partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima desenvolveram a abordagem de Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+), fornecendo incentivos para reduzir as emissões do desmatamento e degradação, gerenciar florestas de forma sustentável, conservar e melhorar a estocagem de carbono florestal.

“Os impactos das mudanças climáticas nos incêndios florestais foram amplamente negligenciados nas negociações para o REDD+”, diz Kieft. “Eles são o elo que falta nos planos dos países para conter o aquecimento global”. O que precisamos fazer, ele diz, é levar em conta o gerenciamento integrado de incêndios nesses planos, como nas contribuições nacionalmente determinadas, estabelecidas na Convenção.

A biodiversidade terrestre do mundo está concentrada nas florestas: elas abrigam mais de 80% de todas as espécies terrestres de animais, plantas e insetos. Assim, quando as florestas queimam, a biodiversidade, da qual os seres humanos dependem para sua sobrevivência a longo prazo, também desaparece no fogo. De incêndios e secas severas, como as que estão ocorrendo no Zimbábue, às ondas de calor marinhas que estão causando a destruição em massa de corais, com mais de um milhão de espécies atualmente em extinção, os eventos climáticos extremos tornaram-se um motivo de preocupação crescente para a sobrevivência das espécies.

Os corais são o lar de 25% das espécies marinhas (Foto: The Ocean Agency – XL Catlin Seaview Survey, 2016)

Eventos de branqueamento de recifes de coral em massa tornaram-se cinco vezes mais comuns em todo o mundo nos últimos 40 anos, segundo uma nova pesquisa, e as mudanças climáticas desempenham um papel significativo nesse aumento.

“Estima-se que 50% dos corais do mundo morreram nos últimos 30 anos, e isso deve subir para 90% com o aquecimento de 1,5°C e até 99% com o aquecimento de 2°C” diz Gabriel Grimsditch, Especialista em Corais do PNUMA.

“O aquecimento induzido pela atividade humana está desempenhando um papel nos incêndios florestais australianos. Como tal, são necessários cortes mais profundos nas emissões de gases de efeito estufa se quisermos conter ou evitar futuros incêndios florestais extremos”, afirma Max Gomera, Especialista em Biodiversidade do PNUMA.

“A Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática, realizada em novembro de 2020 em Glasgow, é literalmente uma oportunidade única na vida dos líderes mundiais para se posicionar sobre a crise climática e natural”, acrescentou.

A Década das Nações Unidas sobre Restauração de Ecossistemas 2021-2030, liderada pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura e parceiros como a iniciativa Africa Restoration 100, o Fórum Global de Paisagens e a União Internacional para a Conservação da Natureza, abrange os ecossistemas terrestres, costeiros e marinhos. Um apelo à ação global, reunirá apoio político, pesquisa científica e força financeira para ampliar massivamente a restauração. Ajude-nos a moldar a década.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Emergência climática: incêndios, ondas de calor marinhas e perda de biodiversidade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV