Aquecimento global, pontos de inflexão climática e o efeito dominó

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Rio Grande do Norte. Seridó ameaçado

    LER MAIS
  • Arcebispo de Ribeirão Preto visita no hospital a Dom Pedro Casaldáliga, “um ícone no Brasil”

    LER MAIS
  • Francisco nomeia seis mulheres para grupo que supervisiona as finanças vaticanas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Dezembro 2019

"O mundo ultrapassa os pontos de inflexão, a situação climática se agrava e a liderança mundial continua se desresponsabilizando e procrastinando a ações necessárias para evitar um grande desastre ambiental já desenhado no horizonte cada vez mais próximo", escreve José Eustáquio Diniz Alves, doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE, em artigo publicado por EcoDebate, 18-12-2019.

Eis o artigo.

fenômeno do aquecimento global já devasta o Planeta, causa danos crescentes e está apenas em seu começo. Seguindo as tendências das últimas décadas, a Terra caminha para um “ponto de inflexão global” que pode ser o início de um efeito dominó – capaz de gerar uma série de acontecimentos em cascata – que representa um perigo existencial à civilização e uma ameaça à sobrevivência da vida humana e da vida não humana.

(Divulgação: EcoDebate)

De fato, o mundo está passando por um ponto de mutação, pois o aquecimento global não é mais um problema como outro qualquer, mas sim o evento que engloba e potencializa todos os demais e obriga a humanidade a repensar suas prioridades diante da possibilidade de um armagedon ecológico.

Indubitavelmente, uma catástrofe ambiental será o prenúncio de uma catástrofe social. O Planeta vive uma situação de emergência climática, pois se o caos ambiental não for evitado, um colapso ecossocial será inevitável. Atingindo as condições denominadas “Terra Estufa” tornaria diversas áreas do Planeta inóspitas e inabitáveis.

Não faltam alertas e estudos científicos. A publicação mais recente não tergiversa sobre as ameaças que temos pela frente. Um grupo de renomados pesquisadores do clima, publicou o artigo “Climate tipping points — too risky to bet against”, na influente revista Nature (27/11/2019), mostrando as crescentes evidências de que mudanças irreversíveis já estão ocorrendo nos sistemas ambientais da Terra gerando um “estado de emergência planetária”.

Os autores mostram que mais da metade dos pontos críticos do clima identificados há uma década estão agora em um ponto de não retorno. Há evidências crescentes de que esses eventos são mais prováveis do que nunca e estão mais interconectados do que se pensava anteriormente, podendo levar a um ameaçador efeito dominó. A situação é crítica e requer uma resposta de emergência.

Precisa haver uma descarbonização imediata da economia internacional. Contudo, o consumo de combustíveis fósseis continua crescendo e é improvável que as emissões de CO2 sejam zeradas até 2050, pois necessitaria uma redução de 7,6% ao ano a partir de 2020. A temperatura da biosfera já subiu 1,1º C acima dos níveis pré-industriais e é provável que cruze a barreira de proteção de 1,5º C antes de 2040. Os autores concluem que apenas isso sugere o desencadeamento de desastres em cascata.

Os nove pontos de inflexão ativos (mostrados na figura acima) são: Gelo marinho do Ártico; Manta de gelo da Groenlândia; Florestas boreais; Permafrost; Circulação Meridional do Atlântico; Floresta amazônica; Corais de água quente; Manta de gelo da Antártica Ocidental e Partes da Antártica Oriental.

Por exemplo, o colapso das principais camadas de gelo da Groenlândia, Antártica Ocidental e parte da Antártica Oriental geraria uma aumento de cerca de 10 metros de elevação irreversível do nível do mar ao longo do terceiro milênio. Isto colocaria em grave risco bilhões de pessoas que moram em áreas costeiras ou que dependem das áreas litorâneas para a agricultura e para o transporte.

O degelo dos polos e dos glaciares, juntamente com a perda das florestas tropicais, do permafrost e das florestas boreais representam pontos de inflexão da biosfera que, se cruzados, resultarão na liberação de gases de efeito estufa adicionais, amplificando e retroalimentando o aquecimento global. O quadro, portanto, é de piora do que já está ruim.

Os eventos climáticos e ambientais desastrosos abundam e se alastram em efeito dominó. Os 6 anos mais quentes já registrados aconteceram entre 2014 e 2019. Ondas de calor excepcionais deixaram muitas mortes inclusive na rica Europa, incêndios gigantescos atingiram a Sibéria, a Califórnia, diversos países da Europa e, principalmente, a Austrália (com a morte de milhares de Coalas).

O furacão Dorian destruiu completamente algumas das ilhas das Bahamas, enquanto o ciclone Idai deixou milhares de mortes e desabrigados em Moçambique. Inundações atingiram vários países e deixaram a cidade de Veneza debaixo d’água, na maior inundação em décadas.

A acidificação dos oceanos e o acúmulo de plásticos ameaça a vida marinha. Erosão e degradação dos solos compromete a fertilidade dos ecossistemas. A desertificação e as secas ganham proporções épicas. A poluição do ar nas grandes cidades da China e da Índia provocam mortes e doenças respiratórias, dificultando as mais simples atividades ao ar livre. O desmatamento das florestas tropicais e as queimadas ameaçam a biodiversidade e eliminam os sumidouros de carbono. A crise hídrica deixa milhões de pessoas sem água potável e muitas culturas ficam sem os meios de irrigação necessários. Um milhão de espécies estão ameaçadas de extinção e a morte das abelhas e o colapso das colmeias ameaça a polinização das plantações, gerando escassez de comida, além de alimentar o espectro da fome.

A gravidade da situação é inquestionável. O artigo da revista Nature diz: “Em nossa opinião, a evidência dos pontos de inflexão sugere que estamos em um estado de emergência planetária: tanto o risco quanto a urgência da situação são acentuados” (Timothy Lenton et. al. 27/11/2019). Portanto, a crise climática é uma emergência global que representa uma ameaça existencial para a humanidade. Ela prejudica as atuais gerações e rouba o futuro das gerações que ainda nem nasceram.

Tudo isto torna a meta do desenvolvimento sustentado e sustentável apenas um conto de fadas. Não dá mais para manter o crescimento continuado da população e da economia global num quadro de um Planeta finito e sobrecarregado. O abismo está perigosamente próximo. Há uma necessidade e um clamor geral para que todos os países reduzam rapidamente e profundamente suas emissões de CO2, pois senão, o colapso ecossocial será inexorável.

Contudo, a governança global não tem se colocado à altura do momento atual, marcado pela emergência climática. A COP25 Chile-Espanha – Hora de Agir – prevista para terminar no dia 13 de dezembro, prolongou suas discussões durante o fim de semana e teve um fim melancólico. A diplomacia brasileira só atrapalhou. Numa época em que cada vez mais cientistas alertam sobre consequências terríveis da crise climática e a juventude protestam nas ruas aos milhões, o que houve em Madrid pode ser considerado uma traição.

A jovem eco-ativista ugandesa, Hilda Nakabuye, defendendo a bandeira da justiça ambiental e climática, disse: “Chego a pensar que a crise climática é uma outra forma de racismo, um apartheid ambiental, pois somos profundamente afetados pelas ações, palavras e ganância dos que estão no poder”.

O Secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que o evento foi uma “oportunidade perdida”: “Estou decepcionado com os resultados da COP25. A comunidade internacional perdeu uma importante oportunidade de mostrar maior ambição em mitigação, adaptação e financiamento para enfrentar a crise climática”.

Não foram tomadas medidas para aprofundar os cortes nas emissões de gases de efeito estufa e a regulamentação do mercado de carbono – com todos os seus problemas – ficou para o ano que vem. Há, como última esperança, a promessa de metas mais ambiciosas para 2020, na COP26, em Glasgow, para evitar o efeito dominó.

Em síntese, o mundo ultrapassa os pontos de inflexão, a situação climática se agrava e a liderança mundial continua se desresponsabilizando e procrastinando a ações necessárias para evitar um grande desastre ambiental já desenhado no horizonte cada vez mais próximo.

Referências:

LENTON, Timothy M. Climate tipping points — too risky to bet against, Nature, 27/11/2019. Leia aqui.

Staff Reporter. Near-term collapse, The Ecologist,11th December 2019. Leia aqui.

Hilda Nakabuye na COP25, 11/12/2019. Leia aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Aquecimento global, pontos de inflexão climática e o efeito dominó - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV