Emergência Climática – Mudanças climáticas ameaçam os ‘celeiros’ globais

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Propor vacinação só em março e alcançar no máximo 1/3 da população em 2021 é um crime

    LER MAIS
  • Ailton Krenak: “A Terra pode nos deixar para trás e seguir o seu caminho”

    LER MAIS
  • Covid-19: 'Pandemia no Sul caminha para agravamento sem precedentes', diz epidemiologista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Dezembro 2019

Condições climáticas extremas podem levar a um risco aumentado de colheitas agrícolas extraordinariamente baixas se mais de um celeiro global for afetada por condições climáticas adversas ao mesmo tempo.

A reportagem é publicada por International Institute for Applied Systems Analysis (IIASA) e reproduzida por EcoDebate, 11-12-2019. A tradução e edição são de Henrique Cortez

As conclusões de um novo estudo do IIASA mostram que esses ‘celeiros’ globais, as áreas geográficas responsáveis pelo cultivo de grande parte dos alimentos do mundo, correm o risco de não produzir trigo, milho e soja em quantidade suficiente, devido a temperaturas extremas.

A mudança climática não está apenas resultando em um aumento constante de temperaturas, mas também em um aumento da frequência e severidade de eventos climáticos extremos, como secas, ondas de calor e inundações. Essas condições extremas são particularmente prejudiciais para a agricultura.

A variabilidade climática é responsável por pelo menos 30% das flutuações anuais no rendimento agrícola mundial. Sob condições climáticas “normais”, o sistema global de alimentos pode compensar as perdas locais das culturas através do armazenamento e comércio de grãos. No entanto, é duvidoso que o sistema atual seja resiliente a condições climáticas mais extremas.

Em um estudo publicado na revista Nature Climate Change, o pesquisador do IIASA, Franziska Gaupp, e colegas analisaram o risco de falhas simultâneas na produção global devido a extremos climáticos e como o risco mudou ao longo do tempo.

“As conexões climáticas entre fenômenos globais como a Oscilação do Sul El Niño (ENSO) e extremos climáticos regionais, como as ondas de calor indianas, ou riscos de inundações em todo o mundo representam um risco para o sistema alimentar global”, observa o principal autor Gaupp. “Choques climáticos na produção agrícola contribuem para picos de preços de alimentos e fome, com potencial para desencadear outros riscos sistêmicos, incluindo agitação política e migração. Essa análise pode fornecer a base para uma alocação mais eficiente de recursos a planos de contingência e reservas estratégicas de safras que melhorariam a resiliência do sistema global de alimentos. ”

O estudo analisa os dados climáticos e de produtividade das principais regiões agrícolas dos países mais produtivos, de 1967 a 2012. A análise mostra que houve um aumento significativo na probabilidade de várias falhas globais na produção de alimentos, principalmente para trigo, milho e soja. Para a soja, por exemplo, as implicações do fracasso da colheita, em todas as principais produtoras, associadas ao risco climático seriam de pelo menos 12,55 milhões de toneladas de perdas na colheita. Isso excede as 7,2 milhões de toneladas de perdas entre 1988 e 1989, um dos maiores choques históricos na produção de soja.

Em uma escala global, existem correlações negativas e positivas entre a produção de alimentos e a dependência climática. Os riscos baseados na precipitação para a soja na Índia e na Argentina estão negativamente correlacionados. Isso significa que fortes chuvas na Índia afetam negativamente a colheita local de soja, mas isso pode ser mitigado pelas importações da Argentina – dessa forma, as perdas das culturas podem ser equilibradas.

Por outro lado, há uma correlação positiva entre a temperatura máxima na UE e na Austrália, por exemplo. O risco de aumento de temperatura na Austrália devido às mudanças climáticas pode afetar a quantidade de trigo que eles podem exportar para a UE. Isso poderia pressionar a UE em caso de seca durante a temporada de trigo.

Este é o primeiro estudo desse tipo e escala. Embora a possibilidade de um extremo climático atingir mais de um ‘celeiro global’ tenha sido um motivo crescente de preocupação, apenas alguns estudos investigaram a probabilidade de choques simultâneos na produção.

“Nossa abordagem é capaz de estimar eventos climáticos extremos simultâneos em larga escala de maneira baseada em riscos e, portanto, permite o desenvolvimento de novas estratégias de resposta a riscos”, diz o co-autor do estudo, Stefan Hochrainer-Stigler, pesquisador do Programa de Risco e Resiliência do IIASA .

Referência:

Gaupp F, Hall J, Hochrainer-Stigler S, & Dadson S (2019). Changing risks of simultaneous global breadbasket failure. Nature Climate Change DOI. Leia aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Emergência Climática – Mudanças climáticas ameaçam os ‘celeiros’ globais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV