O derretimento da superfície faz com que as geleiras antárticas deslizem mais rapidamente em direção ao oceano

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • “Uma nova educação para uma nova economia”: Prêmio Nobel de Economia, Joseph Stiglitz, ministrará videoconferência nesta quinta-feira

    LER MAIS
  • O enorme triunfo dos ricos, ilustrado por novos dados impressionantes

    LER MAIS
  • Família Franciscana repudia lei sancionada por Bolsonaro que declara o dia 04 de outubro, dia de São Francisco de Assis, como dia Nacional do Rodeio

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

25 Setembro 2019

A água de derretimento da superfície, que drena através do gelo e sob as geleiras da Antártica, está causando acelerações repentinas e rápidas no seu fluxo em direção ao mar, segundo uma nova pesquisa.

A informação é publicada por University of Sheffield, e reproduzida por EcoDebate, 24-09-2019. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

• Estudo mostra pela primeira vez uma ligação direta entre o derretimento da superfície e breves explosões de aceleração de geleiras na Antártica;

• Durante esses eventos, as geleiras da Península Antártica movem-se 100% mais rápido que a média;

• Os cientistas pedem que essas descobertas sejam contabilizadas nas previsões de aumento do nível do mar.

 

Geleira Drygalski, Península Antártica. Crédito: Google Earth.

É a primeira vez que os cientistas descobrem que o derretimento na superfície afeta o fluxo de geleiras na Antártica.

Usando imagens e dados de satélites juntamente com a modelagem climática regional, cientistas da Universidade de Sheffield descobriram que a água derretida está fazendo com que algumas geleiras se movam a velocidades 100% mais rápidas que a média (até 400 m por ano) por um período de vários dias várias vezes por ano.

As geleiras se movem ladeira abaixo devido à gravidade através da deformação interna do gelo e do deslizamento basal – onde deslizam sobre o solo abaixo delas, lubrificadas por água líquida. A nova pesquisa, publicada na Nature Communications, mostra que as acelerações nos movimentos das geleiras da Península Antártica coincidem com picos no derretimento da neve. Essa associação ocorre porque a água de fusão da superfície penetra no leito de gelo e lubrifica o fluxo da geleira.

Os cientistas esperam que, à medida que as temperaturas continuem a subir na Antártica, o derretimento da superfície ocorra com mais frequência e em uma área mais ampla, tornando-o um fator importante na determinação da velocidade com que as geleiras se movem em direção ao mar.

Por fim, eles prevêem que as geleiras da Península Antártica se comportarão como as atuais Gronelândia e Alasca, onde a água derretida controla o tamanho e o tempo das variações no fluxo das geleiras ao longo das estações e anos.

Os efeitos de uma mudança tão grande no derretimento da geleira antártica no fluxo de gelo ainda não foram incorporados aos modelos usados para prever o balanço de massa futuro da camada de gelo antártica e sua contribuição para o aumento do nível do mar.

O Dr. Jeremy Ely, Pesquisador Independente do Departamento de Geografia da Universidade de Sheffield e autor do estudo, disse: “Nossa pesquisa mostra pela primeira vez que a água derretida na superfície está ficando abaixo das geleiras da Península Antártica – causando pequenas rajadas de deslizamento em direção ao mar 100% mais rápido que o normal.

“Como as temperaturas atmosféricas continuam a subir, esperamos ver mais derretimento da superfície do que nunca, para que esse comportamento possa se tornar mais comum na Antártica.

“É crucial que esse fator seja considerado nos modelos de futura elevação do nível do mar, para que possamos nos preparar para um mundo com geleiras cada vez menores.”

Pete Tuckett, que fez a descoberta enquanto estudava para seu mestrado em Mudança Polar e Alpina na Universidade de Sheffield, disse: “A ligação direta entre o derretimento da superfície e as taxas de fluxo das geleiras foi bem documentada em outras regiões do mundo, mas isso é a primeira vez que vimos esse acoplamento em qualquer lugar da Antártica.

“Dado que as temperaturas atmosféricas e, portanto, as taxas de derretimento da superfície na Antártida devem aumentar, esta descoberta pode ter implicações significativas para futuras taxas de aumento do nível do mar”. 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O derretimento da superfície faz com que as geleiras antárticas deslizem mais rapidamente em direção ao oceano - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV