Mudanças Climáticas – Estudo revela que 24% do gelo da Antártica Ocidental é agora instável

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Os Arautos do Evangelho não reconhecem o Comissário do Vaticano, dom Raymundo Damasceno Assis

    LER MAIS
  • Pacto das Catacumbas pela Casa Comum. Por uma Igreja com rosto amazônico, pobre e servidora, profética e samaritana

    LER MAIS
  • A ideologização da Sociologia (além de uma simples distração). Artigo de Carlos A. Gadea

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

20 Maio 2019

Em apenas 25 anos, o derretimento do oceano fez com que o afinamento do gelo se espalhasse pela Antártida Ocidental tão rapidamente que um quarto do gelo de sua geleira foi afetado, segundo um novo estudo.

A informação é publicada por American Geophysical Union, e reproduzida por EcoDebate, 17-05-2019. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

Cientistas do Centro de Observação Polar e Modelagem (CPOM), sediado na Universidade de Leeds, no Reino Unido, combinaram 25 anos de medidas de satélites da Agência Espacial Européia e um modelo do clima regional da Antarctica para rastrear mudanças na cobertura de neve e gelo em todo o continente.

Um novo estudo na revista Geophysical Research Letters, da AGU, descobriu que a camada de gelo da Antártica diminuiu em até 122 metros, com as mudanças mais rápidas ocorrendo na Antártida Ocidental, onde o derretimento do oceano desencadeou o desequilíbrio glacial.

Isso significa que as geleiras afetadas são instáveis, já que estão perdendo mais massa por meio do derretimento e do iceberg do que da neve.

A equipe de pesquisa descobriu que o padrão de desbaste das geleiras não é estático ao longo do tempo. Desde 1992, o desbaste se espalhou por 24% da Antártida Ocidental e pela maioria dos seus maiores córregos de gelo – as geleiras Pine Island e Thwaites – que agora estão perdendo gelo cinco vezes mais rápido do que estavam no início da pesquisa.

 

Este mapa mostra as mudanças na espessura da camada de gelo da Antártida de 1992 a 2017. O aquecimento das águas oceânicas causou a redução do gelo tão rapidamente que 24% das geleiras na Antártida Ocidental estão sendo afetadas. Em alguns lugares, o desbaste de geleiras se espalhou para o interior. (Créditos: Shepherd et al 2019 / Cartas de Pesquisa Geofísica / AGU)

O estudo utilizou mais de 800 milhões de medições da altura do manto de gelo da Antártica registradas pelas missões de satélite do ERS-1, ERS-2, Envisat e CryoSat-2 entre 1992 e 2017 e simulações de neve no mesmo período produzidas pelo RACMO regional modelo climático.

Juntas, essas medidas permitem que as mudanças na altura da camada de gelo sejam separadas naquelas devido a padrões climáticos, como menos neve, e aquelas devidas a mudanças de longo prazo no clima, como o aumento da temperatura oceânica que consome o gelo.

“Em partes da Antártida, a camada de gelo diminuiu em quantidades extraordinárias, e assim começamos a mostrar o quanto era devido a mudanças no clima e quanto estava devido ao clima”, disse Andy Shepherd, cientista polar da Universidade de Leeds, diretor do CPOM e principal autor do novo estudo.

Para fazer isso, a equipe comparou a mudança da altura da superfície medida às mudanças simuladas na queda de neve e, onde a discrepância foi maior, atribuíram sua origem ao desequilíbrio glacial.

Eles descobriram que as flutuações na neve tendem a causar pequenas mudanças de altura em grandes áreas por alguns anos, mas as mudanças mais pronunciadas na espessura do gelo são sinais de desequilíbrio glacial que persistem há décadas.

Sequência de tempo da mudança da espessura do gelo da geleira antártica (esquerda) e contribuição associada à subida do nível do mar (à direita) entre 1992 e 2019. (Créditos: Centro de Observação Polar e Modelação)

“Saber quanto neve caiu realmente nos ajudou a detectar a mudança subjacente no gelo da geleira dentro do registro do satélite”, disse Shepherd. “Podemos ver claramente agora que uma onda de desbaste se espalhou rapidamente por algumas das geleiras mais vulneráveis da Antártica, e suas perdas estão elevando os níveis do mar ao redor do planeta.

No total, as perdas de gelo da Antártida Oriental e Ocidental contribuíram com 4,6 milímetros para o aumento global do nível do mar desde 1992, de acordo com o estudo.

“Esta é uma importante demonstração de como as missões por satélite podem nos ajudar a entender como o nosso planeta está mudando”, disse Marcus Engdahl, cientista de observação da Terra na Agência Espacial Europeia e co-autor do novo estudo. “As regiões polares são ambientes hostis e são extremamente difíceis de acessar do solo. Por causa disso, a visão do espaço é uma ferramenta essencial para rastrear os efeitos da mudança climática”.

Referência:

Geophysical Research Letters - Trends in Antarctic Ice Sheet Elevation and Mass - Andrew Shepherd, Lin Gilbert, Alan S. Muir, Hannes Konrad, Malcolm McMillan, Thomas Slater, Kate H. Briggs, Aud V. Sundal, Anna E. Hogg, Marcus Engdahl

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mudanças Climáticas – Estudo revela que 24% do gelo da Antártica Ocidental é agora instável - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV