Derretimento do manto de gelo da Groenlândia libera toneladas de metano na atmosfera, diz estudo

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • O que significa ser padre hoje? Artigo de Timothy Radcliffe

    LER MAIS
  • Paulo Freire. Cem anos de solidão pedagógica?

    LER MAIS
  • Por que a extrema direita elegeu Paulo Freire seu inimigo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


08 Janeiro 2019

Derretimento do manto de gelo da Groenlândia emite toneladas de metano de acordo com um novo estudo, mostrando que a atividade biológica subglacial afeta a atmosfera muito mais do que se pensava anteriormente.

A informação é publicada por Bristol University, e reproduzida por EcoDebate, 07-01-2019. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

Uma equipe internacional de pesquisadores, liderada pela Universidade de Bristol, coletou amostragem da água de degelo que escorre uma grande bacia (> 600 km2) do manto da Groenlândia durante os meses de verão.

Conforme relatado na Nature, usando novos sensores para medir o metano no escoamento de água de degelo em tempo real, eles observaram que o metano era exportado continuamente sob o gelo. Eles calcularam que pelo menos seis toneladas de metano foram transportadas para o local de medição a partir dessa parte da camada de gelo, aproximadamente o equivalente ao metano liberado por até 100 vacas.

O gás metano (CH4) é o terceiro gás de efeito estufa mais importante na atmosfera após vapor d’água e dióxido de carbono (CO2). Embora, presente em concentrações mais baixas que o CO2, o metano é aproximadamente 20 a 28 vezes mais potente. Portanto, quantidades menores têm o potencial de causar impactos desproporcionais nas temperaturas atmosféricas. A maior parte do metano da Terra é produzida por micro-organismos que convertem matéria orgânica em CH4 na ausência de oxigênio, principalmente em áreas úmidas e em terras agrícolas, bem como nos estômagos de vacas e arrozais. O restante vem de combustíveis fósseis como o gás natural.

Embora algum metano tenha sido detectado anteriormente nos núcleos de gelo da Groenlândia e em um lago subglacial antártico, esta é a primeira vez que as águas de degelo produzidas na primavera e no verão em grandes bacias de gelo têm sido continuamente fonte de de metano, do leito para a atmosfera.

O principal autor, Guillaume Lamarche-Gagnon, da Escola de Ciências Geográficas de Bristol, disse: “O que também chama a atenção é o fato de termos encontrado evidências inequívocas de um sistema microbiano subglacial generalizado. Embora soubéssemos que os micróbios produtores de metano provavelmente eram importantes em ambientes subglaciais, o quão importante e difundido eles realmente eram era discutível. Agora vemos claramente que os microrganismos ativos, vivendo sob quilômetros de gelo, não estão apenas sobrevivendo, mas provavelmente impactando outras partes do sistema terrestre. Este metano subglacial é essencialmente um biomarcador para a vida nestes habitats isolados.”

A maioria dos estudos sobre as fontes de metano do Ártico se concentra no permafrost, porque esses solos congelados tendem a conter grandes reservas de carbono orgânico que podem ser convertidas em metano quando descongelam devido ao aquecimento do clima. Este último estudo mostra que os lençóis de gelo, que contêm grandes reservas de carbono, água líquida, micro-organismos e muito pouco oxigênio – as condições ideais para a criação de gás metano – também são fontes atmosféricas de metano.

A co-pesquisadora Dra. Elizabeth Bagshaw, da Universidade de Cardiff, acrescentou: “As novas tecnologias de sensores que usamos nos dão uma janela para essa parte inédita do ambiente glacial. A medição contínua de água derretida nos permite melhorar nossa compreensão de como esses sistemas fascinantes funcionam e como eles afetam o resto do planeta”.

Com a Antártida detendo a maior massa de gelo do planeta, os pesquisadores dizem que suas descobertas justificam a transformação do foco para o sul. O Prof. Lamarche-Gagnon acrescentou: “Várias ordens de magnitude a mais de metano foram colocadas abaixo da camada de gelo da Antártida do que abaixo das massas de gelo do Ártico. Como fizemos na Groenlândia, é hora de colocar números mais robustos na teoria ”.

Referência:

Greenland melt drives continuous export of methane from the ice sheet bed by Guillaume Lamarche-Gagnon, Jemma L. Wadham, et al. Nature, Doi: 10.1038/s41586-018-0800-0

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Derretimento do manto de gelo da Groenlândia libera toneladas de metano na atmosfera, diz estudo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV