Menos gelo e mais emissões de metano nos lagos boreais: resultado do aquecimento global

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “O coronavírus é um pedagogo cruel”. Entrevista com Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS
  • Religião remixada

    LER MAIS
  • A universidade pós-pandêmica. Artigo de Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


02 Abril 2020

Invernos mais curtos e mais quentes levam a um aumento nas emissões de metano dos lagos do norte, de acordo com um novo estudo realizado por cientistas da Finlândia e dos EUA.

A reportagem é publicada por University of Eastern Finland e reproduzida por EcoDebate, 01-04-2020. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

Períodos mais longos sem gelo contribuem para o aumento das emissões de metano. Na Finlândia, as emissões de metano dos lagos podem aumentar em até 60%.

Um estudo internacional realizado por cientistas da Universidade Purdue, nos EUA, da Universidade do Leste da Finlândia, do Instituto Finlandês do Meio Ambiente e da Universidade de Helsinque, publicado na Environmental Research Letters, aprimora significativamente nosso conhecimento atual das emissões de metano dos lagos boreais.

A espinha dorsal do estudo é um grande conjunto de dados sobre a distribuição e as características dos lagos e suas emissões de metano na Finlândia. Usando esse conjunto de dados e ferramentas de modelagem, os cientistas procuraram descobrir como as emissões de metano dos lagos do norte mudarão no final deste século, como resultado do aquecimento global.

Os lagos representam cerca de 10% da paisagem boreal e são, globalmente, responsáveis por aproximadamente 30% das emissões biogênicas de metano que se constatou aumentar sob as mudanças nas condições climáticas. No entanto, a quantificação dessa fonte de metano sensível ao clima está repleta de grandes incertezas sob as condições climáticas mais quentes. Apenas alguns estudos abordaram os mecanismos de impacto climático sobre as emissões de metano dos lagos do norte.

Os autores estimaram que a emissão difusiva total atual dos lagos finlandeses é de 0,12 ± 0,03 Tg CH4 ano- 1 e aumentará 26-59% até o final deste século, dependendo do cenário de aquecimento utilizado. O estudo mostrou que, embora o aquecimento da água e dos sedimentos do lago tenha um papel vital, o aumento da duração do período sem gelo é um fator-chave no aumento das emissões de metano no futuro.

“Os lagos boreais continuam sendo uma fonte significativa de metano sob o clima quente neste século, e o aumento nas emissões de metano depende da latitude: o aumento é maior a partir dos lagos do norte com menor latitude”, Dr. Narasinha Shurpali, da Universidade do Leste da Finlândia e Dr. Pirkko Kortelainendo do Instituto Finlandês do Meio Ambiente.

“O estudo mostra a importância da cooperação entre modeladores e experimentalistas. Aqui, o conjunto de dados representativo dos lagos e suas emissões de metano foi produzido pelo Instituto Finlandês do Meio Ambiente e pelas universidades, permitindo a modelagem biogeoquímica para estimar as emissões atuais e futuras de metano dos lagos ”, observa o professor Pertti Martikainen, da Universidade do Leste da Finlândia.

Referência:

Rising methane emissions from boreal lakes due to increasing ice-free days
Environmental Research Letters
DOI. Disponível aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Menos gelo e mais emissões de metano nos lagos boreais: resultado do aquecimento global - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV