Aquecimento e acidificação dos oceanos podem eliminar quase todos os habitats dos recifes de coral até 2100

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Rico ri à toa

    LER MAIS
  • Charles Chaput, arcebispo emérito da Filadélfia, chama o Papa Francisco de mentiroso

    LER MAIS
  • Por dentro do Sínodo: falar com franqueza, ouvir com atenção. Artigo de Austen Ivereigh

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


20 Fevereiro 2020

O aumento da temperatura da superfície do mar e das águas ácidas pode eliminar quase todos os habitats existentes nos recifes de coral até 2100, sugerindo que os projetos de restauração nessas áreas provavelmente enfrentarão sérios desafios, de acordo com uma nova pesquisa apresentada ontem no Ocean Sciences Meeting 2020.

A reportagem é de Lauren Lipuma, publicada por American Geophysical Union e reproduzida por EcoDebate, 19-02-2020. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

Os cientistas projetam que 70 a 90% dos recifes de coral desaparecerão nos próximos 20 anos como resultado das mudanças climáticas e da poluição. Alguns grupos estão tentando conter esse declínio transplantando corais vivos cultivados em laboratório para recifes moribundos. Eles propõem novos corais jovens para aumentar a recuperação do recife e trazê-lo de volta a um estado saudável.

Mas um novo mapeamento de pesquisa onde esses esforços de restauração seriam mais bem-sucedidos nas próximas décadas mostra que, até 2100, poucos a zero habitats de coral adequados permanecerão. As descobertas preliminares sugerem que a temperatura e a acidez da superfície do mar são os fatores mais importantes para determinar se um local é adequado para restauração.

“Até 2100, parece bastante sombrio”, disse Renee Setter, biogeógrafa da Universidade do Havaí em Manoa, que apresentará as novas descobertas.

Os resultados destacam alguns dos impactos devastadores que o aquecimento climático da Terra terá na vida marinha, segundo os pesquisadores. Embora a poluição represente inúmeras ameaças às criaturas oceânicas, a nova pesquisa sugere que os corais correm maior risco de mudanças provocadas pelas emissões em seu ambiente.

“Tentar limpar as praias é ótimo e tentar combater a poluição é fantástico. Precisamos continuar esses esforços”, disse Setter. “Mas, no final das contas, é realmente o que precisamos defender contra as mudanças climáticas para proteger os corais e evitar estressores compostos”.

Projetando o futuro dos recifes de coral

Os recifes de coral em todo o mundo enfrentam um futuro incerto à medida que a temperatura do oceano continua a subir. As águas mais quentes estressam os corais, causando a liberação de algas simbióticas que vivem dentro deles. Isso torna as comunidades de corais tipicamente de cores vibrantes brancas, um processo chamado branqueamento. Os corais branqueados não estão mortos, mas correm maior risco de morrer, e esses eventos de branqueamento estão se tornando mais comuns nas mudanças climáticas.

No novo estudo, Setter e seus colegas mapearam quais áreas do oceano seriam adequadas para os esforços de restauração de corais nas próximas décadas. Os pesquisadores simularam condições do ambiente oceânico, como temperatura da superfície do mar, energia das ondas, acidez da água, poluição e sobrepesca em áreas onde existem corais. Para levar em consideração a poluição e a sobrepesca, os pesquisadores consideraram a densidade populacional humana e o uso da cobertura do solo para projetar quanto lixo seria liberado nas águas circundantes.

Os pesquisadores descobriram que a maioria das partes do oceano onde os recifes de corais existem hoje não serão habitats adequados para os corais até 2045, e a situação piorou à medida que a simulação se estendia até 2100.

Os poucos locais viáveis até 2100 incluíam apenas pequenas porções da Baja Califórnia e do Mar Vermelho, que não são locais ideais para recifes de coral devido à sua proximidade com rios.

O aumento da temperatura e a acidificação dos oceanos são os principais responsáveis pela diminuição dos habitats de coral, de acordo com os pesquisadores. Os aumentos projetados na poluição humana têm apenas uma pequena contribuição para a eliminação futura do habitat dos recifes, porque os seres humanos já causaram danos tão extensos nos recifes de coral que ainda não existem muitos locais para impactar, disse Setter.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Aquecimento e acidificação dos oceanos podem eliminar quase todos os habitats dos recifes de coral até 2100 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV