O gelo marinho do Ártico está derretendo mais rapidamente do que se imaginava

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Os 13 tweets do Papa no dia do IV Encontro Mundial de Movimentos Populares

    LER MAIS
  • Pornô e sedução em contexto de vida religiosa

    LER MAIS
  • Padres da Caminhada & Padres contra o Fascismo emitem nota de solidariedade à Via Campesina, MST, Dom Orlando Brandes, CNBB e Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


28 Agosto 2020

O gelo marinho do Ártico está derretendo mais rapidamente do que se imaginava. Os modelos climáticos de hoje ainda precisam incorporar o aumento acentuado nas temperaturas que ocorreu nos últimos 40 anos. Isso, de acordo com um novo estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Copenhague e outras instituições.

A reportagem é publicada por Faculty of Science e reproduzida por EcoDebate, 27-08-2020. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

As temperaturas no Oceano Ártico entre Canadá, Rússia e Europa estão esquentando mais rápido do que os modelos climáticos dos pesquisadores foram capazes de prever.

Nos últimos 40 anos, as temperaturas aumentaram um grau a cada década, e ainda mais no mar de Barents e ao redor do arquipélago norueguês de Svalbard, onde aumentaram 1,5 grau por década ao longo do período.

Essa é a conclusão de um novo estudo publicado na Nature Climate Change.

“Nossas análises das condições do Oceano Ártico demonstram que temos subestimado claramente a taxa de aumento da temperatura na atmosfera mais próxima do nível do mar, o que acabou fazendo com que o gelo marinho desaparecesse mais rápido do que havíamos previsto”, explica Jens Hesselbjerg Christensen, professor no Niels Bohr Institutet (NBI) da Universidade de Copenhagen e um dos pesquisadores do estudo.

Junto com seus colegas do NBI e pesquisadores das Universidades de Bergen e Oslo, do Instituto Metrológico Dinamarquês e da Universidade Nacional da Austrália, ele comparou as mudanças atuais de temperatura no Ártico com as flutuações climáticas que conhecemos, por exemplo, da Groenlândia durante a idade do gelo entre 120.000 –11.000 anos atrás.

“O aumento abrupto da temperatura agora experimentado no Ártico só foi observado durante a última era do gelo. Durante esse tempo, análises de núcleos de gelo revelaram que as temperaturas sobre a camada de gelo da Groenlândia aumentaram várias vezes, entre 10 a 12 graus, ao longo de um Período de 40 a 100 anos “, explica Jens Hesselbjerg Christensen.

Ele enfatiza que o significado do forte aumento da temperatura ainda não foi totalmente avaliado. E que um maior foco no Ártico e redução do aquecimento global, de forma mais geral, são essenciais.

Os modelos climáticos devem levar em conta as mudanças abruptas

Até agora, os modelos climáticos previam que as temperaturas do Ártico aumentariam lentamente e de maneira estável. No entanto, a análise dos pesquisadores demonstra que essas mudanças estão ocorrendo em um ritmo muito mais rápido do que o esperado.

“Vimos os modelos climáticos analisados e avaliados pelo Painel do Clima da ONU. Somente os modelos baseados no pior cenário, com as maiores emissões de dióxido de carbono, se aproximam do que nossas medições de temperatura mostram nos últimos 40 anos, de De 1979 até hoje “, disse Jens Hesselbjerg Christensen.

No futuro, deve haver mais foco em ser capaz de simular o impacto de mudanças climáticas abruptas no Ártico. Isso nos permitirá criar modelos melhores que podem prever com precisão os aumentos de temperatura:

“As mudanças estão ocorrendo tão rapidamente durante os meses de verão que o gelo marinho provavelmente desaparecerá mais rápido do que a maioria dos modelos climáticos já previu. Devemos continuar a monitorar de perto as mudanças de temperatura e incorporar os processos climáticos corretos a esses modelos”, disse Jens Hesselbjerg Christensen. Ele conclui:

“Assim, implementar com sucesso as reduções necessárias nas emissões de gases de efeito estufa para atender ao Acordo de Paris é essencial para garantir um Ártico coberto de gelo marinho durante todo o ano.”

Referência

Jansen, E., Christensen, J.H., Dokken, T. et al. Past perspectives on the present era of abrupt Arctic climate change. Nat. Clim. Chang. 10, 714–721 (2020). Disponível aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O gelo marinho do Ártico está derretendo mais rapidamente do que se imaginava - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV