“A Igreja ainda tem um longo caminho pela frente para que as mulheres encontrem o seu lugar de direito”

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Arcebispo de Ribeirão Preto visita no hospital a Dom Pedro Casaldáliga, “um ícone no Brasil”

    LER MAIS
  • Rio Grande do Norte. Seridó ameaçado

    LER MAIS
  • Francisco nomeia seis mulheres para grupo que supervisiona as finanças vaticanas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


28 Mai 2020

A Ir. Christiane Baka, decana de Filosofia da Universidade Católica da África Ocidental (CUWA, na sigla em inglês), credita as feministas cristãs por promoverem o lugar das mulheres na Igreja Católica.

A reportagem é de Lucie Sarr, publicada por La Croix International, 27-05-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Membro consagrada das Irmãs de Nossa Senhora da Paz na Costa do Marfim, ela possui doutorado em Filosofia pelo Institut Catholique de Paris e mestrado em Teologia pela Universidade de Poitiers.

Além das suas funções como decana no campus central da CUWA em Abidjan, ela também leciona e continua pesquisando vários temas filosóficos e teológicos – incluindo o papel das mulheres na Igreja.

Eis a entrevista.

Os movimentos feministas costumam culpar o cristianismo por perpetuar a desigualdade de gênero. A senhora acha que essa é uma crítica justa?

O que podemos reconhecer nos movimentos feministas é que eles foram – e ainda são – um apelo dirigido tanto à hierarquia da Igreja quanto aos teólogos para refletirem sobre formas e meios de promover as mulheres.

Qualquer que seja a forma que esses movimentos feministas tomem, eles trazem no coração a denúncia dos estereótipos e preconceitos que mantêm as mulheres sob o domínio dos homens.

Dentro da Igreja, por exemplo, os movimentos feministas estão na origem de várias iniciativas que devem ser elogiadas.

Podemos mencionar a abordagem feminina às Escrituras adotada por exegetas por exemplo na França, como Anne Soupa, católica, e Élisabeth Parmentier, protestante.

Além disso, foi a luta dessas feministas que levou o Magistério a tomar uma posição real sobre a questão das mulheres na Igreja.

Por outro lado, o que me perturba em alguns círculos feministas são elementos rancorosos e marxistas.

Eu acredito que Cristo, no começo, foi o primeiro a promover as mulheres, e, como tal, o cristianismo contém as sementes dos fundamentos para a promoção das mulheres.

Mas é verdade que ainda há um longo caminho a se percorrer para que as mulheres encontrem o seu lugar de direito na Igreja.

O Papa Francisco disse que a questão da ordenação sacerdotal de mulheres foi encerrada por João Paulo II. Por que isso aconteceu? E quais são os argumentos teológicos que se opõem às mulheres sacerdotes? E o diaconato feminino ainda é possível?

Quanto à ordenação sacerdotal de mulheres, Francisco foi claro ao alinhar-se com seus antecessores, especialmente João Paulo II.

Para ele, a questão foi encerrada por este último. Não sei dizer por que, já que eu mesma me faço essa pergunta.

De qualquer forma, ele continua sendo o papa da Igreja Católica com um governo que é extremamente ortodoxo.

No entanto, posso citar os argumentos teológicos apresentados pela Igreja para justificar a não acessibilidade das mulheres ao sacerdócio ministerial.

Eles podem ser resumidos em três pontos, de acordo com a declaração sobre a questão da admissão de mulheres ao sacerdócio ministerial feita no dia 15 de outubro de 1976.

Cita-se uma fidelidade tríplice. Primeiro, a Igreja Católica nunca admitiu que as mulheres possam receber validamente uma ordenação presbiteral ou episcopal. Segundo, uma fidelidade à atitude do próprio Cristo, que não chamou mulheres para estarem entre os Doze.

Nesse ponto, várias pessoas dizem que se Cristo viesse hoje, sem dúvida ele chamaria mulheres para segui-lo e que, acima de tudo, era a tradição que o impedia de fazer isso.

A posição oposta sustenta que Cristo era livre o suficiente para se libertar da tradição e escolher mulheres dentre seus apóstolos. De acordo com os proponentes dessa tese, Cristo deliberadamente retirou as mulheres do sacerdócio ministerial.

A terceira fidelidade é a da prática dos apóstolos. Quando escolheram um substituto para Judas, eles não escolheram uma mulher.

Edith Stein usou um argumento quase ontológico. Ela disse que o padre celebra “in persona Christi” e, como Cristo era um homem, uma mulher não pode presidir.

Quanto ao diaconato, que é considerado um serviço, pode-se imaginar que um dia as mulheres terão acesso a ele.

Mas é preocupante saber que o Papa Francisco diz que as mulheres devem intervir nos locais onde se tomam as decisões. Atualmente, os locais onde se tomam as decisões são os consistórios, e não há mulheres cardeais para participar da tomada de decisões.

Nas Igrejas da África, as mulheres são atraídas pelas novas comunidades que surgiram a partir da Renovação Carismática. A Igreja tradicional falhou em encontrar a linguagem apropriada para falar com elas?

A Igreja deve ser reconhecida por ter fomentado o florescimento de várias associações religiosas femininas.

No entanto, as mulheres ainda ocupam lugares significativos e desempenham um papel importante.

Mas uma coisa é certa: essas novas comunidades dão às mulheres a oportunidade de serem pastoras, assim como os homens e outras pessoas, de serem pregadoras.

Não sei dizer se isso ajuda a atraí-las, mas reconhecemos essas comunidades como lugares onde as mulheres podem se sentir ouvidas e cuidadas.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“A Igreja ainda tem um longo caminho pela frente para que as mulheres encontrem o seu lugar de direito” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV