“O papa tem uma imagem dolorosa das mulheres”

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Um gargarejo nos salvará? Enxaguar a boca e o nariz por 30 segundos com produtos de uso comum reduz muito a carga viral

    LER MAIS
  • Nós precisamos repensar radicalmente a forma como vivemos e trabalhamos

    LER MAIS
  • As duas faces perversas da informalidade: sobretrabalho e intermitência

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


18 Fevereiro 2020

A decepção das católicas em relação à exortação pós-sinodal de Francisco é enorme.

A reportagem é de Elisabeth Zollin, publicada por Heidenheimer Zeitung, 15-02-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A decepção é grande. As mulheres ativas no movimento “Maria 2.0” declaram-se profundamente afetadas pelo fato de o Papa Francisco, no documento relativo ao Sínodo sobre a Amazônia, ter se expressado decididamente contra os ministérios ordenados para as mulheres.

“Isso não deixa indiferente a nenhuma de nós, mulheres”, diz Claudia Schmidt, consultora da Associação de Mulheres Católicas Alemãs (Katholischer Deutscher Frauenbund), da Diocese de Rottenburg-Stuttgart.

É verdade que, no documento publicado na quarta-feira passada, o papa louva o empenho das mulheres nas paróquias. Mas fala de um modo mariano de ser das mulheres que deveria ser conservado em relação à ordenação.

“Essa imagem paternalista da mulher é dolorosa para nós”, admite Schmidt. “As mulheres que se empenham em toda a Alemanha no movimento Maria 2.0 se perguntam se são consideradas de igual valor aos homens.”

O lugar que o papa atribui às mulheres na Igreja não tem nada a ver com uma participação livre, é o que diz uma das primeiras reações da associação Maria 2.0. Alguns grupos também convidaram a criar “locais de fé diferentes”, no sentido de uma “Igreja de irmãos e irmãs a cuja mesa todos são bem-vindos”.

Risco de cisão

Schmidt também vê o perigo de cisão. Ainda não é possível avaliar como as mulheres da Igreja Católica reagirão ao documento. Haveria rumores que dizem: “Agora seremos Igreja ao nosso modo e não esperaremos mais uma resposta dos altos escalões”. Outras disseram: “Agora mais do que nunca”. Supõe-se que algumas mulheres querem ir embora da Igreja batendo a porta.

Schmidt afirma: “Não consigo entender por que o Papa Francisco se expressou assim e pelo menos não se calou”. Por exemplo, não há vestígios de celibato no documento papal.

Muitos esperavam que Francisco abriria pelo menos uma fresta para a região amazônica e que, portanto, reforçaria o princípio por ele formulado repetidamente sobre a importância das Igrejas locais. Em algumas regiões, a falta de padres é tão grande que a missa só pode ser celebrada algumas vezes em um ano.

A oportunidade foi desperdiçada. Schmidt não sabe dizer o que significa a oposição de Roma ao processo de reforma do Caminho Sinodal iniciado no fim de janeiro em Frankfurt por bispos e leigos. “Se agora todos frearem, nós também podemos parar.” De qualquer forma, com o seu documento, Francisco criou novos obstáculos ao processo de reforma.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“O papa tem uma imagem dolorosa das mulheres” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV