Chile. Scicluna declarou como testemunha por abusos sexuais na Igreja

Revista ihu on-line

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Ore Ywy – A necessidade de construir uma outra relação com a nossa terra

Edição: 527

Leia mais

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa readmite os bispos chineses “ilegítimos” e cria uma diocese na China

    LER MAIS
  • Brasil tem a maior biodiversidade de árvores do mundo. Das 8 mil espécies encontradas no país, mais de 2 mil estão ameaçadas

    LER MAIS
  • Parolin: “Hoje, pela primeira vez, todos os bispos chineses estão em comunhão com o Papa”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

21 Junho 2018

A diligência aconteceu na manhã desta terça-feira no aeroporto, momentos antes de o arcebispo de Malta retornar à Itália após cumprir sua segunda missão no Chile. A diligência esteve centrada nas denúncias de religiosos da Congregação dos Irmãos Maristas.

A reportagem é publicada por T13, 19-06-2018. A tradução é de André Langer.

O arcebispo de Malta, Charles Scicluna, fez uma declaração na qualidade de testemunha diante do promotor Raúl Guzmán. O procedimento aconteceu na manhã desta terça-feira nas dependências do aeroporto de Santiago, momentos antes de o enviado do Papa deixar o país depois de concluir sua segunda missão.

Conforme explicou o promotor Guzmán, “realizamos uma série de procedimentos, fundamentalmente por causa das denúncias de pessoas que faziam parte da congregação dos maristas”.

A este respeito, explicou que “foi implementada uma série de requisitos e estão recebendo outras muitas denúncias. Particularmente ontem [segunda-feira] foram recebidas pela equipe de investigação da PDI denúncias concretas, novas denúncias sobre os fatos.”

Balanço da visita

Na manhã da terça-feira, Charles Scicluna, juntamente com Jordi Bertomeu, deu por terminada a sua segunda missão no país. Em uma coletiva de imprensa, o arcebispo de Malta fez um balanço da visita, agradecendo às pessoas que vieram dar seus testemunhos e lamentou não poder se encontrar com todos. No entanto, assegurou que responderá a todos por escrito.

“Nesta visita pudemos manifestar a particular proximidade do Papa com a diocese de Osorno e seu querido povo. (...) Agradeço a todos por tanta boa vontade, por tanto amor pela Igreja de Jesus Cristo e pelo desejo de uma grande maioria de uma reconciliação” assegurou.

Além disso, reiterou que o compromisso da Igreja é “a busca da verdade com caridade e com justiça. Este é o compromisso da Igreja”.

Junto com isso, o enviado do Papa confiou a alguns dos membros do Conselho Nacional para a Prevenção de Abusos e Acompanhamento das Vítimas a tarefa de acolher e ouvir aquelas pessoas que ele não pôde atender pessoalmente durante suas missões no Chile, e que voluntariamente estão dispostas a fazê-lo.

Os membros desta equipe são:

Pilar Ramírez, atual coordenadora do Conselho

Josefina Martínez, psicóloga

Irmã Marcela Sáenz

Padre Larry Yévenes

Padre David Albornoz

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Chile. Scicluna declarou como testemunha por abusos sexuais na Igreja - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV