A indignação do Ocidente com a guerra soa hipócrita no Sul. Entrevista com Noam Chomsky

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • A síndrome do pensamento acelerado

    LER MAIS
  • “Diáconas para uma Igreja sinodal.” Síntese para o Sínodo sobre a Sinodalidade

    LER MAIS
  • Papa Francisco não é contra ‘novos movimentos eclesiais’, ele apenas favorece alguns em detrimento de outros

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


01 Julho 2022

 

A segurança da população não é uma questão que preocupa os políticos. Ao contrário, a segurança dos privilegiados, dos ricos, do setor empresarial, dos fabricantes de armas, sim, mas não a segurança do resto de nós.

 

A entrevista é de David Barsamian, publicada originalmente por TomDispatch e reproduzida por Jacobin, 29-06-2022. A tradução é do Cepat.

 

Aos 93 anos, Noam Chomsky ainda compartilha seu conhecimento e sabedoria com uma geração mais jovem de militantes de esquerda. Nesta nova entrevista fala sobre as hipocrisias do império estadunidense e porque é realmente essencial reduzir imediatamente o enorme orçamento militar para construir uma sociedade decente.

 

Eis a entrevista.

 

Mergulhemos no pesadelo mais óbvio do momento: a guerra na Ucrânia e suas consequências em nível mundial. Mas primeiro vamos definir um pouco o pano de fundo desse conflito. Comecemos com a declaração que o presidente George H. W Bush fez a Mikhail Gorbachev, então presidente da União Soviética, de que a OTAN não avançaria um centímetro para o leste. Essa promessa foi cumprida. Agora, por que Gorbachev não exigiu um compromisso formal?

 

Ele aceitou um acordo de cavalheiros, o que não é tão incomum na diplomacia. Um aperto de mão. Além disso, o fato de o compromisso ter sido formalizado por escrito não teria mudado em nada a situação. Os tratados formais também são quebrados o tempo todo. O que importa é a boa fé. E, de fato, H. W. Bush, o primeiro Bush, honrou explicitamente o acordo. Ele até estabeleceu uma sociedade pacífica que temperou os países da Eurásia. A OTAN não foi dissolvida, mas foi marginalizada. Permitiu-se que países como o Tajiquistão, por exemplo, aderissem à OTAN sem ter de formalizar a sua adesão. E com a aprovação de Gorbachev. Ele achava que tudo isso representaria um passo para a criação do que chamava de pátria europeia comum sem alianças militares.

 

Durante os primeiros anos de seu mandato, Bill Clinton também aderiu a esse acordo. Os especialistas dizem que Clinton começou a ter um duplo discurso a partir de 1994. Aos russos, dizia: “Sim, vamos aderir ao acordo”. À comunidade polonesa nos Estados Unidos e outras minorias étnicas, dizia: “Não se preocupem, vamos incorporá-los à OTAN.” Entre 1996 e 1997, Clinton disse essas coisas de forma bastante explícita a seu amigo Boris Yeltsin, o presidente da Rússia que ele ajudou a vencer a eleição de 1996. Disse-lhe: “Não pressione demais com essas coisas a OTAN. Vamos nos expandir, mas preciso disso por causa do voto étnico dos Estados Unidos.”

 

Em 1997, Clinton convidou os países do chamado Grupo de VisegradoHungria, Tchecoslováquia e Romênia – a ingressarem na OTAN. Os russos não estavam à vontade com o assunto, mas não fizeram nenhum escândalo. Depois os países bálticos aderiram… De novo a mesma coisa. Em 2008, o segundo Bush, bem diferente do primeiro, convidou a Geórgia e a Ucrânia para entrarem na OTAN. Todos os diplomatas americanos compreendiam bem que a Geórgia e a Ucrânia eram as linhas vermelhas da Rússia. Os russos são capazes de tolerar a expansão para qualquer outra parte, mas não para esses territórios que fazem parte do seu centro geoestratégico. A história continua com o Euromaidan de 2014, que derrubou o presidente pró-Rússia e mudou a atenção da Ucrânia para o Ocidente.

 

Desde 2014, os Estados Unidos e a OTAN começaram a enviar armas para a Ucrânia… Armas modernas, treinamento militar, ensaios militares conjuntos e operacionais para integrar a Ucrânia no comando militar da OTAN. Nada disso é segredo. É uma política bastante explícita. Recentemente, Jens Stoltenberg, secretário-geral da OTAN, vangloriou-se desta campanha. Disse: “Estamos fazendo isso desde 2014.” Claro que ele diz isso conscientemente e para provocar. Sabiam que estavam engajados em um movimento que qualquer líder russo acharia intolerável. Em 2008, a França e a Alemanha vetaram esta política, mas a pressão dos Estados Unidos manteve o assunto em pauta. E a OTAN, isto é, os Estados Unidos, começou a operar para acelerar a integração de fato da Ucrânia no comando militar da OTAN.

 

Em 2019, Volodymyr Zelensky foi eleito com ampla maioria dos votos – acho que obteve 70% dos votos – com uma plataforma de paz, com um plano para garantir a paz com o leste da Ucrânia e com a Rússia, ou seja, com o objetivo de resolver o problema. Começou a avançar e, na verdade, tentou ir em direção a Donbass para implementar o chamado acordo de Minsk II. Isso envolveria uma espécie de federalização da Ucrânia, concedendo certo grau de autonomia a Donbass, que era o que seus habitantes queriam. Algo semelhante ao que acontece com a Suíça ou a Bélgica. Mas as milícias de direita bloquearam a ação e ameaçaram assassinar Zelensky se ele persistisse em sua campanha.

 

Bem, é um cara corajoso. Poderia ter avançado se tivesse algum apoio dos Estados Unidos. Mas os Estados Unidos se negaram a isso. Não forneceram nenhum apoio, e isso deixou Zelensky de mãos atadas, e teve que recuar. Os Estados Unidos estavam determinados a continuar sua campanha para integrar gradualmente a Ucrânia no comando militar da OTAN. Isso foi acelerado com a eleição de Biden. Em setembro de 2021 era possível ler tudo isso no site da Casa Branca. Não havia um relatório oficial, mas obviamente os russos sabiam disso. Biden anunciou um programa, uma declaração conjunta para acelerar o processo de treinamento militar e o envio de armas, que fazia parte daquilo que seu governo chamou de “programa expandido” de preparação para a adesão à OTAN.

 

O processo ganhou celeridade maior em novembro. Tudo isso foi antes da invasão. Antony Blinken, secretário de Estado dos Estados Unidos, assinou o que se convencionou chamar de estatuto e basicamente formalizou e ampliou o acordo anterior. Um porta-voz do Departamento de Estado admitiu que, antes da invasão, os Estados Unidos se recusaram a discutir quaisquer questões relacionadas à segurança da Rússia. Tudo isso faz parte do pano de fundo da guerra na Ucrânia.

 

Em 24 de fevereiro, Vladimir Putin começou sua invasão criminosa. Todas as provocações anteriores, por mais importantes que sejam, não justificam a invasão. Se Putin fosse um verdadeiro estadista, teria feito outra coisa. Ele teria falado com o presidente da França, Emmanuel Macron, estudado suas propostas e depois tentado chegar a um acordo com a Europa com o objetivo de construir uma pátria europeia comum.

 

Evidentemente, os Estados Unidos sempre se opuseram a essa ideia. Isso remonta à história da Guerra Fria e às iniciativas do presidente De Gaulle para estabelecer uma Europa independente. Seu mote “Do Atlântico aos Montes Urais” contém a ideia de integrar a Rússia ao Ocidente, um programa bastante natural para questões comerciais e, obviamente, de segurança. Então, se tivesse existido um estadista no círculo próximo a Putin, o governo teria aceitado as propostas de Macron e teria tentado implementá-las com a finalidade de avaliar a possibilidade de ingressar na Europa e evitar a crise. Em vez disso, o governo russo optou por uma política que, do seu ponto de vista, é completamente estúpida. Além da natureza criminosa da invasão, escolheu uma política que levou a uma aliança entre a Europa e os Estados Unidos. De fato, essa política agora está encorajando inclusive a integração da Finlândia e da Suécia à OTAN, que, para além do caráter criminoso da invasão e das importantes perdas que está provocando, é o pior desfecho possível do ponto de vista da Rússia.

 

Portanto, criminalidade e estupidez por parte do Kremlin e fortes provocações por parte dos Estados Unidos. Esse é o pano de fundo que levou à situação atual. Existe alguma chance de acabar com toda essa terrível situação? Ou deveríamos tentar aprofundá-la? Essas são as alternativas.

 

Só há uma maneira de acabar com tudo isso. É a diplomacia. Ora, a diplomacia, por definição, implica o entendimento de ambas as partes. A solução final nunca é inteiramente do agrado de todos, mas as partes a aceitam porque é o mal menor. Um acordo forneceria a Putin uma saída de emergência. Essa é uma possibilidade. A outra é se deixar levar e ver o mundo inteiro sofrer, contar os ucranianos mortos, deixar a Rússia sofrer, deixar milhões de pessoas morrerem de fome na Ásia e na África e deixar o planeta se aquecer até o ponto em que a existência humana se torne impossível. Essas são as alternativas. E acontece que os Estados Unidos e boa parte da Europa concordam quase unanimemente em optar pela alternativa não diplomática. Decidiram continuar atacando a Rússia.

 

As colunas do New York Times e do Financial Times de Londres são bastante eloquentes. Dizem: “Temos que garantir o sofrimento da Rússia. Não importa o que aconteça com a Ucrânia ou qualquer outra pessoa.” Claro, essa aposta implica aceitar que se Putin for levado ao limite, sem nenhuma escapatória, e for forçado a admitir a derrota, ele não usará suas armas para destruir a Ucrânia.

 

Há muitas coisas que a Rússia ainda não fez. Os analistas ocidentais estão bastante surpresos. Sobretudo, a Rússia não atacou as linhas de abastecimento da Polônia, que são as que transportam as armas para a Ucrânia. Está claro que poderiam fazê-lo. Isso os colocaria em confronto direto com a OTAN, isto é, com os Estados Unidos. As consequências são fáceis de prever. Qualquer um com um mínimo de conhecimento sobre guerras sabe como tudo isso termina: é uma ladeira que leva a uma guerra nuclear terminal.

 

Portanto, estamos brincando com a vida dos ucranianos, asiáticos e africanos e com o futuro da civilização em geral para enfraquecer a Rússia, para garantir que sofra o suficiente. Se alguém quiser jogar esse jogo, deveria pelo menos admiti-lo honestamente. Carece de qualquer fundamento moral. Na verdade, é moralmente terrível. E quando você entende o que está em jogo, não duvida em dizer que todo mundo que embarcou nesse trem e fala em sustentar essa situação é um idiota moral.

 

Na mídia e na classe política dos Estados Unidos, e provavelmente da Europa, há um sentimento de indignação moral pela barbárie russa, pelos crimes de guerra e pelas atrocidades de Putin. É claro que a situação está se desenvolvendo como geralmente acontece em todas as guerras. Mas essa indignação moral não é um pouco seletiva?

 

A indignação moral é correta. Está bem que as pessoas se indignem. Mas no Sul Global a situação é chocante. Eles, evidentemente, condenam a guerra. É um deplorável crime de agressão. Mas depois olham para o Ocidente e dizem: “Do que estão falando? É o que vocês fazem o tempo todo.”

 

A diferença nas análises é bastante surpreendente. Por exemplo, você abre o New York Times e lê um grande pensador, Thomas Friedman. Há algumas semanas, ele escreveu uma coluna na qual transmite muito desespero. Ele pergunta: “O que podemos fazer? Como podemos compartilhar o mundo com um criminoso de guerra?” E responde: “Nós nunca vivemos algo assim desde Adolf Hitler. Temos um criminoso de guerra na Rússia. Não sabemos como reagir. Nunca imaginamos que voltaríamos a nos deparar com um criminoso de guerra.”

 

Pois bem, quando as pessoas do Sul Global leem tudo isso, elas não sabem se riem ou choram. Temos criminosos de guerra andando livremente em Washington. Na verdade, sabemos como lidar com os criminosos de guerra. A mesma coisa aconteceu com o 20º aniversário da invasão do Afeganistão. Devemos ter em mente que foi uma invasão totalmente gratuita e que a opinião pública sempre se opôs. Lembro-me de uma entrevista com o responsável, George W. Bush – que depois invadiu o Iraque, ou seja, um grande criminoso de guerra –, no estilo de entrevistas que o Washington Post faz, que o mostrava como um vovô simpático que brincava com seus netos, fazia piadas e exibia uma série de retratos feitos por ele mesmo de pessoas famosas que conheceu. Um ambiente bonito e amigável.

 

Então, sabemos como lidar com criminosos de guerra. Thomas Friedman está errado. Nós fazemos isso o tempo todo.

 

Tomemos como exemplo outro caso, o de Henry Kissinger, provavelmente o criminoso de guerra mais importante da modernidade. Nós não apenas o tratamos gentilmente, mas o tratamos com admiração. Afinal, é o cara que deu a ordem para a força aérea dizendo que todo o Camboja tinha que ser bombardeado, que “qualquer coisa que voa, qualquer coisa que se mexe” tinha que ser bombardeado... Essa foi a sua frase. Não conheço nenhum exemplo equivalente de convocatória para perpetrar um genocídio. Foi o que aconteceu no Camboja. Não sabemos muito sobre isso porque não gostamos de investigar nossos próprios crimes de guerra. Mas Taylor Owen e Ben Kierman, historiadores que estudaram o Camboja com muita seriedade, escreveram sobre o assunto. Depois, existe a nossa responsabilidade na derrubada do governo de Salvador Allende e na instituição de uma ditadura violenta no Chile. E a lista continua. Portanto, sabemos bem como lidar com criminosos de guerra.

 

No entanto, Thomas Friedman acha que o que está acontecendo na Ucrânia é inconcebível. E ninguém lhe respondeu. Isso significa que todo mundo acha que o que ele escreveu é bastante razoável. A palavra seletividade não é suficiente. É uma coisa impressionante. De qualquer forma, é bom que as pessoas se indignem. Está bem que os americanos comecem a mostrar alguma indignação por crimes de guerra, mesmo que seja pelos crimes de outros.

 

Proponho-lhe uma pequena charada. Ela tem duas partes. Os militares russos são ineptos e incompetentes. Seus soldados estão com o moral baixo e seus comandantes são ruins. Sua economia é equivalente à da Itália e da Espanha. Isso por um lado. Mas, por outro, a Rússia é um colosso militar que ameaça nos esmagar. Portanto, precisamos de mais armas, temos que expandir a OTAN. Como conciliar essas duas ideias contraditórias?

 

Essas duas ideias são muito comuns em todo o Ocidente. Recentemente, participei de uma longa entrevista na Suécia sobre seus planos de ingressar na OTAN. Salientei que os governantes suecos tinham duas ideias contraditórias, as mesmas que você mencionou. Uma é a jactância de que a Rússia se mostrou um tigre de papel que não consegue conquistar cidades que ficam a poucos quilômetros de sua fronteira e que são defendidas por um exército formado principalmente por cidadãos. Portanto, são completamente incompetentes em termos militares. A outra ideia é: eles estão prontos para conquistar o Ocidente e nos destruir.

 

George Orwell inventou um nome para isso. Ele dizia que era um “pensamento duplo”. São duas ideias contraditórias que coexistem na mente de uma pessoa e essa pessoa acredita nas duas ao mesmo tempo. Orwell pensava que isso só existia no Estado ultratotalitário que satirizou no livro 1984. Mas ele estava errado. Isso também acontece em sociedades livres e democráticas. Neste momento temos diante de nós um exemplo dramático, e não é a primeira vez.

 

Esse pensamento duplo é característico da Guerra Fria. Quando lemos atentamente o documento mais importante daqueles anos, o NSC-68 de 1950, entendemos que apenas a Europa, sem os Estados Unidos, empatava com a Rússia em termos de capacidade militar. Mas está claro que precisávamos de um programa de rearmamento para contrabalançar as intenções do Kremlin de dominar o mundo.

 

Este documento está disponível e tratou-se de um enfoque consciente. Dean Acheson, um dos seus autores, disse mais tarde que era preciso ser “mais claro que a verdade”, essa foi sua frase, para promover a ação do governo. Queremos aumentar o orçamento militar, por isso temos que ser “mais claros que a verdade” inventando a história de um Estado que está prestes a conquistar o mundo. Esse tipo de pensamento é típico da Guerra Fria. Há muitos outros exemplos, mas é o que estamos vivenciando agora. E essa é a maneira correta de colocar as coisas: são duas ideias que estão consumindo o Ocidente.

 

Também é interessante lembrar que, em um artigo de opinião publicado no New York Times de 1997, o diplomata George Kennan havia antecipado o perigo de que a OTAN deslocasse suas fronteiras para o leste.

 

Kennan também havia se oposto ao NSC-68. Na verdade, ele também estava encarregado da equipe de formulação de políticas do Departamento de Estado. Foi demitido e substituído por Paul Nitze. O governo achava que ele era um personagem muito mole em um mundo que era muito duro. Era um falcão, radicalmente anticomunista, bastante brutal em relação às posições dos EUA, mas percebeu que o confronto militar com a Rússia não fazia sentido.

 

A Rússia, pensava, acabaria entrando em colapso por causa de suas contradições internas. E estava certo. Mas o governo achou que ele era muito pacifista. Em 1952, declarou que era a favor da unificação da Alemanha fora da aliança militar da OTAN. Essa era a mesma proposta de Josef Stalin. Kennan tinha sido embaixador na União Soviética e era especialista em Rússia.

 

A iniciativa foi de Stalin. A proposta, de Kennan. Havia europeus que eram a favor e isso teria bastado para acabar com a Guerra Fria. Teria implicado a neutralidade de uma Alemanha não militarizada e fora de qualquer bloco militar. Mas em Washington a proposta foi completamente ignorada.

 

Um respeitado especialista em política externa, James Warburg, escreveu um livro sobre o assunto. Vale a pena ler. O título é Germany: Key do Peace [Alemanha: A chave para a paz]. Warburg propôs levar a ideia a sério. Mas sua proposta foi desacreditada, ignorada e até ridicularizada. Como acreditar em Stalin? Finalmente, os arquivos vieram à tona e descobriu-se que ele estava falando sério. Agora lemos os mais importantes historiadores da Guerra Fria, como, por exemplo, Melvin Leffler, e eles reconhecem que naquela época havia possibilidades reais de se chegar a um acordo pacífico, finalmente descartado em favor da militarização e da expansão do orçamento de guerra.

 

Consideremos agora a administração de John F. Kennedy. Após a eleição de Kennedy, Nikita Kruschev, que na época estava à frente da Rússia, fez uma proposta bastante importante que envolvia uma redução considerável do armamento militar ofensivo e que teria levado a um relaxamento das tensões. Nessa época, os Estados Unidos tinham uma grande vantagem em termos militares. Kruschev queria se concentrar no desenvolvimento econômico da Rússia e entendeu que era impossível fazê-lo no contexto de um confronto militar com um adversário muito mais rico. Fez a proposta primeiro ao presidente Dwight Eisenhower, que não lhe deu atenção. Depois, fez a mesma proposta a Kennedy, e seu governo respondeu com o maior desenvolvimento militar em tempos de paz da história, mesmo sabendo que os Estados Unidos contavam desde o início com uma enorme vantagem.

 

Os Estados Unidos inventaram a “lacuna dos mísseis”. A Rússia estava prestes a ultrapassar os Estados Unidos no desenvolvimento de mísseis. Uma vez que a lacuna dos mísseis foi exposta, descobriu-se que os Estados Unidos estavam em vantagem. A Rússia mal tinha quatro mísseis expostos em alguma base aérea.

 

Exemplos não faltam. A segurança da população simplesmente não é uma questão que preocupe os políticos. A segurança dos privilegiados, dos ricos, do setor empresarial, dos fabricantes de armas, sim, mas não a segurança do resto de nós. Esse pensamento duplo é permanente, embora às vezes seja consciente e outras vezes não. É o que Orwell definiu: hipertotalitarismo em uma sociedade livre.

 

Em um artigo publicado no site TruthOut, você citou o discurso sobre a “cortina de ferro” de Eisenhower, pronunciado em 1953. Por que é tão interessante?

 

Você deveria lê-lo. Você logo perceberia por que é interessante. É o melhor discurso que Eisenhower fez. Estamos em 1953, e ele mal tinha assumido o governo. Basicamente, aponta que a militarização representa um imenso ataque à nossa sociedade. Eisenhower — ou quem quer que tenha escrito seu discurso — diz isso com bastante eloquência. Um avião militar significa a construção de tantas escolas e hospitais a menos. Quando aumentamos o orçamento militar, atentamos contra nós mesmos.

 

Eisenhower descreveu tudo isso com muitos detalhes e pediu para diminuir o orçamento militar. Você tem um arquivo bastante terrível, mas nesse aspecto ele tinha razão. E essas palavras deveriam ficar para sempre gravadas na memória de todos. Na verdade, Joe Biden propôs recentemente um enorme orçamento militar. O Congresso o expandiu ainda mais, e isso representa um ataque à nossa sociedade, no sentido que Eisenhower explicou há tantos anos.

 

A desculpa: temos que nos defender desse tigre de papel, tão incompetente em termos militares que não consegue avançar nem mesmo alguns quilômetros além da sua fronteira sem entrar em colapso. Portanto, temos que nos prejudicar a nós mesmos e colocar o mundo inteiro em risco desperdiçando em um orçamento militar monstruoso valiosos recursos que serão inestimáveis se quisermos lidar com as grandes crises existenciais que estão por vir.

 

Enquanto isso, canalizamos toda a arrecadação dos impostos para os bolsos dos produtores de combustíveis fósseis para que eles continuem a destruir o mundo a uma velocidade cada vez maior. É o que estamos vendo com a enorme expansão da produção de combustíveis fósseis e com os gastos militares. Há muitas pessoas que estão felizes com isso. Basta olhar para os executivos da Lockheed Martin, ExxonMobil. Eles estão em êxtase. Para eles é uma bonança. Eles até recebem crédito. Eles recebem elogios por salvar a civilização quando na realidade estão destruindo todas as possibilidades de vida na Terra. Isso sem falar no Sul Global. Se os alienígenas existissem e vissem o que estamos fazendo, pensariam que somos completamente loucos. E estariam certos.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A indignação do Ocidente com a guerra soa hipócrita no Sul. Entrevista com Noam Chomsky - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV