A China avisa a UE: “A Rússia sabe ser perigosa”

Mais Lidos

  • Eucaristia e Casa Comum: entre a vida e o ouro. Artigo de Pe. Dário Bossi

    LER MAIS
  • Para Ailton Krenak, o capitalismo “teve metástase”

    LER MAIS
  • Mataram uns 12 milhões de indígenas, contabiliza Las Casas. Artigo de Edelberto Behs

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

11 Abril 2022

 

"O diplomata chinês, falando de Kiev, começa a desenhar uma nova ordem mundial. Com a maioria dos países que na sua opinião não seguirão o Ocidente no conflito. Com blocos alternativos que vão se compactar, começando pelo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Com os EUA que verão seus principais aliados enfraquecerem", escreve Francesco Verderami, em artigo publicado por corriere.it, 09-04-2022. A tradução é de Luisa Rabolini.

 

Eis o artigo. 

 

A conversa entre os embaixadores de Pequim e Roma no país de Putin: não vamos mais tolerar a hegemonia mundial dos Estados Unidos - "Cuidado. Se vocês querem uma Rússia perigosa, saibam que ela pode ser bastante”. Moscou, via Druzhby 6. 1º de abril. O embaixador chinês na Rússia, Zhang Hanhui recebeu o colega italiano Giorgio Starace na imponente representação da República Popular da China em Moscou. Tudo no prédio fala da China, do império que foi e do poder que se tornou. Há ocasiões em que os diplomatas sabem arredondar conceitos ou torná-los afiados. Desta vez o dono da casa deixa de lado os “equilíbrios verbais e tons cuidadosos”, como vai relatar o embaixador italiano em um relatório enviados há alguns ao Ministério do Exterior.

 

Hanhui começa usando o armamentário propagandístico de Moscou para justificar "um conflito - assim ele o define - provocado pelos Estados Unidos para enfraquecer Vladimir Putin e destruir as relações entre a União Europeia e a Rússia". Defende que a ação militar é consequência da constante expansão da OTAN ao Leste, do apoio oferecido pelo Ocidente ao rearmamento de Kiev, "que trabalhava na construção de mísseis com alcance de dois mil quilômetros" e hospedava em seu território "26 laboratórios químicos estadunidenses". Assim teriam sido negadas as "legítimas" exigências de segurança apresentadas pela Rússia.

 

A conversa é desde o início "muito franca", mesmo que no documento "não confidencial" enviado a Roma, Starace se concentre nas opiniões do diplomata chinês. Que depois de defender Putin começa a apontar o dedo para uma Europa míope, incapaz de defender seus interesses básicos, desprovida de autonomia, e que ao fornecer armas à Ucrânia estaria empurrando Moscou para a escalada militar. E é nesse ponto que ele diz: “Cuidado. Se vocês querem uma Rússia perigosa, saibam que ela pode ser bastante”.

 

Mas a parte mais relevante do relatório, em que se concentra o Ministério do Exterior, é aquela em que transparece a estratégia de Pequim, que "talvez não tenha entendido completamente" a jogada de Putin, mas quer explorá-la. De fato, a discussão mostra que a China não pretende hoje desempenhar um papel no processo de paz. Hanhui explica ao convidado: “Ao fornecer armas à Ucrânia, vocês jogam combustível no fogo e depois nos pedem ajuda para apagar esse incêndio. Não é justo e também não é do nosso interesse. A Ucrânia está muito longe de nós”. Sua tese é que o fim das hostilidades só pode passar depois que as partes tiverem chegado a um acordo "em autonomia".

 

Isso exigiria uma solução para o conflito desfasada no tempo. De fato, Hanhui deixa claro que a China não teria nenhum interesse particular em acabar com a guerra o mais rápido possível, porque - em sua opinião - a fratura das relações entre a Europa e a Rússia levará esta última a depender cada vez mais da China, que “nunca imporá sanções a Moscou”. No máximo, as sanções do Ocidente tornarão a relação entre a Rússia e a China ainda mais estreita.

 

De repente o Dragão aparece em toda a sua força no relatório. E Putin é reduzido a um simples peão no tabuleiro de xadrez de Pequim. Acontece quando Starace pergunta a Hanhui onde foi parar o pacifismo pragmático da China. O nosso pacifismo - é a resposta - é confundido com fraqueza pelo Ocidente, enquanto somos "uma grande potência econômica e também militar" e, portanto, "não estamos mais dispostos a tolerar nem a hegemonia mundial estadunidense nem as contínuas ingerências ocidentais em nossos assuntos internos".

 

Uma sombra se estende sobre Taiwan e se estende por todo o planeta. “Agora a situação é diferente”, continua Hanhui: “Pretendemos respeito. Temos a segunda maior economia mundial e um exército cada vez mais forte. Em apenas quatro anos conseguimos construir uma frota tão grande quanto a britânica. Não continuaremos a aceitar abusos do exterior”. Assim, o diplomata chinês, falando de Kiev, começa a desenhar uma nova ordem mundial. Com a maioria dos países que, na sua opinião, não seguirão o Ocidente no conflito. Com blocos alternativos que vão se compactar, começando pelo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Com os EUA que verão seus principais aliados enfraquecerem. Com a Europa que entrará em recessão porque as empresas perderão competitividade nos mercados devido à forte subida dos preços da energia.

 

Ainda há alguém que pretende virar para o outro lado?

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A China avisa a UE: “A Rússia sabe ser perigosa” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU