A ameaça nuclear é mais real do que nunca?

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


28 Março 2022

 

O presidente russo, Vladimir Putin, no contexto da guerra com a Ucrânia, chegou a ameaçar usar suas armas nucleares. Isso gerou grande preocupação sobre a possibilidade e o risco do uso de armas nucleares. A mídia tem repercutido amplamente essa preocupação.

 

A reportagem é de Xavier Bohigas e Teresa de Fortuny, publicada por Público, 24-03-2022. A tradução é do Cepat.

 

Infelizmente, esse risco nos acompanha desde o final da Segunda Guerra Mundial. Temos afirmado repetidamente que a simples existência de armas nucleares representa uma ameaça latente. Em primeiro lugar, um país que possua uma arma nuclear pode decidir usá-la. Em segundo lugar, há uma longa lista de acidentes relacionados a armas nucleares e situações em que a eclosão de uma guerra nuclear chegou a estar muito perto. Vamos expandir este segundo ponto.

A documentação desclassificada nos informa que houve um grave acidente envolvendo armas nucleares a cada sete meses. Houve, por exemplo, casos de aviões ou submarinos com armas nucleares que caíram, incendiaram ou afundaram.

Ainda mais preocupantes são os erros de detecção de ataques de mísseis nucleares. Há informações sobre episódios (entre os EUA e a URSS/Rússia) em que erros técnicos ou de má interpretação de informações alertavam para um ataque nuclear. Se, diante dessa suposta ameaça, se tivesse reagido, seguindo o protocolo, com um contra-ataque nuclear, a catástrofe estaria assegurada. Existe uma grande possibilidade de reagir de maneira errada, uma vez que a janela de tempo para resposta é curta (o lançamento de mísseis de contra-ataque deve ser feito antes da chegada dos supostos mísseis de ataque; o tempo de voo entre a Rússia e os EUA é inferior a meia hora).

Além desses riscos acidentais, já dissemos que um país com um arsenal nuclear está em condições de usá-lo. Neste caso, conhecemos as consequências de uma hipotética explosão de uma ou mais armas nucleares graças a vários estudos. A explosão de uma única bomba sobre uma cidade seria um desastre humanitário de tal magnitude que nenhum Estado ou organização internacional poderia lidar com isso. Em uma situação de guerra em que se utilizasse 1% do arsenal nuclear mundial, as repercussões seriam em nível planetário, pois afetaria a dinâmica atmosférica de uma forma que reduziria a produção agrícola e poderia colocar mais de dois bilhões de pessoas em situação de risco alimentar.

Em uma guerra como a atual, todos esses riscos são aumentados. Se houver um alerta de ataque nuclear em uma situação pacífica, a possibilidade de que seja um alarme falso é contemplada. Pelo contrário, em uma situação de guerra, a possibilidade de alarme falso será menos levada em consideração. Além disso, um clima de confronto não é o mais adequado para tomar decisões cautelosas e ponderadas.

As armas nucleares representam um risco permanente para a população. Até o momento, bombas nucleares foram usadas apenas em Hiroshima e Nagasaki pelos Estados Unidos. As consequências da explosão de uma pequena parte do atual arsenal nuclear global (mais de 13.000 bombas) são um risco inaceitável. A única opção que realmente evita esse risco é a proibição e a eliminação de todas as armas nucleares. Por esta razão é tão necessário que todos os Estados adiram e ratifiquem o Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares (TPAN).

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A ameaça nuclear é mais real do que nunca? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV