Os abusos na igreja francesa demonstram que o silêncio sobre a pedofilia permitiu que fosse ocultada

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma escolha crucial: como a Igreja seleciona seus bispos?

    LER MAIS
  • Padres despedaçados. Artigo de Pietro Parolin

    LER MAIS
  • Os três passos dos homens

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


07 Outubro 2021

 

O relatório Sauvé, que na França relata os abusos na Igreja Católica cometidos por padres, religiosos e leigos empenhados em serviços eclesiais, é chocante sob muitos pontos de vista. É bom e correto que se fale muito e longamente sobre este horrível evento. É encorajador que mais uma vez o Papa Francisco tenha feito isso, com palavras duras e claras, com grande proximidade com as vítimas. Mas o Relatório francês, como outras investigações semelhantes em outros países - na verdade não muitos - destaca algo terrivelmente inacreditável: como é possível que por tantas décadas em tantos lugares do mundo nenhum membro relevante e de autoridade da hierarquia católica tenha se apercebido disso, ou melhor, nenhum bispo ou responsável de seminário, nenhuma autoridade diocesana ou paroquial tenha sentido o dever moral e religioso de abrir a boca e desencadear um movimento e uma denúncia clamorosa no cerne da Igreja Católica?

A reportagem é publicada por Il Sismografo, 06-10-2021. A tradução é de Luisa Rabolini.

Por que se ficou em silêncio por tantas décadas e talvez mais?

É verdade que a Igreja, os últimos papas, também denunciaram a prática do encobrimento dos padres pedófilos, muitos dos quais abusaram de meninas e meninos durante décadas. Milhares de denúncias em diferentes países do mundo contam que se tratava de fatos amplamente conhecidos nos respectivos ambientes ou lugares. Dava-se, assim, a impressão de que, para proteger a imagem da Igreja, convinha aplicar a regra resumida na frase: “quem cala consente”. [1]

A esmagadora maioria dos que sabiam calou-se e depois passou a fazer parte dos mecanismos de ocultação, muitas vezes organizados de forma a não deixar vazar nada que pudesse causar danos à Igreja.

O Relatório Sauvé mostra que não basta punir os pedófilos e nem mesmo punir quem os ocultou. É preciso também punir aqueles que aplicaram, e ainda o fazem, a política do silêncio que precede a ocultação (Luis Badilla).

 

Nota:

[1] Conta-se que seria uma variante de uma frase latina: Qui tacet, consentire videtur (Quem cala parece consentir). A frase seria tirada de um decreto de Bonifácio VIII.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os abusos na igreja francesa demonstram que o silêncio sobre a pedofilia permitiu que fosse ocultada - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV