O conselheiro do Papa, Hans Zollner: “Agora cabe aos bispos italianos investigar a pedofilia”

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • “Os pecados da carne não são os mais graves. Os mais graves são aqueles que têm mais 'angelicalidade': a soberba, o ódio”. Entrevista do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Digital, serial, algorítmica, a cultura do século XXI chegou

    LER MAIS
  • Ômicron, natureza e arrogância humana: uma guerra entre patógenos e humanos. Artigo de Alexandre A. Martins

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


07 Outubro 2021

 

“Agora as realidades eclesiásticas de outros países precisam ter a mesma coragem da Igreja francesa. Espero que também a Itália. A Igreja não é imaculada e, infelizmente, é feita também de pecados e crimes”. O homem de confiança do Papa, o jesuíta alemão Hans Zollner, 54, comenta a divulgação do Relatório da Igreja francesa sobre os abusos. Zollner lidera o Instituto de "Antropologia, estudos interdisciplinares sobre dignidade humana e cuidado de pessoas vulneráveis" da Universidade Gregoriana, um dos centros mais prestigiosos do mundo, tanto que, na quinta-feira, Angela Merkel, o visitará antes de se encontrar com o Papa.

A entrevista é de Paolo Rodari, publicada por La Repubblica, 06-10-2021. A tradução é de Luisa Rabolini.

 

Eis a entrevista.

 

Por que a visita de Merkel?

O Instituto nasceu em colaboração com o Departamento de Psiquiatria e Psicoterapia da Universidade Clínica Estatal de Ulm. As instituições alemãs sempre acompanharam o nosso trabalho. Acredito que a chanceler esteja interessada em entender melhor como ajudamos a Igreja a prevenir. A Igreja alemã foi abalada por um relatório semelhante àquele francês. Mas os abusos dizem respeito a toda a sociedade.

 

Os números do relatório francês são impressionantes.

Por trás do choque desses números e das dimensões dessa chaga está a vítima, a sua família, o contexto em que vive. Precisamos pensar em cada vítima: é pela justiça e pela salvaguarda das pessoas que a Igreja quis este trabalho.

 

O senhor falou com os bispos franceses?

Encontrei-me com eles há duas semanas. Estavam cientes do eco que o Relatório teria e juntos reconheciam que o caminho da verdade e da sinceridade é o único que deve ser trilhado. Admitir os crimes do passado e as responsabilidades é o único ponto de partida. As responsabilidades são sistêmicas e institucionais. Os crimes foram tratados com negligência e também culpadamente e ativamente ocultados.

 

Há resistências na Igreja para investigar e fazer uma limpeza?

Sim, também porque encarar essa realidade é difícil para muitas pessoas que pensam que a Igreja seja imaculada, um lugar sem pecado e crimes. Não é assim. Para além do plano teológico, a realidade humana é constituída também por homens que erram, que cometem crimes e que os encobrem. Existem pessoas feridas na Igreja e elas devem estar em primeiro lugar. Muita coisa mudou de 2019 para hoje, desde que Francisco convocou as vítimas ao Vaticano e mudou as Normas do direito canônico em um sentido mais restritivo. Este é o caminho e não se pode voltar atrás.

 

Podemos esperar demissões dos bispos franceses?

Se um bispo não fez o que a legislação de seu Estado e o Código de Direito Canônico, lhe pedem, sim. Na Alemanha, o Cardeal Marx, mesmo não sendo diretamente culpado, ofereceu sua renúncia como sinal de que assumia responsabilidades pela Igreja que representa especificamente. O Papa rejeitou a renúncia, mas o seu gesto, inclusive para servir de sinal para todos, deveria fazer os outros pensarem.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O conselheiro do Papa, Hans Zollner: “Agora cabe aos bispos italianos investigar a pedofilia” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV