Covid-19 e guerra do petróleo, uma mistura explosiva para a economia mundial

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Não acontece todos os dias de acompanhar o sepultamento de um santo”. Entrevista com Dom Adriano Ciocca

    LER MAIS
  • Pressão de frigoríficos derruba norma de proteção e aumenta contágio da Covid no PR

    LER MAIS
  • Francisco falará na ONU sobre a pós-pandemia e a dívida externa dos países periféricos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


18 Março 2020

"Ninguém duvida dos efeitos negativos sobre a economia mundial do novo coronavírus, mas, embora de maneira mais dissimulada devido ao enorme peso das informações do Covid-19, a crise no mercado de petróleo é potencialmente tão prejudicial ou mais do que a pandemia", analisa Luis Manuel Arce, em artigo publicado por Alai, 16-03-2020. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Eis o artigo.

Dois eventos globais, o coronavírus Covid-19 e a queda no mercado de petróleo, formam uma mistura explosiva para a economia mundial, que está à beira de uma crise geral.

Com o avanço da doença que incendeia a Europa e ameaça se espalhar pelos Estados Unidos, onde já se arrasta com 41 mortes, o mercado de ações treme em escala global e o México não escapa de um nervosismo que pode ser uma histeria coletiva entre corretores e investidores.

Wall Street estremece com qualquer informação sobre a epidemia em um choque extremo, agravada por uma guerra do petróleo liderada pela Arábia Saudita que visa afetar a Rússia, embora tenha sido alcançado um entendimento sobre os níveis de extração para preservar os preços internacionais aceitável pela Organização dos Países Exportadores (OPEP).

Ninguém duvida dos efeitos negativos sobre a economia mundial do novo coronavírus, mas, embora de maneira mais dissimulada devido ao enorme peso das informações do Covid-19, a crise no mercado de petróleo é potencialmente tão prejudicial ou mais do que a pandemia.

Curiosamente, a ênfase no coronavírus não está mais na China devido à sua evidente recuperação e aos sinais de força que seu poderoso sistema socioeconômico deu neste episódio.

Uma política de informações maliciosas para desacreditar o gigante asiático e causar danos econômicos era evidente no início da epidemia, mas a consolidação de seu modo de produção é tal que a epidemia não pode derrubar o país.

Pelo contrário, houve um efeito bumerangue, primeiro para a Europa e agora para os Estados Unidos, e ficou claro que a economia mundial não está se movendo sem a China ou a Rússia. O que realmente aconteceu?

Independentemente de a mutação do coronavírus ter sido intencional de animal para homem, o novo vírus provocou uma psicose mundial pela infecção na China quando começou a fechar fábricas e cidades na tentativa de conter as infecções.

A China parou de fornecer peças para o restante das plantas de produção no mundo, chegaram a escassez e com isso o fechamento de plantas em outros países.

Wuhan mudou de um paraíso automobilístico para o pesadelo dessa indústria, hospedando grandes fábricas para GM, Honda, Nissan, Peugeot e Renault. As vendas de automóveis na China caíram 92% e atingiram o mercado global.

O consumo de gasolina caiu brutalmente, as fábricas de derivados de petróleo fecharam e o preço do petróleo caiu acentuadamente e gerou crises para quebrar investidores nos Estados Unidos devido aos custos de extração mais altos que o preço de um barril de petróleo. A reação foi contra a OPEP.

A Arábia Saudita sempre procurou jogar ao lado dos Estados Unidos e diminuir a produção de petróleo para aumentar os preços internacionais, mas a Rússia e outros produtores como o Irã se opuseram. A reação saudita foi dominadora e feroz e iniciou uma guerra de preços irracional ao leiloar seu petróleo bruto.

Os preços do petróleo caíram 20% em minutos, e os investidores venderam ativos que, segundo eles, representam um risco maior em tempos de incerteza, como os mexicanos, onde a ação dos sauditas tem sido devastadora.

O peso mexicano caiu 5% durante a abertura dos mercados asiáticos na segunda-feira e o dólar estava sendo negociado acima de 21 unidades.

O presidente Andrés Manuel López Obrador endureceu sua posição em relação às empresas com contratos, obrigando-as a serem mais produtivas e extrair maiores quantidades de petróleo em vez de, como até agora, especular com lances no mercado de ações sem produzir quase nada.

Essa atitude não era do agrado dos Estados Unidos. Dave Graham, jornalista da agência Reuters, revelou uma reunião na embaixada na Cidade do México entre americanos, europeus e canadenses, para obstaculizar ou impedir a ideia do presidente de conceder um papel mais relevante ao Estado no setor de energia.

Segundo o jornalista, a reunião foi realizada no início de março na embaixada dos Estados Unidos no México, com a participação de diplomatas do Canadá, Alemanha, França, Grã-Bretanha, Itália, Espanha e Holanda. A verdade é que a informação não foi negada.

Se verdadeira, essa conspiração rompe rapidamente os níveis de confiança que são a base de todo o sistema financeiro internacional, o que aumenta os riscos quando o México luta para restaurá-lo após a deterioração causada pela corrupção, especialmente na Pemex, a mais afetados pelo crime de colarinho branco.

Voltando ao tópico principal, as alternativas para moderar ou impedir que uma crise econômica global causada pela combinação explosiva de Covid-19 e a guerra do petróleo aumentem são apenas a China com seu enorme potencial produtivo e a Rússia com seu petróleo bruto, porque os Estados Unidos e a Europa não são mais os principais motores da economia mundial.

As medidas de emergência adotadas por Donald Trump revelam a fraqueza de seu governo, ao contrário do que aconteceu na China, onde confirmaram a força do gigante asiático.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Covid-19 e guerra do petróleo, uma mistura explosiva para a economia mundial - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV