Laicato chileno se une contra a "Igreja de Karadima"

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Cardeal Müller: documento vaticano sobre a Amazônia contém heresia e estupidez. “Não tem nada a ver com o cristianismo”

    LER MAIS
  • A história dos 13 agricultores presos por Moro e depois absolvidos

    LER MAIS
  • Arcebispo brasileiro é atacado por liderar ''infiltração esquerdista'' na Igreja

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

17 Abril 2018

Uma preocupação comum com o clericalismo, a marginalização das mulheres e a negligência dos pobres, tudo isso em consequência dos efeitos da Igreja, em que mandam padres e bispos formados por Karadima, uniu leigos e leigas no Chile e assumiram sua diversidade como a grande riqueza.

A reportagem é de Aníbal Pastor N., publicada por Religión Digital, 15-04-2018. A tradução é de André Langer.

Assim, neste sábado, 14 de abril, 50 leigos e leigas de diversas origens eclesiais e geográficas do país reuniram-se – em um gesto de verdadeira comunhão – para dinamizar toda a Igreja, após sua hierarquia tê-la colocado em grave crise de unidade e subsistência.

São pessoas que representam redes de leigos e leigas, redes de mulheres, comunidades eclesiais de base, paróquias, comunidades ecumênicas, movimentos apostólicos em meios populares e profissionais, espiritualidades de congregações religiosas, centros de estudos e formação espiritual, expressões do laicato em setores médios da nossa sociedade, professores e professoras de ensino religioso, pastoral mapuche, pastoral da saúde, organizações de direitos humanos ligadas à Igreja, de organizações que trabalham com pessoas com necessidades especiais, viciados em drogas e alcoólicos, leigos e leigas ligados diretamente a movimentos populares e novas expressões políticas, e homens e mulheres do mundo acadêmico da teologia.

Essas pessoas não pertencem apenas às experiências de base da capital. Houve a participação de representantes das dioceses de Santiago, Talca, Chillán, Concepción, Temuco, Valdivia, Osorno e Puerto Montt. Na última hora, veio juntar-se a eles um representante de Valparaíso.

Uma das tarefas confiadas à coordenação escolhida para se desenvolver nacionalmente é elaborar uma carta ao Papa Francisco para informá-lo sobre essa unidade laica e expressar-lhe os temores e as necessidades vividos em relação às mudanças que devem ser implementadas na Igreja chilena.

Como é do conhecimento da opinião pública, às possíveis nove mudanças episcopais que estão por vir, soma-se a preocupação dos leigos e leigas com o impacto provocado por cerca de 40 sacerdotes, que são párocos, que foram formados por Karadima e cujas ações atentam contra o verdadeiro seguimento de Jesus. Deve-se acrescentar, além disso, a formação geral do clero que em muitos lugares impõe um caminho anticonciliar da liturgia, afastando ainda mais o povo, segundo se afirmou neste encontro.

Os representantes reunidos hoje, também tiraram um plano de trabalho para fortalecer o laicato na Igreja e que contém três linhas: o desenvolvimento da autonomia dos leigos e leigas; a vivência da solidariedade, especialmente com os mais pobres, resgatando o ensino social da Igreja; e a criatividade para assumir novas linguagens, novos temas e novos meios de comunicação.

Assim, entre os eixos-chave está a promoção de novos estilos festivos de celebração e não mortificantes e culposos impostos pelos padres, a dimensão ecológica da relação com tudo o que vive no ambiente, e um novo papel das mulheres na Igreja, porque – como foi dito – não é o papel de simples sacristã e beata, mas trata-se de pessoas que gozam das mesmas condições que os varões, protagonistas do Evangelho como Maria e sujeitas ativas na vida comunitária, sacramental e litúrgica da Igreja.

Nesta linha, todos os membros desta nova entidade formada por leigos e leigas concordaram em constituir uma rede de redes, para serem inclusivos e unitários em suas propostas e para concretizarem o sonho da descentralização. De fato, já foram programados novos encontros por regiões.

A nova coordenação nacional desta rede de redes foi eleita democraticamente e é composta por: Francisco de Ferari, Mirna Pino, Larry Gárate e Roberto Sánchez (Santiago); Gustavo Madrid (Talca); Mirena Romero (Chillán); Sonia Morales (Temuco); Juan Carlos Claret (Osorno); e Daniel Parra (Puerto Montt). O encontro foi convocado pelas redes sociais desde janeiro passado, depois que o Papa deixou o Chile, por leigos e leigas católicos em uma estrutura de unidade e serviço à Igreja.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Laicato chileno se une contra a "Igreja de Karadima" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV