Petroleira distribui adesivos agressivos sobre Greta Thunberg

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco ataca o 'desejo de poder', a 'rigidez disciplinar' e a 'deslealdade' nas associações de fiéis, dos movimentos eclesiais e das novas comunidades

    LER MAIS
  • Vacinas, o grande golpe da Big Pharma

    LER MAIS
  • A furiosa e disfarçada guerra pela Água no Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


03 Março 2020

Greta Thunberg está novamente na mira, mas desta vez dos gigantes dos combustíveis fósseis. Em alguns adesivos com o logotipo da petroleira canadense X-Site, a ativista ambiental de 17 anos aparece nua enquanto sofre violência sexual de um homem que a segura pelas tranças.

A reportagem é de Enrico Franceschini, publicada em La Repubblica, 02-03-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A imagem assustadora apareceu na web e, depois da denúncia de Michelle Narang, que trabalha no campo petrolífero, Greta respondeu com um tuíte: “Eles fazem isso apenas por desespero: é a demonstração de que estamos vencendo”.

Em uma entrevista para a edição canadense do HuffPost, Narang, que mora em Rocky Mountain House, na província de Alberta, disse que tentou pedir explicações do ocorrido ao diretor-geral da X-Site, Doug Sparrow, perguntando se haviam se dado conta de que uma imagem dessas é uma incitação ao estupro.

Em resposta, aparentemente, disseram-lhe: “Greta não é mais uma menina: ela tem 17 anos”.

De acordo com um funcionário da X-Site ouvido pelo HuffPost, os adesivos – definidos como “nojentos e totalmente errados” – seriam parte de uma campanha promocional proposta à empresa para serem aplicados nos capacetes dos funcionários.

Apesar das inúmeras denúncias nas redes sociais, a Polícia Montada Real do Canadá não vê nenhum crime: ela estabeleceu que os adesivos não podem ser considerados pornografia infantil.

“O silêncio não produz mudanças”, afirma o movimento Sextas-Feiras pelo Futuro canadense. Com um abaixo-assinado, o grupo pede à X-Site, além das desculpas a Greta, que retire imediatamente de circulação os adesivos, acusados de transmitir “misoginia, pedofilia e violência usadas como armas”.

Não é a primeira vez que Greta é usada como alvo com insultos e zombaria. E não só desde que conquistou o centro das atenções pelo seu protesto contra as mudanças climáticas, que ela lidera desde 2018.

No seu livro “A nossa casa está em chamas”, a jovem ambientalista, que sofre da síndrome de Asperger, conta que já viveu momentos difíceis na escola, onde sofria fortes bullyings devido ao seu mutismo.

Com apenas 17 anos, Greta já se tornou o símbolo de uma militância abraçada por milhares de jovens que lutam contra o uso de combustíveis fósseis, pedindo que os governos ponham um limite nas emissões de gases do efeito estufa.

Na Itália, em outubro passado, havia aparecido um boneco pendurado em um viaduto em Roma, com a frase: “Greta é o seu deus”, que a prefeita Virginia Raggi havia definido como “vergonhoso”. Nos últimos meses, diante de repetidos ataques nas redes sociais, Greta respondeu várias vezes com tuítes que reafirmavam a força das suas convicções, compartilhadas pelo movimento Sextas-Feiras pelo Futuro, a fim de levar em frente a luta contra as mudanças climáticas.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Petroleira distribui adesivos agressivos sobre Greta Thunberg - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV