“O populismo substitui velhos futuros por novos passados”. Entrevista com Christopher Clark

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Santa Teresa de Jesus: inquieta, andarilha, desobediente e muito mais...

    LER MAIS
  • COP26. Kerry reduz as expectativas sobre a cúpula de Glasgow: “Rumo a compromissos ainda insuficientes para alcançar…”

    LER MAIS
  • Diocese Anglicana no Paraná sagrará bispa coadjutora em Curitiba

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


10 Outubro 2019

O futuro, o passado e a história só são certos na medida em que acreditamos neles. E se não acreditamos, acontece como com as fadas de Peter Pan, que morrem. O futuro europeu está morrendo, explica o historiador Christopher Clark, da Universidade de Cambridge, porque estamos deixando que os populistas o substituam por passados, tão gloriosos como falsos, para transformá-los em votos reacionários.

Na medida em que perdemos a memória do horror das guerras, os populismos avançam em seu projeto de dinamitar a União Europeia por dentro e pelos extremos. Por isso, o historiador pede que confiemos no projeto europeu e na moderação política que possibilitou recuperar a fé no futuro que sempre caracterizou as democracias liberais.

A entrevista é de Lluís Amiguet, publicada por La Vanguardia, 09-09-2019. A tradução é do Cepat.

Eis a entrevista.

Você estuda a história da história?

Tento explicar que a história existe apenas na medida em que a inventamos e acreditamos nela. E que o tempo não é uma espécie de líquido neutro dentro do qual tudo acontece.

Também inventamos o tempo?

É apenas outra construção mental coletiva. E cada regime, cada ideologia fabrica um tempo e uma história sob sua medida.

Por exemplo.

Os nazistas apagaram toda a história da República de Weimar e da Alemanha democrática de uma só vez. De repente, falar sobre alguns anos atrás era como hoje falar do antigo Egito: algo remoto e irrepetível.

Todos os totalitarismos não fazem isso?

Mas, cada um do seu modo. Os fascistas italianos idealizaram o império romano, é claro, mas, acima de tudo, apostaram em seu futuro. Foram futuristas. Ao contrário, os nazistas se interessaram mais em reler o passado com uma chave purificadora.

Como?

Seu passado era como a arquitetura de Speer: neoclássica, mas imponente, avassaladora. Para os nazistas, o tempo era apenas purificação. Cada ano nazista era um passo a mais rumo à purificação de uma raça superior. Não foi assim para Franco?

Foi mais Vale dos Caídos que Speer.

Em geral, os populistas tendem a idealizar e reinventar o passado. Ao contrário, o passado para as democracias liberais costuma ser de desigualdade, tirania e opressão.

E não está correto?

Objetivamente, sim. Com as estatísticas em mãos, as democracias liberais são mais prósperas, igualitárias e inclusivas para as minorias que no passado.

Então, por que estamos em crise?

Porque paramos de acreditar no progresso. E o futuro é uma tenebrosa mudança climática. As pessoas começam a se preparar para a próxima recessão e o medo de perder o que têm obscurece a aspiração do que poderíamos alcançar.

Nosso futuro de ontem deixou de existir?

E os populismos substituem velhos futuros por novos passados. É o America first de Trump que apela para um passado que se inventa, assim como o dos brexiters com suas glórias imperiais, ou o de Orbán com as supostas glórias de sua Hungria medieval.

Os historiadores não os corrigem?

Posso dizer a você que Trump se refere a retornar para uma América gloriosa, a dos anos 1950, porque era dominada apenas por brancos ricos como ele. Por acaso, os negros não estavam sofrendo um apartheid vergonhoso? E as mulheres não estavam confinadas no lar?

Por que não reivindicamos progresso?

É mais importante reivindicar o futuro que nós, europeus, podemos construir juntos, a partir da moderação e do entendimento que nos tiraram do pântano da Segunda Guerra Mundial. Porque, se não conseguirmos fazer com que os europeus voltem a sonhar, os nacionalistas preencherão o vazio com seus passados gloriosos.

Perdemos a futurabilidade europeia?

Nós, europeístas, perdemos a bússola das aspirações: deveríamos estar construindo um projeto verde comum, por exemplo, para reocupar o futuro, como preconiza Emmanuel Macron.

Em vez disso, estamos chorando o Brexit.

E quando pergunto aos políticos alemães como o veem, respondem que o problema é dos britânicos.

Uma resposta muito míope.

Penso que a resposta correta é que o Brexit nos ensina que não podemos construir uma estrutura complexa como a União Europeia a partir da extrema esquerda ou da extrema direita. Sempre que os radicais se impuseram nos governos europeus, fomos à guerra.

Talvez a paz já não seja suficiente.

A moderação e o centro também não consistem em uma tecnocracia neoliberal.

Então, o que a União Europeia deveria ser?

Uma formidável máquina para gerar prosperidade e distribuí-la de maneira crescente, progressiva e visível para todos. Precisamos de um centro político europeu humilde, aberto a todos e integrador. E é urgente, porque agora todos estão lhe surrando, ao identificá-lo com a tecnocracia inútil de especialistas que favoreceram a última recessão.

Por que não o temos?

Nós o tivemos e foi assim que se construiu a União do Carvão e do Aço que, ao colocar em comum esses elementos, sem os quais a guerra era inevitável, começou a construir a paz na Europa.

Não será que, na medida em que esquecemos a guerra, nós a tornamos possível novamente?

A União Europeia foi construída sobre a memória do horror da guerra, razão pela qual é, acima de tudo, um mecanismo transnacional de prevenção de conflitos. O problema é que as pessoas a atacam por inação, na medida em que se esquecem que foram as guerras que a tornaram imprescindível.

Os últimos combatentes desaparecem.

E essa perda de memória explica o Brexit, Trump, Orbán ... Por isso, precisamos reagir de forma proativa e urgente para salvar a União Europeia e as democracias liberais.

Como?

Voltando a construir uma aspiração de futuro compartilhado na União Europeia que substitua as fantasias populistas do passado. E o transformando em prosperidade compartilhada.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“O populismo substitui velhos futuros por novos passados”. Entrevista com Christopher Clark - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV