França. Os “derrubadores”, jovens ecologistas contra Macron

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que muda (para pior) no financiamento do SUS

    LER MAIS
  • Ou isto, ou aquilo

    LER MAIS
  • Desmatamento na Amazônia aumenta 212% em outubro deste ano, aponta Imazon

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

17 Setembro 2019

Uma jovem geração de ativistas franceses invadiu o espaço público com uma ideia que levou seus membros à justiça e, ao mesmo tempo, despertou certa simpatia pelo perfil ousado da iniciativa.

A reportagem é de Eduardo Febbro, publicada por Página/12, 13-09-2019. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

O sistema possui internet, redes, finanças e poder, outros têm imaginação e coragem como bandeiras de protesto político. Uma jovem geração de ativistas franceses invadiu o espaço público com uma ideia que levou seus membros à justiça, enquanto despertava simpatia pelo perfil ousado da iniciativa. Eles são chamados de "derrubadores" (les décrocheurs). Seu modo de ação consiste em tirar os quadros com retratos do presidente Emmanuel Macron das prefeituras e de outras agências do Estado e depois sair com eles para protestar contra a ausência da política ecológica do presidente. A sequência é risível: Os jovens estavam se manifestando na rua com os retratos presidenciais derrubados do gancho, ao mesmo tempo em que o presidente estava se impulsionando no nível internacional como um espadachim ambiental atacando o presidente piromaníaco do Brasil, Jair Bolsonaro, por sua política incendiária na Amazônia. Em função disso, ele até questionou a aprovação, pela França, do acordo entre a União Europeia e o Mercosul. E como ninguém no Mercosul foi capaz de responder com altura, diplomacia, verbo elaborado e soberania, Macron construiu uma eco-imagem enquanto os jovens de seu país o questionavam nas ruas.

A justiça censura os jovens "por terem roubado o quadro com a foto do presidente da República". A história que faz uma escala nos tribunais hoje com as sentenças para oito ativistas “fora do gancho” tem dois tempos e um resultado na ação sob o lema “Clima e justiça social, Macron está fora do gancho, vamos buscá-lo” (Climat et justice sociale, Macron décroche, décrochons-le). O primeiro começa no final de 2018, quando quatro associações (Greenpeace França, Oxfam França, Fondation pour la nature et l’homme, Notre Affaire à tous) lançaram a petição “L'Affaire du Siècle”. O texto, pelo qual ele questionou Emmanuel Macron sobre as ameaças que pesavam sobre as mudanças climáticas, foi assinado por mais de dois milhões de pessoas. Como nada foi feito, em 21 de fevereiro, as associações apresentaram uma queixa contra o Estado francês por "carência". A partir daí, o grupo de derrubar os quadros começou a se formar como forma de denunciar “o vazio da política climática e social”. O objetivo era montar uma campanha de "desobediência civil", cujo objetivo era ir aos municípios e "recuperar" os retratos do presidente francês. 

Os primeiros retratos foram tirados entre 21 e 28 de fevereiro de 2019. Eles foram removidos das prefeituras e depois "reapareceram" nas manifestações de rua, geralmente em conjunto com o movimento dos coletes amarelos. O movimento "Ação Não Violenta Cop-21 (ANV-COP-21) procurou" tornar visível a perturbação climática e a extinção da biodiversidade". Cécile Marchand, uma jovem de 25 anos da ANV-COP-21 diz que ainda é necessário explicar “por que é necessário entrar em desobediência civil pelas questões ecológicas”. Jean-François Julliard, diretor executivo do Greenpeace França, defende a ação não violenta porque, ele argumenta, "é necessário sair e se comprometer. O tempo dos especialistas e argumentos já passou. ”

O segundo tempo da operação "Derrubemos Macron" começou em 21 de maio. A ANV-COP-21 instou os militantes a "roubar" 125 retratos do presidente antes da cúpula do grupo dos sete países mais industrializados, o G7, que ocorreu em Biarritz na última semana de agosto. 125 corresponde ao número de dias que a França levou para gastar seu equilíbrio ecológico, ou seja, os recursos naturais à sua disposição durante 365 dias por ano. No total, os jovens pegaram cerca de 130 retratos com os quais se manifestaram tanto em Biarritz quanto em outros lugares da França. Para seus membros, eles são condenados a uma multa de "500 euros por pegar um quadro não é muito caro comparado ao custo de uma campanha de comunicação". Para eles, pegar o retrato do presidente é como pegar um símbolo. E geralmente, os símbolos não saem do gancho, mas com essa ação eles saem”. A ideia de recolher os quadros também se estendeu para além das intenções ecológicas de seus iniciadores. Algumas semanas atrás, um grupo invadiu várias prefeituras com o slogan "Ecocídio, feminicídio, vamos retomar o sistema". E pegaram os retratos presidenciais. Esses militantes justificam sua inclusão na ação porque, como explica Véronique, uma das protagonistas, "se não houvesse tantos maus tratos e exclusão de mulheres, a ecologia seria mais preservada. O abuso de mulheres acentuou a destruição de ecossistemas".

Esses novos estilos militantes viram um boom importante no ano passado. Eles ainda não têm milhões de adeptos, mas suas ações têm muito eco na sociedade, tanto mais quando, uma vez que não se trata de um assunto incorporado à política ou ideologia, mas ao clima, ele amplia sua audiência. Haverá várias dezenas de julgamentos na França contra os atores de "Vamos derrubar Macron". Eles já foram condenados em Paris a multas que variam de 1.000 a 2.000 euros. Mas esses julgamentos acabam sendo uma rampa de lançamento para os militantes. Os processos contra esses jovens atraem a mídia e apoiadores de outras causas. Cécile Duflot, ex-ministro do Meio Ambiente e atualmente diretor da Oxfam France, questionou "se os juízes acabarão entendendo o que os líderes não entendem completamente". Visivelmente não. O sistema não perdoa, mesmo quando se trata de causas eminentemente coletivas, como a proteção da biodiversidade. "Não há outra opção senão ir ao evento", diz Duflot.

Esses jovens ecologistas renovados estão impregnados de uma consciência ecológica diferente, são alegres, têm grandes ideias, sabem como se expressar para a mídia e respiram convicção e futuro. Pauline Boyer, porta-voz da ANV-COP-21, diz estar convencida de que "é um movimento social e climático global aqui e agora". Virgil, outro militante do movimento, explica: "o poder tem nos acompanhado com suas migalhas de pão. Agora, é a nossa vez de levá-lo a passear para denunciar seu cinismo e inação". Julgamentos e acusações policiais não terão muito efeito sobre eles. Talvez o sistema crie uma nova polícia antiambiental, ou talvez entre esses rostos que emanam juventude e epifania sejam os fundadores de um novo amanhã. Só que não depende apenas deles ou dos políticos, mas também de nossa doentia forma de consumir e produzir o lixo que destrói o planeta.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

França. Os “derrubadores”, jovens ecologistas contra Macron - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV