Lombardi, sobre a pederastia eclesiástica: “Não é hora de mudar de assunto”

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • “Francisco quase desculpa a vida dupla, mas ainda não aceita padres casados”

    LER MAIS
  • Carta a um jovem padre. Artigo de Domenico Marrone

    LER MAIS
  • A espiritualidade cristã no mundo secular

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


17 Dezembro 2018

O ex-porta-voz da Sala de Imprensa da Santa Sé, Federico Lombardi, escreveu na última edição da revista La Civiltà Cattolica um artigo intitulado “Rumo à reunião episcopal sobre a proteção de menores”. Nele, Lombardi pede que a reunião de todos os presidentes das conferências episcopais do mundo com o Papa Francisco, em fevereiro próximo, seja um verdadeiro motor de mudança na luta contra a pederastia eclesiástica.

A reportagem é publicada por Vida Nueva, 15-12-2018. A tradução é de André Langer.

Qualificando a reunião como “um acontecimento sem precedentes que visa dar um forte impulso a novos e urgentes avanços”, o jesuíta pede uma perspectiva global e integral, pois considera equivocado pensar que se trata de “um problema ocidental, majoritariamente americano ou anglófono”, mas que é, ao contrário, uma ameaça para a Igreja universal. E o pior é que “ainda está latente” e pode ter “erupções dramáticas no futuro”.

Encarar a realidade

Contudo, o principal apelo de Lombardi aos bispos é não ignorar sua responsabilidade, nem esquivar-se do problema: “Temos que encarar a realidade”. Uma realidade que, infelizmente, leva a milhares de vítimas dos abusos sexuais por pessoas consagradas em muitos países. E diante da qual não podemos, sem mais, virar a página: “Às vezes, mesmo em círculos eclesiásticos se ouve dizer que está na hora de mudar de assunto, que não é certo dar muito peso a isso ou que a questão é exagerada”.

Um “caminho equivocado”, lamenta, pois em grande parte da sociedade prevalece a “indefensável” imagem de que “as autoridades eclesiásticas ocultaram a verdade para evitar os escândalos, negligenciando a gravidade dos sofrimentos das vítimas”.

É que, se a questão “não for tratada em profundidade em seus diversos aspectos, a Igreja continuará a enfrentar uma crise após outra”, a credibilidade dos sacerdotes ficará “ferida” e a “sua missão de proclamar o Evangelho e do trabalho educativo com as crianças e os jovens” se verá gravemente afetada.

Maior rigor na seleção dos sacerdotes

Com vistas a encontrar soluções profundas para reverter esta crise, Lombardi pede maior “cuidado e rigor” nos processos de “seleção e formação dos candidatos ao sacerdócio”. Uma vez que o dano está feito e explode um caso de abuso, o único caminho a seguir é o da “transparência” e da “cooperação com as autoridades civis”.

Na parte final do seu artigo, o jesuíta reconhece que foi Bento XVI quem, já desde a sua época à frente da Doutrina da Fé, começou a combater energicamente o flagelo da pederastia na Igreja. Um processo no qual Francisco foi além e com ousadia, como representa o fato de que “ele já não fala simplesmente de abuso sexual, mas também de abuso de poder e de consciência”. Caso se queira erradicar pela raiz este mal, todo o povo de Deus deve se comprometer para que “todas as formas de clericalismo sejam combatidas com determinação”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Lombardi, sobre a pederastia eclesiástica: “Não é hora de mudar de assunto” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV