“Estamos diante da possibilidade real de uma sexta extinção em massa”, afirma David Attenborough

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Da crise não saímos iguais. Ou saímos melhores ou saímos piores”, afirma Papa Francisco na ONU

    LER MAIS
  • O olhar sobre a “comunhão eucarística”: uma mudança de paradigma. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS
  • Pós-humano: o desafio de falar do humano e de seu valor. Mudança de época. Artigo de Paolo Benanti

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


16 Setembro 2020

O célebre cientista e divulgador naturalista britânico David Attenborough alertou que a humanidade enfrentará uma sexta extinção em massa neste século, se não abordar a mudança climática e a superexploração dos recursos do planeta.

A reportagem é publicada por Infobae, 13-09-2020. A tradução é do Cepat.

Em seu novo livro, “A Life on Our Planet” (Uma vida em nosso planeta), Attenborough prevê um futuro de inundações, secas e um oceano se tornando ácido, caso a Terra não seja salva a tempo.

“O mundo natural desaparece. A evidência está em todas as partes. Aconteceu durante a minha vida. Vi com meus próprios olhos. Se não agirmos agora, irá nos levar à destruição. A catástrofe será incomensuravelmente mais destrutiva que Chernobyl”, escreve Attenborough, de 94 anos.

O divulgador, famoso pelos exitosos documentários que celebraram a incrível diversidade da vida na Terra, prevê uma série de possíveis cenários aterradores que a próxima geração poderá enfrentar.

“Estamos diante da possibilidade real de uma sexta extinção em massa, causada por ações humanas”, escreve. “Dentro da vida útil de alguém nascido hoje, prevê-se que a nossa espécie provocará nada menos que o colapso do mundo vivente, precisamente no que se baseia a nossa civilização”.

O problema, afirma, não é apenas a crise climática. “As pessoas, com razão, falam muito sobre a mudança climática. Mas agora está claro que o aquecimento global provocado pelo homem é apenas uma das várias crises em jogo. Uma equipe de estimados cientistas, dirigida por Johan Rockstrom e Will Steffen, identificou nove limites críticos integrados ao meio ambiente da Terra: mudança climática, uso de fertilizantes, conversão de terras, perda de biodiversidade, poluição do ar, esgotamento da camada de ozônio, acidificação dos oceanos, poluição química e extrações de água doce”.

O primeiro problema poderia ser deflagrado em toda a sua gravidade na década que começa em 2030, quando, após anos de desmatamento e queimada ilegal na bacia do Amazonas, a maior mata tropical do mundo poderia ser reduzida em 75%.

“A redução das chuvas provocaria escassez de água nas cidades e secas nas terras agrícolas geradas pelo desmatamento. A produção de alimentos se veria radicalmente afetada”, escreve Attenborough. “A perda de biodiversidade seria catastrófica”.

“As espécies que podem nos fornecer medicamentos, novos alimentos e aplicações industriais poderão desaparecer”, acrescenta.

Além disso, com o aquecimento global aumentando a temperatura da Terra, os degelos no Ártico começarão antes e as geadas chegarão mais tarde.

Isto significa que o urso polar, que depende do gelo marinho do norte para caçar focas, começará a se extinguir.

Attenborough escreveu: “Na medida em que se amplia o período sem gelo, os cientistas detectarão uma tendência preocupante. As fêmeas grávidas, privadas de seus recursos, darão à luz filhotes menores”.

“É muito possível que em um ano, o verão seja um pouquinho mais longo e os filhotes que nasçam naquele ano sejam tão pequenos que não possam sobreviver a seu primeiro inverno polar. Toda essa população de ursos polares se extinguiria”.

Com a mudança climática continuando na década de 2050, todo o oceano se tornaria totalmente ácido como resultado de que “o dióxido de carbono formará ácido carbônico para desencadear um declínio calamitoso”.

A metade da década de 2050 seria o final para a pesca comercial e a piscicultura que restam em todo o mundo.

A produção mundial de alimentos chegará a um ponto de crise, após séculos de agricultura intensiva lançando muito fertilizante no solo, deixando-o exausto e sem vida.

A falta de alimentos também se agravará com o surgimento de outra pandemia.

“Apenas estamos começando a compreender que existe uma associação entre o surgimento do vírus e o desaparecimento do planeta”, afirma o cientista.

“Quanto mais continuarmos fraturando a natureza com o desmatamento, a expansão das terras de cultivo e as atividades de comércio ilegal de vida terrestre, mais provável é que surja outra pandemia”.

Finalmente, para 2100, o mundo selvagem terá “desaparecido quase por completo”. Nesse momento, então, “96% da massa de todos os mamíferos da Terra será formada por nossos corpos e os dos animais que criamos para comer. Invadimos a Terra. Mas para o próximo século, é possível que a tenhamos tornado inabitável”.

“O século XXII pode começar com uma crise humanitária mundial, o maior evento de migração humana forçada da história”, escreve Attenborough. “As cidades costeiras de todo o mundo enfrentariam um aumento previsto do nível do mar de 3 pés, durante o século XXI, causado pelo derretimento lento das camadas de gelo, junto com uma expansão progressiva do oceano, na medida em que se aquece. O nível do mar poderia estar alto o suficiente, em 2100, para destruir portos e inundar o interior”.

A isto, soma-se outro problema. “Se todos os eventos ocorressem como descrito, nosso planeta ficaria 4 graus mais quente em 2100. Mais de um quarto da população humana viveria em lugares com uma temperatura média de mais de 29 graus, um nível diário de calor que, na atualidade, só se constata no Saara”.

“A sexta extinção em massa da Terra se tornaria imparável”, segundo o cientista. “Dentro da vida útil de alguém nascido hoje, prevê-se que a nossa espécie provocará nada menos que o colapso do mundo vivente, precisamente no que se baseia a nossa civilização”.

No entanto, Attenborough afirma que as soluções estão “a nosso alcance” e há uma série de “passos que podemos tomar e objetivos que devemos conquistar para evitar a catástrofe que se aproxima”.

Entre os remédios, o divulgador britânico cita uma maior sustentabilidade, energia limpa, a reconstrução dos oceanos, ocupar menos espaço e desacelerar o crescimento da população.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Estamos diante da possibilidade real de uma sexta extinção em massa”, afirma David Attenborough - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV