Pobre Planeta: os humanos estão explorando 100 bilhões de toneladas de riqueza ao ano, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Em busca de cliques, sites e blogs resolveram "matar" Dom Pedro Casaldáliga

    LER MAIS
  • “Pandemia causará um desencanto que chegará às ruas”, afirma Mike Davis

    LER MAIS
  • Dentro de um inferno, algo do paraíso não se perdeu. Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Março 2020

"Ou se muda o estilo de vida da população mundial ou haverá um grande desastre ambiental e a vida na Terra será afetada, por um lado, pela montanha de lixo e resíduo sólido que cresce em ritmo acelerado e, por outro, pelas consequências dramáticas do aquecimento global que se tornou um perigo existencial à civilização e uma ameaça concreta à sobrevivência da vida humana e não humana.", escreve José Eustáquio Diniz Alves, doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE, em artigo publicado por EcoDebate, 04-03-2020.

Eis o artigo. 

“Terra!
És o mais bonito dos planetas
Tão te maltratando por dinheiro
Tu que és a nave nossa irmã”.
(O Sal da Terra, Beto Guedes)

Fonte: Circle Economy

A humanidade está retirando riqueza do Planeta a uma taxa crescente para produzir bens e serviços em benefício de um padrão elevado de consumo que beneficia um enorme número de habitantes que, desafortunadamente, devolvem esgoto, poluição e resíduos sólidos para a natureza. Esta lógica de retirar riquezas ecossistêmicos e devolver lixo para o meio ambiente é adotada, de maneira geral, por toda a população mundial, diferindo apenas em grau, dependendo do nível de renda de cada indivíduo.

O relatório "Global Resources Outlook 2019", da UNEP (United Nations Environment Programme), divulgado ano passado, constata: “Desde a década de 1970, a população global dobrou e o Produto Interno Bruto global quadruplicou. Essas tendências exigiram grandes quantidades de recursos naturais para impulsionar o desenvolvimento econômico e as consequentes melhorias no bem-estar humano. No entanto, esses ganhos têm um custo tremendo para o meio ambiente, impactando, em última instância, no padrão de vida da população e exacerbando as desigualdades dentro e entre os países”.

O relatório informa que, entre 1970 e 2017, a extração global de materiais cresceu de 27 bilhões de toneladas para 92 bilhões de toneladas, triplicando nesse período e continuando a crescer. Desde 2000, o crescimento das taxas de extração acelerou para 3,2% ao ano, impulsionado em grande parte por grandes investimentos em infraestrutura e padrões de vida materiais mais elevados países em desenvolvimento, especialmente na Ásia.

Portanto, a extração per capita de recursos está aumentando e o sonho do desacoplamento entre crescimento econômico e uso de recursos naturais está cada vez mais distante.

Em janeiro de 2020, o Instituto “Circle Economy”, lançou o relatório “The Circularity Gap Report 2020”, pouco antes do início do Fórum Econômico Mundial em Davos, mostrando que o uso insustentável de recursos naturais está destruindo o planeta e agravando a crise climática.

O relatório mostra que a quantidade de material consumido pela humanidade já ultrapassa 100 bilhões de toneladas a cada ano e, apesar deste alto volume de exploração da natureza, a proporção de reciclagem está caindo. Os autores do relatório alertam que tratar os recursos do mundo como ilimitado está levando a um desastre global, com aumento da taxa de extinção de espécies e com o agravamento da emergência climática.

Embora o relatório tenha anotado que algumas nações estão dando passos em direção a economias circulares nas quais a energia renovável sustenta sistemas onde o lixo e a poluição são reduzidos a zero, o executivo-chefe da Circle Economy, Harald Friedl, disse: “Arriscamos um desastre global se continuarmos a tratar os recursos do mundo como se fossem ilimitados. Os governos devem adotar urgentemente soluções de economia circular se quisermos alcançar uma alta qualidade de vida para cerca de 10 bilhões de pessoas até meados do século, sem desestabilizar processos planetários críticos”.

O principal autor do relatório, Marc de Wit, chamou atenção para a questão demográfica (tão negligenciada pelas políticas públicas) e disse: “Ainda estamos alimentando nosso crescimento populacional e a afluência das pessoas pela extração de materiais virgens. Não podemos fazer isso indefinidamente – nossa fome de material virgem precisa ser interrompida”.

Os números apresentados são impressionantes. A exploração das riquezas da Terra chegou a 100,6 bilhões de toneladas de materiais, sendo metade do total constituída por areia, argila, cascalho e cimento usados na construção, somado a outros minerais extraídos para produzir fertilizantes. Carvão, petróleo e gás compõem 15% e minérios metálicos 10%. Cerca de 25% são culturas agrícolas e árvores usadas como alimento e combustível (conforme pode ser visto na figura acima). São 13 toneladas para cada habitante do globo.

O relatório mostra que a maior parte dos materiais (40%) é transformada em habitação. Outras categorias importantes incluem alimentos, transporte, saúde, comunicações e bens de consumo, como roupas e móveis. Quase um terço dos materiais anuais permanece em uso após um ano, como edifícios e veículos. Mas 15% são emitidos na atmosfera como gases de aquecimento climático e quase um quarto é descartado no meio ambiente, como plástico em cursos d’água e oceanos. Um terço dos materiais é tratado como lixo, a maioria vai para aterros sanitários e a mineração. Apenas 8,6% é reciclado.

O relatório afirma que o aumento da reciclagem pode tornar as economias mais competitivas, melhorar as condições de vida e ajudar a cumprir as metas de emissões e evitar o desmatamento. Ele informou que 13 países europeus adotaram roteiros de economia circular, incluindo França, Alemanha e Espanha, e que a Colômbia se tornou o primeiro país da América Latina a lançar uma política semelhante em 2019.

O Banco Mundial havia lançado, em 2018, o relatório “What A Waste 2.0 : A Global Snapshot on Solid Waste Management to 2050” onde mostra que o volume global de descarte de lixo e de resíduos sólidos deve aumentar em cerca de 70% até 2050, quando chegará a 3,4 bilhões de toneladas, frente a 2,01 bilhões de 2016.

Desta forma, tem sido uma ilusão a proposta de conciliar os imperativos gêmeos da sustentabilidade e do desenvolvimento. A ideia do “desenvolvimento sustentável” tem sido apenas um bordão cada vez mais difícil de ser vendido aos cidadãos (transformados em consumidores) do mundo. O desenvolvimento sustentável virou uma contradição em termos e o tripé da sustentabilidade virou um trilema.

Ou se muda o estilo de vida da população mundial ou haverá um grande desastre ambiental e a vida na Terra será afetada, por um lado, pela montanha de lixo e resíduo sólido que cresce em ritmo acelerado e, por outro, pelas consequências dramáticas do aquecimento global que se tornou um perigo existencial à civilização e uma ameaça concreta à sobrevivência da vida humana e não humana.

Somente com um rápido decrescimento demoeconômico será possível reduzir significativamente a exploração dos recursos naturais e suas consequências, evitando ou mitigando um grande colapso ecológico.

Referências:

WORLD BANK. What A Waste 2.0 : A Global Snapshot on Solid Waste Management to 2050, 09/2018.

UNEP. Global Resources Outlook 2019: Natural Resources for the Future We Want, United Nations Environment Programme, 2019.

Circle Economy. The Circularity Gap Report 2020, Circularity Gap Reporting Initiative, Jan 2020.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pobre Planeta: os humanos estão explorando 100 bilhões de toneladas de riqueza ao ano, artigo de José Eustáquio Diniz Alves - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV