Relatório Clima Global 2015-2019

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Um gargarejo nos salvará? Enxaguar a boca e o nariz por 30 segundos com produtos de uso comum reduz muito a carga viral

    LER MAIS
  • Nós precisamos repensar radicalmente a forma como vivemos e trabalhamos

    LER MAIS
  • As duas faces perversas da informalidade: sobretrabalho e intermitência

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Abril 2020

Em uma das atividades para marcar o Dia da Terra, a OMM divulgou seu relatório final sobre o Clima Global 2015-2019. Uma versão preliminar foi publicada antes da Cúpula de Ação Climática do Secretário-Geral das Nações Unidas em setembro de 2019. Complementa as declarações anuais da OMM sobre o estado do clima.

A reportagem é publicada por World Meteorological Organization (WMO) e reproduzida por EcoDebate, 24-04-2020.

O relatório de cinco anos confirmou que 2015-2019 foi o período de cinco anos mais quente já registrado. A temperatura média global aumentou 1,1°C desde o período pré-industrial e 0,2°C em comparação com 2011-2015, afirmou. Desde a década de 1980, cada década tem sido mais quente que a anterior.

A temperatura média global em 1970 foi de +0,24°C acima do período pré-industrial.

Gases de efeito estufa

Os níveis de dióxido de carbono (CO2) e outros principais gases de efeito estufa na atmosfera alcançaram novos recordes, com taxas de crescimento de CO2 18% maiores em 2015-2019 do que nos cinco anos anteriores. CO2 permanece na atmosfera e oceanos durante séculos. Isso significa que o mundo está comprometido com a mudança climática continuada, independentemente de qualquer queda temporária nas emissões devido à epidemia de Coronavírus.

Dados preliminares de um subconjunto de locais de observação de gases de efeito estufa para 2019 indicam que a concentração média global de CO2 está a caminho de atingir ou mesmo exceder 410 ppm até o final de 2019.

As concentrações atmosféricas de CO2 no observatório Mauna Loa, no Havaí, atingiram níveis recordes até agora este ano, com taxas diárias chegando a ultrapassar o nível de 415,00 partes por milhão, segundo a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA.

A média mensal de março de 2020 de CO2 atmosférico no observatório Mauna Loa no Havaí foi de 414,50 partes por milhão, em comparação com 411,97 ppm em fevereiro de 2019, de acordo com a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA. Mauna Loa é a estação de observação contínua mais longa do mundo e uma estação de referência da Global Atmosphere Watch Network. As concentrações médias anuais de CO2 em Mauna Loa em 2019 foram de 411,44 ppm, em comparação com 325,68 ppm no primeiro Dia da Terra em 1970.

Em outra estação de referência, Cape Grim, na Tasmânia, os níveis médios de CO2 foram de 408,3 ppm em fevereiro, ante 405,66 ppm em fevereiro de 2019, de acordo com a CSIRO. No observatório de Izaña, em Tenerife, as concentrações de CO2 também são mais altas este ano do que em 2019, e a mesma tendência é observada nas estações do Sistema Integrado de Observação de Carbono.

Outros indicadores de mudança climática

Diferença global média do nível do mar de 1965-2019. (Fonte: OMM)

As tendências contínuas e aceleradas também predominaram entre outros indicadores climáticos importantes, incluindo uma aceleração do aumento do nível do mar, um declínio contínuo na extensão do gelo do Ártico, uma diminuição abrupta no gelo do mar Antártico, uma perda contínua de massa de gelo nas geleiras e na Groenlândia e camadas de gelo antártico, e a clara tendência descendente na cobertura de neve da primavera no hemisfério norte.

Mais calor está sendo preso no oceano. O ano de 2019 teve os maiores valores de conteúdo de calor oceânico já registrados, medidos nos 700 metros superiores. Temperaturas mais altas da superfície do mar colocam em risco a vida marinha e os ecossistemas.

Impactos na saúde

As ondas de calor foram o risco meteorológico mais mortal no período de 2015–2019, afetando todos os continentes e resultando em novos registros de temperatura em muitos países, acompanhados por incêndios florestais sem precedentes que ocorreram em particular na Europa, América do Norte, Austrália, floresta amazônica e regiões árticas.

Com base nos dados e análises da Organização Mundial da Saúde, o risco geral de doenças ou mortes relacionadas ao calor tem aumentado constantemente desde 1980, com cerca de 30% da população mundial vivendo atualmente em condições climáticas que produzem temperaturas potencialmente mortais pelo menos 20 dias por ano.

Chuvas fortes e inundações associadas criam condições favoráveis ​​para vários tipos de surtos epidêmicos. Nos países endêmicos da cólera, estima-se que 1,3 bilhão de pessoas estejam em risco, enquanto somente na África cerca de 40 milhões de pessoas vivem em “pontos quentes” da cólera.

Os riscos relacionados ao clima associados à variabilidade climática e às mudanças exacerbaram a insegurança alimentar em muitos lugares, em particular na África, devido ao impacto da seca, que aumentou o risco geral de doenças ou morte relacionadas ao clima.

Impactos climáticos nas economias

Durante 2015-2019, os ciclones tropicais foram associados às maiores perdas econômicas. O evento de risco mais caro foi o furacão Harvey em 2017, que levou a uma perda econômica estimada em mais de US $ 125 bilhões.

Temperaturas mais altas ameaçam prejudicar o desenvolvimento por meio de impactos adversos no produto interno bruto (PIB) nos países em desenvolvimento.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) concluiu que, para um país em desenvolvimento de média e baixa renda, com temperatura média anual de 25°C, o efeito de um aumento de 1°C na temperatura leva a uma queda de 1,2% no crescimento. Os países cujas economias são projetadas para serem significativamente afetados adversamente por um aumento de temperatura produziram apenas cerca de 20% do PIB global em 2016; no entanto, atualmente eles abrigam quase 60% da população global e são projetados para abrigar mais de 75% até o final do século.

Todos os recursos da OMM para o Dia da Terra 2020 estão disponíveis aqui.

O Clima Global 2015-2019. (Fonte: OMM)

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Relatório Clima Global 2015-2019 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV